O Observatório do Cinema entrevistou com exclusividade o ator Jeremy Strong, que é uma das estrelas da nova série da HBO, Succession. O canal ainda está exibindo a primeira temporada e a atração já tem sido considerada como uma das melhores estreias do ano.

Succession é renovada para 2ª temporada pela HBO

Jeremy Strong tem um forte presença no cinema estadunidense desde 2008, já que esteve presente em filmes como Lincoln, O Juiz, Fim dos Tempos, Selma – Uma Luta pela Igualdade, entre outros. Essa é a volta do astro para a televisão depois de ter participado de The Good Wife.


Confira a nossa entrevista:

Kendall [personagem interpretado por Strong] é um personagem extraordinário. Qual foi sua primeira impressão dele quando leu o roteiro pela primeira vez?

Jeremy Strong: Eu tinha trabalhado com Adam McKay em A Grande Aposta e eu o conheci lá. E Adam me disse que ele tinha esse roteiro que era como se o Rei Lear conhecesse o complexo industrial da mídia, e achei que isso era realmente interessante. Eu sempre fui fascinado pelo poder – fiz Ricardo III quando estive na RADA (Academia Real de Arte Dramática), e eu sou fascinado por esse tipo de shakespeariana luta familiar interna pelo poder e estabelecido em um cenário moderno de mídia. Eu apenas pensei que era realmente atraente. Quando li o roteiro pela primeira vez, fiquei mais atraído por outro personagem. Eu pensei que Roman parece um personagem muito divertido. Este tipo de ‘bon vivant’. Um personagem colorido, suculento e vívido. Eu gosto de fazer um trabalho mais distante de mim mesmo, quando preciso viajar bastante para criar um personagem. E, embora eu seja muito diferente de Kendall, há muito mais de mim nesse personagem do que qualquer personagem que eu já interpretei. Para melhor e para pior. Em termos de minha própria sombra, e minha própria ambição, e meu próprio tipo de tentativa ao longo da minha vida para alcançar um certo valor, especialmente aos olhos de certos indivíduos que eu valorizo. Então, eu acho que eu realmente me identifico com isso, com a inocência e a dor de sua luta. Eu acho que é um lugar difícil estar em uma família como essa.

Que pesquisa você fez em famílias como essa?

JS: Eu li muitos livros sobre famílias assim. Eu li todos os livros sobre os Murdoch que foram escritos. Fui ver Ink [peça de James Graham sobre Rupert Murdoch]. Eu levei Jesse e Frank Rich para ver no último verão. Foi brilhante. E bastante assustador. E você tem uma noção real do que esse império é construído. Que lugares morais e éticos você está disposto a atravessar? Mas o homem era e é apaixonado e visionário. Apaixonado pelas notícias. Ele ama as notícias e construiu um império sem precedentes.

Foi incrível quando estávamos filmando este programa, abrir o New York Times e ver Rupert Murdoch tendo seu momento de Rei Lear e lendo sobre a questão da sucessão. E agora, lendo sobre Sky, 21st Century Fox e Comcast, e como Lachlan vai conseguir o emprego e James está fora. Então, eu li muito sobre os Murdoch, mas também li sobre os Redstones, li sobre os Newhouses, li sobre os Sulzburgers, li sobre Conrad Black, os irmãos Koch. Há tantas famílias da dinastia onde há dinâmicas como esta em jogo.

Por que você acha que a mídia como uma indústria funciona tão bem nesse tipo de história?

JS: Eu acho que existe algo fascinante nesse mundo. Eu sempre achei que esse era um mundo interessante para se ter um buraco de fechadura, porque a mídia é uma parte tão dominante de todas as nossas vidas. E eu acho que a coisa que Adam McKay e Jesse estavam interessados ​​é colocar essa família em particular sob um microscópio, observando como essa disfunção e o trauma se desenrolam em um ambiente global, por causa de sua influência. E Kendall é o herdeiro aparente, mas obviamente Logan é cortado de um molde diferente. Ele é do magnata primitivo, força bruta, selvagem e mercenário. E Kendall, embora não seja um esclarecido homem de negócios, acho que certamente está mais em contato com o espírito da época e mais em contato com a maneira como os ventos estão soprando em termos da era digital e a multiplicidade de plataformas e formas de fornecer conteúdo, com os alfabetos e os Googles do mundo. Ele vê claramente que é uma questão de escala e que esta empresa não vai sobreviver em sua atual encarnação. E o jeito do seu pai de navegar pelo mundo está feito.

Estou ciente de que esta família não é muito dos Murdoch, mas Kendall se sente como o James Murdoch da paz, você diria?

JS: Ele, certamente, é muito tenso, controlador, agressivo, astuto e não cruel como seu pai, mas tem fogo nele e essas são todas as coisas que li sobre o James. Mas acho que me importo com Kendall. Eu me importo com sua luta. Eu gosto dele, e acho que, em certo sentido, a tragédia é o quão forte ele está tentando ser algo que ele não é.

Acesso a HBO é bloqueado na China após brincadeira de comediante

Eu acho que o nível em que ele está desesperado pela aprovação do pai de quebrar o coração…

JS: Sim, esse é o objetivo da coisa toda. Eu também acho isso doloroso. Eu acho que ele realmente quer deixar seu pai orgulhoso. Uma das coisas sobre as quais Jesse e eu conversamos foi que linhas ele tem que cruzar para fazer isso, sabe? Ele vai se tornar seu pai e matar uma parte dele que é boa? Ou ele vai se tornar seu próprio homem e emergir do meio das sombras de um pai assim? E há a questão do legado, que eu acho que é o coração desta série. Porque todos nós temos um legado. Tem algo que todos nós herdamos dos nossos pais. E, então, existe a questão do que fazemos em relação a isso – podemos escapar disso? E ir além disso? Eu acho que Jesse estava muito interessado nessa família em particular. O legado dessa família e de todas essas crianças que tentam, de uma maneira ou outra, escapar ou abraçar de vez, e do jeito que elas a distorcem.

Inicialmente, você não quer sentir pena deles – eles são extremamente ricos, são privilegiados, tiveram uma vantagem real. Mas isso é um grande fardo para alguns deles, particularmente para alguém como Kendall, que acha que precisa viver de acordo com isso. Como você se sentiu sobre isso?

JS: Sim. Uma carga enorme. Sim. Eu não posso enfatizar muito o quanto esse programa não é sobre os Murdochs, mas uma das coisas que eu li, no livro de Michael Wolff, foi essa entrevista com Lachlan sobre como não é fácil acordar de manhã e ser ele. Enquanto de fora eles podem parecer ter tudo o que você poderia querer, materialmente, no sentido mundano, eu acho que o que é interessante para mim é que, enquanto Logan é um homem poderoso e construiu este império e acumulou todo esse poder, seus filhos não foram criados ou nutridos de uma forma que instala qualquer poder neles. Então eles não têm poder pessoal e, estão buscando por isso, e eles estão tentando mostrar isso na séire. Mas eles, eles não têm isso, então isso coloca um peso terrível nas costas desses.

Como você se aproxima, se ninguém te deixa?

JS: Bem, a única maneira, eu acho, que você pode intensificar, é fazendo o que seu pai teria feito. Que é, na instância de Kendall, destruir esse pai.

Sua ex-mulher o acusa de ser um psicopata. Você acha que ele é, de alguma forma?

JS: Não, não. Mas acho que, falando dessa palavra, lembro-me de estar em uma cerimônia de premiação com o McKay quando o A Grande Aposta estava sendo lançado. E ele estava falando, acho, do documentário A Corporação. Mas, nesse documentário, há um psiquiatra que está enumerando no diagnóstico o critério do que é um psicopata, e como isso se aplica à corporação. Ele diagnostica a corporação moderna com todas as características de um psicopata, então acho que McKay está interessado na patologia da América corporativa e das corporações. Então eu acho que isso está em jogo. Eu não acho que Kendall seja um sociopata. Eu acho que ele está muito apertado.

E Kendall é um viciado. Ele é um viciado em recuperação, então sua sombra está muito presente e muitas das coisas que ele está fazendo são uma maneira de tentar administrar e permanecer acima e manter o controle de sua vida, para que ele não seja engolido por essa escuridão. Então, a maneira que isso se manifesta, eu acho, é por seu tipo de gosto pelo vício nos negócios, e em tentar colocar toda a sua energia tentando controlar sua vida profissional e fazer esse trabalho. E, quando isso começa a não funcionar, e quando ele começa a ser frustrado e ele se depara com obstáculos, e bate a cabeça contra a parede, eu acho que é quando a panela de pressão realmente começa a se mover sobre ele e as coisas se quebram.

Quando você estava construindo Kendall, o que você achava que era o tipo dele de vício?

JS: Bem, eu não tenho uma experiência pessoal de vício, felizmente. Eu conheço muitas pessoas na minha vida que conhecem. Mas eu tenho uma experiência de vícios, em certo sentido. Eu sei o que é ser governado por uma força que se torna impotente para controlar. Na linguagem do AA [Alcoólicos Anônimos], eles falam sobre doença como uma doença e um comportamento que é usado para curar ou acalmar ou medicar uma doença em nós. E um desequilíbrio em nós. Então, eu acho que Kendall usa sua ambição e sua identidade de trabalho para lidar com essa doença em si mesmo. E eu me relaciono com isso. Eu me coloco no trabalho de uma forma que é um pouco de fuga, e eu não tenho certeza do que seria sem isso. E porque a linguagem desta família e a moeda desta família não é amor ou intimidade: é negócio, é assim que eles se relacionam. Se eles pudessem apenas sentar e conversar e estar perto, isso seria uma coisa, mas como eles não podem fazer isso, o drama psicológico deles se desenrola em um cenário global. E nós vemos isso acontecendo no mundo ao nosso redor de maneiras muito assustadoras. Então eu acho que é realmente interessante olhar apenas para essa família específica, que está em uma posição de tanto poder, e para ver como a disfunção naquela família tem um impacto em um sentido mais amplo.

Kendall tem alguns dos melhores diálogos da série – você gostou disso?

JS: Sim, e eles me deram um reinado muito livre nisso. Eu acho que o seriado é muito engraçado, no absurdo das situações e dos personagens e das circunstâncias. Acho que esse é o melhor tipo de humor, porque está fundamentado na verdade e na realidade das circunstâncias. É uma coisa muito britânica, eu acho, a maneira como Jesse usa humor e ironia, e como as coisas ironizantes o colocam a uma certa distância deles. E a maneira como esses personagens usam esse florete e punhal, em vez da sinceridade da comunicação. É uma forma de armadura. E isso funciona para uma família como essa que não sabe como se comunicar.

HBO oficializa série derivada de Game of Thrones