Crítica | Stranger Things volta com identidade própria e sem abandonar suas referências

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Stranger Things estreou sua primeira temporada e já havia se tornado bastante popular após o primeiro final de semana em cartaz na Netflix. Depois de agradar o público referenciando clássicos da cultura pop dos anos 80, a série volta em sua segunda temporada com a difícil missão de se manter no mesmo nível. Stranger Things 2 não só traz de volta tudo o que a fez se popularizar tão rapidamente como adicionou preciosas expansões ao seu universo fictício. Esta é uma temporada de transição, de um caso isolado em Hawkins para algo muito maior.

Os primeiros episódios respeitam o clima da primeira temporada, mostrando ao espectador que seus personagens estão de volta à normalidade um ano depois, em 1984. À medida em que as consequências do ano anterior vão se tornando mais evidentes, descobrimos que essa normalidade é uma fachada, e o que aconteceu na verdade foi um grande acúmulo de relações não saudáveis depois dos personagens serem forçados a manter seus segredos. Assim, a série aproveita para resolver suas pontas soltas e mostrar que ouviu os fãs. As consequências do arco de Barb (Shannon Purser), que pareciam terem sido esquecidas na primeira temporada são mostradas finalmente, enquanto a trama começa a caminhar e levar seus personagens para situações muito parecidas com o desenrolar da primeira temporada. Eleven (Millie Bobby Brown), por exemplo, está novamente vivendo uma espécie de prisão mantida por uma nova figura paterna.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Conforme a evolução da trama, Stranger Things vai deixando de lado suas referências ao mundo pop (embora não completamente) para dar espaço à sua própria identidade. A própria série explicita esses passos, muitas vezes em uma brincadeira de intertextualidade. Ao descobrir a história secreta dos protagonistas, uma nova personagem chega dizer que foi divertida ouvi-la, mesmo que alguns momentos não tenham sido muito originais.

A mudança na trama também é evidenciada quando um jogo de câmera idêntico à temporada anterior mostra Nancy (Natalia Dyer) e Jonathan (Charlie Heaton) em um momento similar ao passado, mas de certa maneira oposta, mostrando de forma bem orgânica que por mais que pareça que você está vendo a mesma história, ela tem lugares diferentes para te levar, e ela está fazendo isso. Dessa forma a narrativa ganha força própria ao se auto referenciar, de forma parecida com a qual foi feita com o sétimo episódio de Star Wars e o quinto filme da franquia Piratas do Caribe, ambos da Disney. Ainda, a série respeita suas origens, continuando análoga à filmes referenciados com mais força na primeira temporada.

As atuações continuam entre boas e ótimas. Millie Bobby Brown continua surpreendendo como Eleven, assim como as atuações de todo o elenco infantil, reforçado por Sadie Sink como Mad Max, trazendo mais uma personagem feminina forte para a trama. Mesmo com Sean Astin (O Senhor dos Anéis, Os Goonies) entrando para o elenco, a interpretação masculina com mais força dos novos personagens fica por conta de Drace Montgomery (Power Rangers) como Billy, irmão de Max, mostrando um forte antagonista fora do absurdo onde a série se apoia para trazer suas problemáticas. Winona Ryder ainda tem o maior alcance dentre todos do elenco, amadurecendo Joyce e respeitando muita sua ótima atuação na temporada anterior.

Diferente de Os Defensores, a série mantém seu ritmo até o final, conseguindo ao mesmo tempo em que assusta, divertir. Aqueles que gostaram de seu formato, curto para uma série e longo para um filme, vão ficar felizes por conseguirem maratonar seus episódios sem o sentimento de estar vendo uma narrativa que se arrasta ou delonga demais. Mesmo sua reintrodução é rápida, e ainda assim bastante eficaz.

Os diálogos não são surpreendentes, mas são afiados, sempre levando a narrativa para frente ou construindo seus personagens. Os já conhecidos mostram seu amadurecimento enquanto os novos vão se misturando a história de forma sutil e nem um pouco forçada, em um roteiro bem fechado que, depois de responder velhas perguntas e criar novas, assim como o primeiro ano termina de forma satisfatória, com arco completo, porém aberto para grandes novas possibilidades, mostrando que seu universo pode ser ainda mais expandido.

Stranger Things 2 tem como desvantagem de seu primeiro arco não nos pegar de surpresa, mas ainda é uma nova história que chega de maneira familiar, e deve agradar à todos que gostaram da temporada anterior. Usando suas próprias muletas para ter força própria, a série ganha originalidade mesmo se apoiando em conceitos clássicos da ficção científica, como a “colmeia” ou “consciência coletiva”. O clima continua leve, mas vai ficando mais sombrio, seguindo a linha da temporada anterior.

A série acerta na propaganda quando chama a segunda temporada de Stranger Things 2, pois ao criar um novo arco tão fechado, mostra que é um longo filme de continuação de um longo filme, dividido dessa vez em 9 episódios, e não 8, dando um gostinho maior para os fãs e mostrando que não só a Netflix presta atenção nas reações ao seu conteúdo, como que a série ainda tem muita coisa pra mostrar.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio