Easy | Série da Netflix traz Orlando Bloom e outros astros como você nunca viu

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Entregar astros do porte de Orlando Bloom, Aya Cash (You’re the Worst), Malin Akerman, Dave Franco, Elizabeth Reaser e muitos outros nas mãos do cineasta, roteirista e produtor Joe Swanberg é uma jogada de gênio da Netflix. Em Easy, o fundador do movimento “mumblecore” cria uma estranha intimidade com esses atores tão reconhecíveis, e nos permite vê-los interpretando pessoas de verdade, o que é mais raro do que parece.

O “mumblecore” surgiu mais ou menos ao mesmo tempo que o filme de estreia de Swanberg na direção, Kissing on the Mouth, de 2005, e Easy parece uma evolução natural do estilo. No início, o “mumblecore” era fundado não só em diálogos naturalistas e uma preocupação maior com personagem e atmosfera do que trama, mas também na escalação de atores desconhecidos do grande público. Conforme foi absorvido pelo mainstream (especialmente através de séries como Girls e Transparent, entre outros), o mumblecore passou a ser mais “receptivo” a astros de primeira grandeza, e o efeito disso em Easy é fascinante.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A primeira temporada de Easy tem 8 episódios e se estrutura como uma antologia, contando uma história diferente a cada um deles. O tema unificador são os relacionamentos, as diferentes fases, crises e estilos de convivência imbuídos neles. Vemos um futuro pai escondendo um projeto pessoal da esposa grávida, a tensão entre um pai dono-de-casa e uma mãe trabalhadora, a visita de um ex-namorado à casa de um casal, a jornada de duas mulheres que se beijam em um show do “sexo sem compromisso” a um relacionamento sério. E por aí vai.

Sem novidade no front

Desde que deu as caras no cenário narrativo (cinematográfico e televisivo), no entanto, o problema com muitas das obras de Swanberg é o mesmo: em sua busca por intimidade e realismo, ele abdica de uma prerrogativa importante da narrativa, a do significado maior. De fato, a vida real não tem um significado maior na maioria das vezes – mas não é a própria missão da narrativa ficcional escavar e encontrar esse significado?  Grandes obras do passado e do presente diriam que sim, reflitam elas um mundo mais realista (como Girls, supracitada) ou não (Game of Thrones e afins).

O resultado da abordagem de Joe Swanberg, que escreveu e dirigiu todos os episódios de Easy, é que a série encontra poesia inconsequente no cotidiano dessas pessoas e nas crises que elas passam, mas não encontra um tema, uma tese ou uma sentença que queira passar. No final das contas, a impressão é que são muitos minutos que passamos conhecendo esses personagens, e poucos que passamos entendendo e vendo suas vidas se desenrolarem. Talvez o problema seja o formato, e talvez seja só o estilo de Swanberg.

As atuações são dignas de pagar para ver, no entanto. Atores anteriormente limitados revelam novas facetas quando relaxam diante da câmera de Swanberg, e intérpretes poderosos encontram uma forma de se expressar de forma mais sutil diante do estilo naturalista do diretor. Easy é uma série charmosa e fugazmente tocante, mas não é um dos grandes momentos da carreira de ninguém envolvido.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio