7 razões pelas quais Leonardo DiCaprio ainda não ganhou um Oscar

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As piadas com a falta de Oscar de Leonardo DiCaprio parecem nunca cansar. Enquanto a internet aproveita mais um pouco antes que o ator leve para casa o prêmio, o que provavelmente vai acontecer no próximo dia 28 pela indicação por O Regresso, vale a pena parar e analisar por que, afinal, o ator que fez sua fama como Jack de Titanic ainda não ter uma estatueta em casa.

Antes de começarmos a lista, no entanto, é preciso entender que a sua falta de premiação por parte da Academia não o faz menos ator. Por mais divertido que ele possa ser, o Oscar nem sempre (quase nunca) se baseia puramente em mérito, e citar grandes atores que nunca tiveram a honra de subir ao palco para receber seu troféu é mais fácil do que pode parecer. Muitos, inclusive, mais velhos, experientes e com mais indicações que DiCaprio.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Regresso prova que Leonardo DiCaprio pode ser o maior astro de Hollywood

Ele só tem 41 anos!

Nos últimos 45 anos do prêmio do Oscar, só 14 homens de menos de 40 anos venceram a categoria de Melhor Ator. Entre os premiados ainda na juventude estão Robert De Niro, Daniel Day-Lewis e Jack Nicholson – todos os três presenças garantidas em qualquer lista de melhores atores de todos os tempos do cinema americano. A idade média para os vencedores do Oscar de Melhor Ator é de 44 anos, então dizer que “passou da hora” de DiCaprio vencer o seu é exagero, ao menos para os padrões da premiação – quando Martin Scorsese finalmente venceu o seu, aos 65 anos, faria sentido dizer isso; quando e se o diretor de fotografia Roger Deakins, com as suas 13 indicações e nenhuma vitória aos 67 anos, vencer, vai fazer sentido. Para Leo, ainda há muito tempo.

A verdade é que, se DiCaprio realmente vencer a categoria de Melhor Ator esse ano, ele ainda assim vai ser jovem para a média dos vencedores do Oscar. Sua trajetória é meteórica, com indicações aos 19, 30, 32 e 39 anos – dessa vez, talvez a Academia não tenha “passado da hora”. Talvez seja apenas a hora certa.

Ele não foi nem indicado por sua melhor atuação

Mesmo que ele nunca esteja nada além de ótimo em todas as suas indicações a Melhor Ator, talvez a melhor performance de Leonardo DiCaprio seja em Os Infiltrados, filme que dominou o Oscar de 2007 e poderia muito bem ter rendido ao ator sua tão cobiçada estatueta. O mais bacana é que o personagem de DiCaprio aqui não é excêntrico ou maior-que-a-vida – é um cara comum, envolvido em uma trama violenta e bem costurada, e apoiado por uma quantidade de performances excelentes ao seu redor. O problema é que no mesmo ano DiCaprio fez outro filme pelo mesmo estúdio, e tal estúdio (a Warner Bros.) resolveu investir suas fichas na atuação de Leo em Diamante de Sangue, pela qual ele acabou sendo indicado, e perdeu.

Se ele tivesse sido indicado por Os Infiltrados, talvez o argumento de que a Academia propositalmente está adiando o prêmio para DiCaprio fizesse mais sentido, porque ele está melhor no filme do que o vencedor de Melhor Ator daquele ano (Forest Whitaker, por O Último Rei da Escócia).

A competição é sempre difícil quando ele é indicado

Só nos concentrando nas vezes em que Leonardo DiCaprio foi indicado a Melhor Ator, é preciso reconhecer que o prêmio em 2005 pertencia a Jamie Foxx por Ray, e mesmo se não pertencesse, a Academia preferiria reconhecer um antigo favorito (Clint Eastwood, indicado por Menina de Ouro) do que fazer de Leo o segundo ator mais jovem a vencer na categoria. Em 2007, a competição estava um pouco mais fraca, mas como vimos no item anterior a performance pela qual Leo foi indicado não era a sua melhor do ano, e Forest Whitaker está de fato impressionante em O Último Rei da Escócia.

Por fim, em 2013 a Academia indicou um grupo formidável de atores, eventualmente esnobando a espetacular atuação de Chiwetel Ejiofor em 12 Anos de Escravidão pelo bom, mas superestimado, trabalho de Matthew McCounaughey em Clube de Compras Dallas.

Os filmes pelos quais ele é indicado nunca ganham nas principais categorias

Apesar de ter se tornado bem raro o vencedor de Melhor Ator ser o protagonista da obra que leva Melhor Filme, ainda é esmagadoramente verdadeira a estatística de que a maioria dos filmes vencedores em Melhor Ator leva pelo menos alguns outros prêmios na noite.

Tanto O Lobo de Wall Street quanto Diamante de Sangue não levaram nenhum (estavam, cada um deles, indicados a cinco), e O Aviador ganhou alguns prêmios técnicos além de Melhor Atriz Coadjuvante para Cate Blanchett. Se você pensar bem, isso significa, no mínimo, que a Academia não tinha muita simpatia por esses filmes, o que é bem diferente com O Regresso.

Ele não foi tão indicado quanto as pessoas parecem achar

Ok, quatro indicações a Melhor Ator em 12 anos (contando com O Regresso) é impressionante, mas perder quatro (ou cinco) indicações ao Oscar não é algo tão raro quanto possa parecer. Julianne Moore foi indicada cinco vezes em 17 anos, entre 1998 e 2015, e só levou o prêmio na quinta vez, aos 55 anos; a própria companheira de Titanic de Leo, Kate Winslet, foi lembrada pelo Oscar seis vezes entre 1996, na sua primeira indicação por Razão e Sensibilidade, e 2009, quando finalmente ganhou por O Leitor, aos 44 anos. Nem todo mundo pode ter a sorte e o favoritismo de Jennifer Lawrence, que venceu em sua segunda indicação, aos 23 anos – de fato, a trajetória de Leo, Julianne e Kate é muito mais comum no Oscar do que a de J.Law.

A predileção de Leo por papéis megalomaníacos pode ter prejudicado

Em sua carreira, Leonardo DiCaprio já interpretou as seguintes figuras: Arhur Rimbaud, um dos poetas de história mais trágica do Romantismo, em Eclipse de Uma Paixão; Howard Hughes, milionário obsessivo compulsivo e diretor de cinema, em O Aviador; Romeu, um dos personagem mais icônicos de Shakespeare, em Romeu + Julieta; Jay Gatsby, o personagem central da obra literária mais celebrada da história dos EUA, em O Grande Gatsby; J. Edgar Hoover, o fundador do FBI em J. Edgar; Jordan Belfort e Frank Abagnale Jr, dois notórios criminosos financeiros, em O Lobo de Wall Street e Prenda-Me Se For Capaz.

Apesar da Academia adorar uma performance baseada em um personagem real ou da literatura clássica, talvez as escolhas de Leo tenham sido um pouco “grandes” demais para os votantes. E talvez seus personagens, sempre conflituosos e complicados, cheios de características irritantes, não tenham colado muito no Oscar. Nós estamos acostumados com DiCaprio interpretando figuras desse tipo – talvez se tivesse mostrado mais ecletismo, como fez em Django Livre ou em Os Infiltrados, ele tivesse sido mais reconhecido.

Talvez ele não tenha merecido ainda?

Por favor, não nos atirem pedras. O que queremos dizer com esse tópico não é que Leonardo DiCaprio não seja um ator excelente, talvez um dos melhores, e com mais faro para bons projetos, hoje em dia. O que estamos querendo dizer é que, mais uma vez, a trajetória de indicações, performances não indicadas, escolhas de papéis e concorrentes ao prêmio na sua categoria não o ajudou. Em nenhuma de suas indicações anteriores o ator era obviamente o favorito, e é difícil argumentar que ele deveria ter sido – isso mudou agora, com O Regresso, em que ele chega com um currículo de vitórias absoluto que deve lhe levar para o palco receber a estatueta, “finalmente”, e terminar com um dos memes mais duradouros da internet.

Estamos tão felizes quanto qualquer um que Leonardo DiCaprio vai ter um Oscar em casa, mas permanece a sugestão de que talvez esse Oscar não esteja, no final das contas, nem um pouco atrasado.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio