Como Resident Evil superou a maldição das adaptações de games para o cinema

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Diante de tantos fracassos envolvendo adaptações de games para o cinema, a franquia Resident Evil definitivamente quebrou esse paradigma, mostrando-se um sucesso de extrema significância.

Com a chegada do novo e derradero filme da franquia, Resident Evil 6: O Capítulo Final, fica a pergunta: o que difere Resident Evil das outras adaptações?

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Segundo o presidente da Screen Gems, Clint Culpepper, o segredo foi toda a pesquisa feita pela empresa para saber o que os jogadores da franquia gostariam de ver nas telas mas, acima de tudo, atribui o sucesso à visão do roteirista e diretor Paul W.S. Anderson.

“Paul é tudo para essa franquia”, diz Culpepper à Variety. “Ele é o padrinho da franquia, junto com o produtor Jeremy Bolt”.

Jamie Russell, autor do livro “Generation Xbox: How Videogames Invaded Hollywood” (Geração Xbox: Como Videogames invadiram Hollywood) completa:

“Anderson foi uma das primeiras pessoas na indústria a perceber que os jogos eram tão válidos quanto romances ou quadrinhos como propriedade intelectual para serem adaptadas em filmes”. Ele ainda diz que a maior feito de Paul é fazer um filme que não agrada apenas aos jogadores mas também ao grande público. De fato, Resident Evil nos cinemas tornou-se uma franquia totalmente independente em relação aos games.

Outro ponto positivo é a presença da heroína feminina, Alice, interpretada por Milla Jovovich. Segunda pesquisa, jogadores gostam de ver mulheres em ação, e Alice representa uma grande mudança no papel de mulheres em filmes de ação no últimos anos.

A diversidade étnica deve ser outro ponto que colabora para o sucesso da franquia, já que séries de sucesso como Velozes e Furiosos, apresentam um elenco diversificado. Isso contribui para atrair mais público.

Porém, a longevidade da franquia, que já tem 14 anos, deve-se aos zumbis, segundo Culpepper. “Há uma certa fascinação com zumbis em nossa cultura”, afirma, mencionando que The Walking Dead ajuda a manter o interesse nos filmes.

Ele ainda diz que Resident Evil pode se expandir para séries de TV. Além disso, a Screen Gems planeja trazer para o cinema outra franquia de sucesso dos games, The Last of Us, que mostra também personagens tentando sobreviver em um mundo pós-apocalíptico.

Resident Evil 6: O Capítulo Final chega aos cinemas brasileiros em 26 de janeiro.

Crítica | Resident Evil 6: O Capítulo Final

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio