ATENÇÃO PARA SPOILERS DA SÉRIE A SEGUIR!

O sexto episódio de Game of Thrones, “Blood of My Blood” (6×06), começou exatamente de onde o anterior, o chocante “The Door”, parou: com Meera arrastando Bran pela neve, com o garoto ainda imerso em seu transe e tendo visões de vários momentos da história de Game of Thrones (e até de antes da série começar). Vemos flashes de Ned Stark invadindo a Torre da Alegria, Jamie Lannister matando Aerys Targaryen, da batalha de Hardhome e de vários outros momentos da história de Westeros.

Quando Bran acorda, os zumbis dos Caminhantes Brancos estão chegando perto, apesar dos esforços de Hodor, e os dois parecem estar perdidos. Meera se desculpa e os dois se abraçam, só para serem salvos milagrosamente por um misterioso cavaleiro portando uma arma flamejante, que levanta Bran com um braço e o coloca em seu cavalo, o levando embora junto com Meera. Quem é esse novo chegado à Game of Thrones?


Enquanto isso, Sam e Gilly estão no momento crucial de suas jornadas, chegando em Horn Hill, a casa da família de Sam, e conhecendo a mãe, as irmãs e o terrível pai do personagem, Randyll Tarly. Sam intrui Gilly a dizer que o bebê que eles carregam é seu filho, e não revelar suas origens como selvagem para a família Tarly, especialmente para Randyll, que carrega uma raiva profunda desse povo.

A mãe e as irmãs de Sam recebem bem o novo casal, mas mais tarde, durante o jantar, Randyll começa a fazer observações maldosas sobre Sam e como ele “não se tornou um homem de verdade” mesmo após ser mandado para o Castelo Negro. Randyll está desapontado que Sam vai passar a estudar para se tornar um Maester, ao que Gilly responde confrontando o velho homem e dizendo que Sam sabe manejar uma espada, contando sobre como ele matou um Caminhante Branco. Isso faz Randyll desconfiar das origens de Gilly, que logo são reveladas.

Expulsando o filho de casa, Randyll ordena que Gilly vá trabalhar na cozinha e promete criar “seu neto”, mas não abrigar mais Sam – Randyll acha que ter um filho com uma selvagem foi um ato de desafio do filho. Ao invés de acatar as ordens do pai, no entanto, Sam prefere desafiá-lo, levando Gilly junto consigo quando foge de Horn Hill e, de quebra, roubando a poderosa espada do pai, Heartsbane, feita de aço Valiriano, que Randyll jurou nunca dar ao filho. Parece que Sam e Gilly ainda tem muito o que acrescentar à trama e às lutas de Game of Thrones.

Enquanto isso, em Essos…

A missão de Arya para se tornar uma Assassina Sem Rosto esbarra em um obstáculo intransponível quando ela decide salvar a vida de Lady Crane, a atriz cuja morte uma rival pediu à Casa do Preto e Branco. Arya chega a envenenar o rum da atriz, que a emocionou ao interpretar uma Cersei em luto após a morte de Joffrey, mas Crane nota a menina saindo dos bastidores quando chega e trava com ela uma conversa afetuosa, o que faz a aspirante a assassina voltar a impedir a atriz que beba o rum. Após tomar a decisão, Arya recupera sua espada e se esconde, enquanto Jaqen diz para a outra garota da Casa do Preto e Branco encontrá-la e, presumivelmente, matá-la.

Enquanto isso, Dany e Daario fazem planos para a campanha da rainha dos dragões para tomar Westeros. Dany pergunta ao mercenário de quantos navios ela precisa, e Daario responde que pelo menos mil, mas pergunta à Dany o que ela fará quando conquistar o Trono de Ferro, dizendo que ela raramente conseguiu se contentar com apenas um título de rainha. Dany responde à altura: se separando do exército de Dothraki, ela acha Drogon e volta nas costas de seu dragão, em toda a sua glória, inflamando os Dothraki a segui-la para conquistar Westeros.

Com Game of Thrones se aproximando de seu fim, não duvidamos nada que isso aconteça em breve.

Coroa e fé

Em Porto Real, as coisas tiveram uma reviravolta interessante – mesmo confrontado com o exército dos Tyrell, co-comandado por Jaime Lannister, o Alto Pardal não se intimidou. Margeary não fez sua Caminhada da Vergonha, como era esperado, dando espaço para uma nova surpresa: Tommen, o rei, decidiu que era hora da coroa e da fé representada pelo Pardal começarem a agir como um. Sua aliança comprou a liberdade de Margeary, que também parece ter sido convertida (ou estar fingindo ser convertida), mas não a de Loras. O discurso de Game of Thrones sobre fé e política segue contundente como sempre.

Em seu trono e guiado pela Fé dos Sete, Tommen decide tirar Jaime do comando da Guarda do Rei, o mandando para longe, para Correrrio, recuperar a fortaleza dos Tully de volta ao lado de Walder Frey. Isso significa uma reunião de Jaime e Brienne, dessa vez em lados opostos, para Game of Thrones? Só esperando para ver. Antes de deixar Porto Real, no entanto, Jaime tem um novo encontro com Cersei, uma espécie de despedida, em que a rainha-mãe diz para o irmão não se preocupar com o seu julgamento, visto que será feito por combate. Jamie hesita, mas os dois se beijam e se separam.

Por fim, no finalzinho, descobrimos quem é o misterioso cavaleiro que salvou Bran e Meera: Benjen Stark. O tio de Bran, que era considerado morto desde o comecinho da primeira temporada, na verdade foi salvo pelas Crianças da Floresta de se tornar completamente um Caminhante Branco, passando a trabalhar para o Corvo de Três Olhos. Meera diz que o Corvo está morto, mas Benjen responde, misteriosamente: ele vive novamente.

game of thrones arya