Luke Cage é tão importante quanto, e talvez melhor que, Demolidor e Jessica Jones

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Todas as histórias da Marvel Studios, desde 2008, quando o estúdio nasceu com Homem de Ferro, foram contadas sob o ponto de vista de um homem branco – e isso não pode ser ignorado. Embora tenha enriquecido seu mundo com coadjuvantes de etnias diferentes (e caminhe ainda mais nesse sentido no futuro), a Marvel ainda não havia contado uma história que mergulhasse fundo nas questões particulares do universo do afro-americano – e a hora chegou, com Luke Cage.

Mergulhado na cultura hip hop, nas ruas do Harlem e na força de seu protagonista, que enfrenta questões de racismo de frente, a nova série da Marvel/Netflix é uma anomalia bem-vinda ao universo cinematográfico da editora, conforme saudada pela maioria dos críticos que já viram metade dos episódios da primeira temporada antes da estreia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Briga de gangues

A história começa meses depois de Jessica Jones, com Luke Cage tendo se mudado de Hell’s Kitchen para seu Harlem natal, onde tenta manter um perfil discreto e trabalhar dois empregos: varrendo os cabelos do chão da barbearia de Pops (Frankie Falson) e lavando pratos na boate de Cornell “Cottonmouth” Stokes (Mahershala Ali). Alguns dos meninos que frequentam a barbearia tentam roubar a boate de Cottonmouth, e o conflito resulta em Cage finalmente usando seus poderes de superforça, colocando a narrativa em movimento.

A história de Luke Cage se concentra na dupla de vilões formada por Cottonmouth e sua irmã, a política Mariah (Alfre Woodard), que deseja que seu irmão mantenha um perfil mais discreto. A crítica da Collider aponta que essa dualidade é a mesma que existe dentro de um vilão só em Wilson Fisk, de Demolidor. “Cottonmouth só se importa com dinheiro, poder e respeito, e Mariah usa esses mesmos meios para chegar em seus fins, que são altruístas. É uma corrupção complicada”, escreveu em seu review.

“A palavra certa para Luke Cage é ‘real’. A série considera questões reais e importantes para a comunidade afro-americana, o que resulta em uma história que carrega uma gravidade sóbria”, comentou o crítico da We Got This Covered, por sua vez, elogiando o fato de que o universo Marvel encontrou sua relevância sociopolítica dentro da Netflix, enquanto a Collider faz paralelos com a forma como Jessica Jones aborda “questões complicadas sobre estupro, consentimento, poder e sobrevivência”.

The Wire com superpoderes

Comparação feita pelo próprio Mike Colter e aproveitada por virtualmente todos os críticos, Luke Cage é como The Wire com superpoderes. Exibida entre 2002 e 2008 na HBO, The Wire (ou A Escuta, como ficou conhecida por alguns no Brasil) mostrava o mundo das drogas de Baltimore, visto tanto por policiais quanto por criminosos. Por conta de sua origem quadrinesca, Luke Cage se restringe a certa dose de realismo e certa dose de caricatura, com policiais escorregadios e abusadores a todo canto, mas a mensagem e o espírito de mergulho na cultura do crime urbano é a mesma.

Isso sem contar o elenco de personagens inesquecíveis. Simone Missick, que interpreta a detetive Missy Knight, novo par romântico de Luke, não limita a esse papel – o We Got This Covered descreve sua participação assim: “Ela identifica pistas e até vê aparições quando olha para as cenas de crime, e sua intuição afiada é apresentada como um superpoder tão extraordinário quanto o de Luke, o que é muito, muito legal”. As participações de músicos reais em meio às muitas referências da série ao hip hop (todos na boate de Cottonmouth) também não passam despercebidas.

No entanto, é Mike Colter quem brilha mais. “Como vimos em pedaços de Jessica Jones, ele empresta à Luke um senso de reticência misturado com um senso de desafio, que encontra todos os momentos certos para brilhar. Ele é um herói que usa sua força como último recurso, e a usa em tons baixos e com confiança. Embora não seja sempre tão convencido, Luke Cage tem esse magnetismo e esses princípios que os fazem como um Capitão América para esse grupo específico de personagens, nesse contexto”, escreveu a Collider.

Luke Cage, aclamada com ao melhor série da Marvel até o momento, chega à Netflix nesta sexta, 30 de setembro.

10 tragédias enfrentadas pelo herói nos quadrinhos e na TV

10 coisas que você precisa saber sobre o novo herói da Marvel

Luke Cage, Powerless e Krypton: 18 vindouras séries de TV baseadas em HQs

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio