A expectativa com o reboot do Quarteto Fantástico foi grande. Seguido de sucessos da Marvel como Vingadores: Era de Ultron e Homem-Formiga, natural que a aposta nos quatro super-heróis fosse grande.

O Quarteto Fantástico ja teve algumas adaptações para o cinema e, misteriosamente, sempre acabam virando filmes abaixo da média e de qualidade duvidosa. A primeira tentativa foi o filme de 1995 produzido pelo rei do cine trash Roger Corman. Com efeitos especiais toscos e interpretações sofríveis, a pérola acabou virando material cult para os fãs da Marvel.

Em 2005, tudo parecia estar alinhado para ressuscitar o quarteto na telona. Com um orçamento caprichado e um elenco no minimo curioso que ia de Michael Chiklis a Jessica Alba, o filme não decolou e angariou criticas ruins. Utilizando um tom bastante infanto-juvenil, acabou perdido no catálogo de apostas da Marvel. Ainda rendeu uma continuação constrangedora envolvendo o Surfista Prateado…


O novo Quarteto Fantastico estreou na última quinta com um novo elenco e enfrentando a enxurrada de super heróis – e críticas negativas – que estão surgindo. Os primeiros indicios não foram bons, já que o tradicional site de cinema Rotten Tomatoes aponta que o filme tem 86 criticas negativas em relação às 9 positivas, fracasso solidificado com a péssima abertura nas bilheteria neste fim de semana. A maldição do Quarteto parece ainda assombrar os cinemas.

Para celebrar os filmes de super-heróis que naufragaram no cinema, o Observátorio do Cinema faz um apanhado de projetos mal executados e vexaminosos:

Batman e Robin (1997)

Batman e Robin

Um marco do cinema trash de super-heróis garantido pelo diretor carnavalesco Joel Schumacher. Seguido do mediano Batman Eternamente (Batman Forever), Joel resolveu colorir Gotham City, fazer bat mamilos no uniforme do Batman e inseriu no enredo uma vilã capenga interpretada por uma caricata Uma Thurman (Poison Ivy, baby!). Arnold Schwarzenegger de Mr. Freeze foi a cereja no topo do bolo. Sepultou a franquia do Homem-Morcego até ser ressuscitado pelo competente Christopher Nolan em Batman Begins.

Superman Returns (2006)

superman-returns

Outra aposta que naufragou foi o retorno do Superman na pele de Brandon Routh. O filme não agradou, não teve um bom roteiro para sustentar a trama e não houve química entre os membros do elenco. Kevin Spacey como Lex Luthor foi canastrão e Kate Bosworth como Lois Lane era bastante apagada e sem sal. Mesmo sob a direção do competente Bryan Singer, o homem por trás dos X-men, o filme nao foi nada bem.

Hulk (2003)

hulk-ang-lee

A combinação de Ang Lee (diretor de Tigre e o Dragão) e Hulk era no mínimo excêntrica. Todo mundo aguardou anciosamente o tratamento que o respeitado e premiado diretor daria para o herói verde que esmaga tudo. No final das contas, Hulk foi desprezado pelo publico e trouxe alguns absurdos como a aparição dos polêmicos poodles hulks na trama. Nem a presença do convincente Eric Bana e a sempre gata e competente Jennifer Connelly conseguiram salvar o verdão do abismo. Teve um reboot posterior com Edward Norton que acabou sendo trocado pelo Mark Ruffalo nos filmes posteriores dos Vingadores. Norton era muito estrelinha, segundo o diretor de Hulk, Louis Leterrier.

Lanterna Verde (2011)

lanterna verde

Absolutamente execrado pela crítica, Lanterna Verde foi um erro do inicio ao fim. Além de contar com Ryan Reynolds, mal escalado para o papel, o filme é cheio de efeitos especiais horrorosos e tem um fiapo de história que encabula de tão ruim. Foi para o lixo dos filmes de super heróis e hoje é vendido em liquidações de video locadoras falidas por 1,99. O próprio Ryan Reynolds tira onda do filme no trailer do novo Deadpool. Lamentável.

Demolidor (2003)

demolidor-filme

Ben Affleck é sacaneado até hoje por esta infame adaptação do herói mascarado de Hell’s Kitchen. Cheio de interpretações dignas de Framboesa de Ouro, o filme conseguiu falhar em todos os aspectos possiveis. Não havia um roteiro interessante, as cenas de luta não foram bem executadas e as presenças de Michael Clarke Duncan como Rei do Crime e Colin Farrell como Mercenário não agregam em nada na história, apenas deixam o material mais constrangedor. Conseguiu o feito de criar um spin-off ainda pior chamado Elektra que foca na personagem de Jennifer Garner. O Netflix corrigiu esta mancha da Marvel com o seriado produzido originalmente para a rede de streaming (leia a crítica).

Mulher Gato (2004)

mulher gato

Nada pode ser mais constrangedor do que esta trama barata que envolveu Halle Berrry e Sharon Stone em um dos piores filmes de todos os tempos. Uma tortura do começo ao fim, o filme abusa de cenas de luta desastrosas, mesmo com a gata fazendo golpes de capoeira (!). O uniforme da Mulher-Gato foi bastante criticado quando foi apresentado ao público pela primeira vez (e já deu o tom da bomba que seria a adaptação) e o trem descarrilou de vez quando o filme estreou. Berry foi laureada com um Framboesa de Ouro de pior atriz, prêmio que enfeita sua estante junto ao seu Oscar de Melhor atriz por A Última Ceia.