Sempre que uma adaptação de um livro que lemos ou um remake de um filme antigo que assistimos é anunciado, imediatamente um elenco ideal surge na nossa cabeça. É verdade que quase sempre nossas expectativas são frustradas pelos estúdios, a não ser quando a nossa vontade é ecoada pela maioria dos fãs do filme ou livro em questão. O poder dos fãs na internet é cada vez mais levado em conta pelos estúdios na hora de escalar seus filmes.

Até agora, em suas adaptações de desenho animado estreladas por atores de carne e osso, a Disney acertou fabulosamente nos papeis que realmente importam: Angelina Jolie como Malévola e Elle Fanning como Aurora em “Malévola”; Lily James como Cinderela, Cate Blanchett como a Madrasta e Richard Madden como o Princípe em “Cinderela”; e você pode até não gostar do “Alice no País das Maravilhas” de Tim Burton, mas é difícil imaginar outra pessoa como o Chapeleiro Maluco além de Johnny Depp. Até o elenco de “A Bela e a Fera”, com Emma Watson à frente como Bela, parece ser sido escolhido a dedo.

A Bela e a Fera ganha seu primeiro trailer completo


Com mais e mais projetos de adaptações nesse estilo sendo anunciados, e poucos nomes confirmados para os elencos, é claro que a nossa imaginação corre solta. Então aqui vão algumas sugestões para os papeis ainda não vividos por atores de carne e osso no universo Disney:

VACATION
Steele Stebbins

A Espada Era a Lei

Esse é um dos projetos já anunciados pela Disney, com Bryan Cogman (Game of Thrones) no comando do roteiro, e por enquanto nenhum membro do elenco anunciado, e nenhum nome na direção. A animação de 1963 retrata um jovem Rei Arthur sendo encontrado pelo mago Merlin como o servo de um castelo, e treinado por ele para se tornar o grande monarca do qual a Inglaterra precisa.

Para o papel principal, o jovem Arthur, nossa sugestão é Steele Stebbins, o ator mirim atualmente mais conhecido pela participação na (terrível) comedia “Férias Frustradas”. Ele tem o faro cômico certo para as peripécias do filme original, e apostamos que pode criar um Arthur cativante em sua ingenuidade. Se não rolar, é claro que o ator-revelação Jacob Tremblay, de “O Quarto de Jack”, não é má ideia.

As ideias óbvias para o papel da Madame Mim, a bruxa que atormenta Arthur e Merlin no desenho original, seriam Imelda Staunton (a Umbridge de “Harry Potter”) ou alguém com um pendor mais cômico, como Melissa McCarthy. Nós iríamos por um caminho diferente, no entanto, alistando os talentos consideráveis de Emma Thompson, que provou ser capaz de fazer uma vilã/bruxa exagerada brilhantemente em “Dezesseis Luas”.

Já como o velho mago Merlin, a escolha não deveria ser nem discutida: John Hurt, veteraníssimo ator britânico, conhecido pelos trabalhos em “V de Vingança”, “Alien”, “Hellboy” e até como o Olivaras de “Harry Potter”, é a opção mais óbvia para o papel, que deve lhe cair como uma luva.

Arden Cho
Arden Cho

Mulan

Esse projeto, anunciado a um pouco mais de tempo, já provocou muita discussão entre os entusiastas da Disney. A animação mais recente a ter um remake live-action anunciado, o filme original de 1998 conta a história de uma garota chinesa que se disfarça de homem para ser convocada para o exército, e assim salvar o seu pai envelhecido do mesmo destino. É um dos filmes mais bacanas da época do renascimento da Disney pós-Rei Leão, e merece um tratamento perfeito no remake.

A ideia mais apoiada por fãs (e também por nós) para o papel-título de Mulan é a jovem texana, mas de descendência coreana, Arden Cho, conhecida pelo papel de Kira Yukimura na série da MTV “Teen Wolf” e pelos projetos musicais, que posta no seu canal do Youtube. Ter experiência com canto ajuda as chances dela, embora muita gente vá chiar de uma atriz coreana ter sido escalada para o papel (algo similar ao que aconteceu com Memórias de uma Gueixa, com seus atores chineses em papeis japoneses). Nesse caso, a jovem chinesa Shuya Chang, que esteve recentemente na continuação de O Tigre e o Dragão lançada pelo Netflix, é uma boa opção.

Inicialmente conhecido como o Seth da saga “Crepúsculo” mas mais tarde escalado como o Warpath de “X-Men: Dias de um Futuro Esquecido” e como o Jay de “Descendentes”, também da Disney, Booboo Stewart seria a nossa escolha para viver o general Shang. Ele é também o favorito dos fãs , enquanto o segundo na corrida, Godfrey Gao (conhecido como o Magnus da versão para cinema de “Os Instrumentos Mortais”), não parece ter a constituição física ou o estilo certo para o papel.

Em time que está ganhando… Dublado por Eddie Muprhy na versão original, o dragãozinho Mushu é talvez o grande destaque do filme, e não há necessidade de mudar a marcante voz do personagem para a versão live-action. E que tal reconhecer o trabalho da atriz Ming-Na Wen, que dublou a heroína do filme na versão original, e lhe dar o papel de Fa Li, a mãe de Mulan, no filme? Ming-Na atualmente brilha como Melinda May em “Agentes da S.H.I.E.L.D.”.

Taylor Kitsch
Taylor Kitsch

Tarzan

A mais recente versão do personagem Tarzan, advindo da obra de Edgar Rice Burroughs, A Lenda de Tarzan, chegou aos cinemas este ano com Alexander Skarsgard no papel título e Margot Robbie como Jane. Mas e se a Disney resolvesse fazer uma versão em carne e osso da sua adaptação da história, lançada em 1999? Aqui vão as nossas sugestões:

Taylor Kitsch provou muitas vezes em sua curta carreira que tem carisma o bastante para se tornar um astro da lista principal de Hollywood, mas o público parece não prestar atenção, seja em “John Carter”, “X-Men Origens: Wolverine” ou “True Detective”. Se assumisse o papel de Tarzan, com seu físico impressionante sendo exibido o tempo todo no filme, quem sabe isso fosse mudar. Outras escolhas pouco convencionais (e interessantes) seriam Evan Peters, de “American Horror Story”, e até o brasileiro Rodrigo Santoro.

Talvez a personagem mais britânica da Disney, a Jane de “Tarzan” pede uma escalação precisa, e a inglesa preferida de Hollywood no momento parece ser Emily Blunt, então por que não? Ela já provou que sabe fazer comédia (em “O Diabo Veste Prada”, sim, mas em várias outras oportunidades), e o estilo atrapalhado e curioso da personagem é algo que ela conseguiria emular sem dificuldades. Outras boas opções são Keira Knightley e Rebecca Hall.

O impiedoso caçador Clayton também merece um ator britânico de gabarito: que tal o astro em ascensão Richard Armitage, que recentemente apareceu em “O Hobbit” como Thorin e em “Hannibal” como Francid Dolarhyde/Dragão Vermelho. Já sabemos que ele é capaz de fazer um vilão, pelo menos – mas Jason Isaacs, o Lucius de “Harry Potter”, seria uma ótima ideia também. E quanto ao Professor Archimedes, chamem Michael Caine (o Alfred de “Batman – O Cavaleiro das Trevas”) e fim de história!

Cameron Monaghan
Cameron Monaghan

Hércules

O atual mercado em filmes do “Hércules” está um pouco saturado, com versões estreladas por Kellan Lutz e Dwayne Johnson (?!), mas a cativante versão da Disney, que ainda conta com algumas das melhores canções dos filmes do estúdio, merece ser ressuscitada eventualmente. Quando essa hora chegar, ficam registradas nossas sugestões:

Depois de papeis mais que marcantes em “Shameless” e “Gotham”, chegou a hora de Cameron Monaghan pular da televisão para o cinema. E que desafio mais interessante que ganhar um pouco de músculo (não tanto – na versão da Disney o filho de Zeus ainda é um jovem em treinamento) para viver Hércules. É um papel diferente do usual para Monaghan, mas esse é um jovem ator talentoso que estaria agarrando o estrelado pelos chifres ao ganhar um papel dentro da Disney.

Nós não podemos nem imaginar outro ator interpretando o Hades: Steve Buscemi, conhecido por papeis pequenos em todo tipo de filme, de “A Ilha” até “O Mensageiro”, passando pelo papel principal em “Boardwalk Empire”, merece a oportunidade de se deliciar com um vilão divertido e engraçado, e nós, espectadores, só temos o que ganhar. Já para o sátiro Phil, impossível pensar em outra opção que não seja o lendário Danny DeVito.

Sabemos que Emma Stone sabe fazer comédia (vide “A Mentira”), embora não saibamos exatamente se ela sabe cantar só por aquele filme. Dá tempo para ela afinar as cordas vocais e assumir o papel de Meg, no entanto, né? Poucas escolhas seriam mais apropriadas (e divertidas de assistir).

Q’Orianka Kilcher
Q’Orianka Kilcher

Pocahontas

Algumas versões da trama histórica de “Pocahontas” já foram feitas, mas faz muito tempo que ninguém toca nessa história, e a Disney, que ainda tem a versão mais marcante com o seu filme animado de 1995, poderia muito bem voltar para abordar o romance entre Pocahontas e John Smith sob uma perspectiva mais moderna. Vale a pena dar uma olhadinha na versão de Terrence Malick, “O Novo Mundo” (2005), para tirar inspiração:

Ela já interpretou o papel antes (e lindamente) em “O Novo Mundo”, ainda tem 26 anos, e tem herança nativo-americana, mais especificamente de uma tribo indígena do Chile. Q’Orianka Kilcher, além de tudo isso, é uma ótima atriz que anda precisando de um empurrãozinho para a carreira entrar nos trilhos – voltar ao papel de Pocahontas em uma versão mais “convencional”, aprovada pelo público da Disney, seria uma jogada brilhante.

O astro de “Sons of Anarchy” é a ideia perfeita para o papel por alguns motivos: além do biótipo parecido com o personagem John Smith do desenho animado e ser britânico, Hunnam é um ator talentoso que precisa manter a carreira no cinema a todo vapor para realizar com sucesso a transição da televisão, agora que a série da FX terminou. Muitos fãs preferem Nikolaj Coster-Waldau, o Jaime de “Game of Thrones”, mas achamos que ele passou um pouco da idade para o papel, infelizmente (o ator é praticamente uma cópia carbono do personagem do desenho original).

Holland Roden
Holland Roden

A Pequena Sereia

Richard Curtis (“Simplesmente Amor”) escreveu um roteiro baseado no clássico conto de fadas de Hans Christian Andersen, e a produção escalou Chloe Grace Moretz (“Se Eu Ficar”) no papel principal, mas a atriz acabou desistindo da produção. Mas caso o estúdio ainda não tenha uma substituta em mente para estrelar a versão com atores da sua animação de 1989, sobre uma sereia ingênua que faz um tratado com uma bruxa do mar para conseguir conhecer o seu príncipe humano, aqui vão as nossas sugestões:

A belíssima Holland Roder tem brilhado em “Teen Wolf” desde 2011, como a cativante personagem Lydia Martin. Vale a pena dar uma chance para ela fazer da Ariel sua revelação para o grande público dos cinemas, especialmente porque a sagaz atriz deve emprestar mais do que alguns graus de esperteza para a personagem, dada como um pouco “donzela ingênua” demais para os padrões atuais da Disney.

Essa escolha é bem óbvia: não é nem que Matt Bomer nasceu para interpretar um príncipe da Disney, é que ele nasceu para interpretar exatamente ESSE príncipe da Disney. Um xerox quase perfeito do Príncipe Eric, Bomer completa 40 anos no ano que vem, mas por enquanto mantem a aparência bem mais jovem – então é melhor a Disney aproveitar a oportunidade! E que tal o sempre imponente Liam Neeson (“Busca Implacável”) como o Rei Tritão? Perfeito, né?

Já a vilã Ursula pode ir em uma série de direções para a gente: Rebel Wilson e Melissa McCarthy fariam uma Ursula mais francamente cômica, enquanto Queen Latifah poderia trazer a sua sempre extravagante e expansiva personalidade para a personagem. Por outro lado, a única escolha infalível é Kathy Bates (“American Horror Story”), que quase nunca erra nas atuações e que tem todos os gabaritos para encarnar uma vilã ao mesmo tempo engraçada e assustadora.

Personagens da Disney
Personagens da Disney