Crítica | One Strange Rock

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A National Geographic traz para a telinha nesse sábado, em estreia mundial, a série documental One Strange Rock. O programa que vai ao ar às 22h30, no Brasil, promete chegar com novidades para o gênero. A série trará 10 episódios filmados em mais de 45 países com o intuito de aprofundar o conhecimento que temos sobre o nosso planeta e, para isso, não mediu esforços.

Com direção de Darren Aronofsky (Réquiem Para um Sonho, Cisne Negro, Mãe!), que é bastante perceptível, a série fascina pelo choque, quase que agressor, que causa. O diretor é notável durante todo o percurso, nos dando a impressão que estamos assistindo a uma espécie de Cosmos com poesia visual. Isso é amplificado, junto com a imagem, quando a série traz imersões ao micro, fazendo brincadeiras sensoriais interessantes com o telespectador, que com certeza ficará na esperança de mais oportunidades de ver o trabalho de Aronofsky nesses moldes. Mas seu grande destaque é justamente o macro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com imagens feitas diretamente do espaço, One Strange Rock encanta por trazer uma visão rara, que só quem teve foram aqueles que tiveram o prazer de estar orbitando a Terra por um tempo. E quem melhor do que eles para explicarem essas filmagens? É assim que o documentário entende, e traz várias participações de astronautas que já tiveram essa experiência. Seus depoimentos são tão interessantes quanto todo o assunto da série, o que faz desse documentário algo maior do que já vimos na televisão.

Will Smith é o apresentador e narrador do programa, e acaba, também, servindo como atrativo. É, entretanto, um atrativo falso, por assim dizer. Sim, ele está presente, com frequência, o que acaba sendo, de certa foram, um incômodo. É nítido que, por diversas vezes, seria mais interessante ver imagens e filmagens sobre o assunto do que closes do ator. Enquanto sua voz e participações cênicas poderiam ser facilmente substituídas pelos cosmonautas, como por vezes acabam sendo, seria injusto dizer que a escolha atrapalha em alguma coisa, o público pode sentir falta de algo mais focado.

Apesar de ser um programa para a televisão estadunidense (e isso fica óbvio, por exemplo, quando o tamanho da Amazônia é comparado ao Estado do Texas), o assunto abordado é de interesse mundial. O telespectador que estiver com saudade de Carl Sagan e David Attenborough deve gostar do programa, e os cinéfilos devem adorar poder curtir uma nova experiência  de Darren Aronofsky.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio