Bates Motel | Quarta temporada estreia mais tensa e distorcida do que nunca

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em sua quarta temporada, Bates Motel entrou naquele rol especial de séries que já alcançaram o seu tom ideal, e agora seguem adiante sem muita turbulência pelo caminho (apesar das subtramas desse quarto não serem muito melhor que a média).

Os fãs acostumados com a direção que a série parecia estar tomando na terceira temporada não vão se decepcionar com o começo dessa nova leva de episódios. A crítica americana recebeu os dois primeiros capítulos da temporada com antecedência.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Allison Keene, do Collider, destacou que, apesar de Vera Farmiga e sua Norma ainda serem as grandes estrelas da série, a atuação de Freddie Highmore e o comportamento errático de Norman, cada vez mais próximo do seu destino, que conhecemos de Psicose, de 1960, roubam muitas cenas nesse começo do quarto ano. O ator não só acerta a complexa decadência psicológica do personagem, como emula perfeitamente os maneirismos e detalhes da performance de Farmiga nas cenas em que Norman se transveste como sua mãe.

O primeiro episódio começa com as consequências das ações de Romero (Nestor Carbonell) e Norman (Highmore), visto que ambos terminaram o terceiro ano matando uma pessoa. Com Norma procurando desesperadamente pelo filho após a briga que os dois tiveram, e Dylan (Max Thierot) partindo para Portland com Emma (Olivia Cooke) para apoiá-la durante uma cirurgia importante que pode salvar sua vida, Bates Motel começa a toda velocidade.

A subtrama de Emma funciona largamente pelos esforços de Olivia Cooke, como notou Mitchel Broussard, do We Got This Covered. A atriz, que interpretou um papel similar no hit indie Eu, Você e a Garota que Vai Morrer, torna a personagem amável e interessante, dando a ela (e a Dylan) algo de concreto para fazer nesse começo de temporada.

A relação entre Norma e Norman, que segue no coração da série, é informado por alguns novos desenvolvimentos: Norman completa 18 anos (Highmore tem 24, aliás), e sua mãe agora não pode mais forçadamente interná-lo em um hospital psiquiátrico, como ela estava tentando fazer durante a temporada passada – há algo de trágico nisso, com Norma finalmente reconhecendo o problema que seu filho tem e se sentindo sem poder para fazer qualquer coisa a respeito.

A crítica do Collider notou que os dois primeiros episódios se parecem com um filme, lentamente escalando as tensões até um final chocante que deixa Norman em frente a um destino incerto. Mas se Bates Motel se transformar em uma exploração mais clara da psicose de Norman e de sua vontade de se travestir como a mãe, além de sua crença de que a Norma de verdade é a autora dos assassinatos que continuam se acumulando, essa será uma temporada interessante, com os dois protagonistas cada vez mais em união ao mesmo tempo em que se voltam um contra o outro.

Ambos os jornalistas concluíram que a promessa da quarta temporada de Bates Motel é manter o tom muito especial que a série desenhou para si durante os três primeiros anos. Um tom de estranheza e confusão entre realidade e fantasia, que nos implica em atos sombrios de violência, mas não nos mostra tudo – assim como Norman, nós só vemos pequenos flashes desses momentos, escondidos por trás da normalidade aparente (mas quase transparente) do relacionamento central da série.

Explorar esse relacionamento é o grande trunfo do quarto ano, e assistir aos próximos passos da transformação de Norman em um assassino à sangue frio é tão empolgante (e trágico) quanto ver Norma fazer às pazes (ou tentar fazer às pazes) com verdades inconvenientes e inevitáveis sobre o filho.

Já renovada para uma quinta temporada, Bates Motel tem todo o tempo do mundo e, ao mesmo tempo, todo o ímpeto empolgado, para chegar no seu inevitável final – e nos entreter com a história mesmo que já saibamos qual é esse final.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio