Matt Damon elogia atuação de Marco Pigossi em Tidelands, série da Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Marco Pigossi entrou de cabeça no mercado internacional de streaming. Com 30 anos, o artista assinou um contrato de exclusividade com a gigante Netflix. Pigossi foi um dos protagonistas de Tidelands e agora se prepara para protagonizar Cidades Invisíveis. Durante as filmagens da série australiana, em 2018, Marco teve a oportunidade de trocar experiências com um astro de Hollywood, Matt Damon.

Num bate-papo com o Observatório do Cinema, o ator contou detalhes desse encontro. Matt Damon mora na Austrália e é casado com a atriz argentina Luciana Barroso, amiga de Elsa Pataky, vilã de Tidelands. No set de gravações, Pigossi e Matt analisaram as diferentes formações que os atores possuem e trocaram figurinhas sobre suas respectivas carreiras.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A produção australiana gira em torno de uma pequena aldeia de pescadores de Orphelin Bay, habitada por seres metade sereia e metade humano, que são conhecidos como Tidelands tendo ainda o tráfico de drogas e muitos assassinatos. O elenco é formado por artistas de diferentes países, ponto central da conversa de Marco Pigossi com Matt Damon.

Pigossi contou que os artistas brasileiros têm na escola americana de dramaturgia sua base. Já os ingleses uma formação completamente diferente. O que foi confirmado por Matt, que ainda ressaltou a desenvoltura do artista brasileiro por conta de sua origem latina. Marco Pigossi confessou que essa foi uma das experiências mais incríveis de sua passagem pelo país.

“É muito rico você pegar atores de várias partes do planeta e ver as diferentes atuações. Tá escrito em você a sua latinidade. Dá pra ver nitidamente a diferença de corpo, a forma como vocês atuam. Algo que os outros atores não têm. Quando tem uma cena de embate com outro ator, australiano”, disse Matt para Pigossi. “São coisas que você vai aprendendo, absorvendo”, afirmou Pigossi.

Por ser uma produção internacional, o brasileiro precisou caprichar no inglês, o que não foi assim tão complicado: ”Tudo muito novo, set em outro país, mas falo inglês desde pequeno. Devo a minha mãe, fui muito privilegiado. A série foi muito bem recebida, vejo pelas minhas redes sociais e a imprensa internacional”.

Brincamos que num dia o ator está ao lado do Tony Ramos nos Estúdios Globo, e no outro na Austrália ao lado de Matt Damon, Marco Pigossi então relembrou esses momentos: “Foi a mesma sensação. Quando eu vi o Tony pela primeira vez, fui dar um abraço nele, conversei com a esposa dele, a Lidiane, como se eu conhecesse ele há muito tempo. E com o Matt foi a mesma coisa, conversei muito com a Luciana, aproveitei pra praticar meu espanhol”.

Assim como Rodrigo Santoro, Sonia Braga, Alice Braga e Wagner Moura, Pigossi pensa sim em seguir carreira fora do Brasil: “Quero expandir sempre, não me limitar. Não estou focado nisso agora, mas sim na série da Netflix, Cidades Invisíveis, do Carlos Saldanha”.

A nova série de Pigossi na Netflix

A produção brasileira já caminha a passos largos no roteiro. Cidades Invisíveis conta a história do folclore brasileiro recheada de suspense e será gravada no Rio de Janeiro e em São Paulo. Como de praxe, a Netflix irá distribuir a produção para 190 países. “O Carlos é uma voz muito forte e interessante para contar nossa história lá fora, já estou na fase de preparação do personagem”.

Segundo Marco Pigossi, ele não integra a segunda temporada de Tidelands. O artista estará envolvido nas gravações de Cidades Invisíveis até meados de novembro. Recentemente, ele protagonizou O Nome da Morte, seu primeiro longa. A obra baseada em fatos reais conta a história de um matador de aluguel. Julio Santana matou 493 pessoas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio