MIB: Homens de Preto – Internacional já está em exibição nos cinemas e as críticas do filme não são nada favoráveis. Atualmente, o longa amarga míseros 26% de aprovação no Rotten Tomatoes, com uma nota média de 4,52 e 147 críticas levadas em conta.

Trata-se do quarto filme da franquia e primeiro a não trazer Will Smith e Tommy Lee Jones no elenco. Ao invés disso, Chris Hemsworth e Tessa Thompson retomam a parceria de Thor: Ragnarok para viver os agentes da vez.

Thompson e Hemsworth interpretam os agentes M e H, dois dos melhores da MIB. Liam Neeson, Rebecca Ferguson, Emma Thompson e Rafe Spall, completam o elenco. Nomes de peso que poderiam atrair mais espectadores às salas de cinema. Mas esse não parece que vai ser o caso, visto que o filme está previsto para arrecadar meros 28 milhões de dólares na bilheteria doméstica em seu fim de semana de estreia, muito abaixo da marca dos 50 milhões, superada por todos os outros longas da série.


Um fator que certamente contribui para as baixas expectativas do filme na bilheteria são suas críticas negativas. De fato, parece que MIB vai seguir o mesmo caminho de outras continuações que tropeçaram tragicamente, como Godzilla 2: Rei dos Monstros e X-Men: Fênix Negra.

Reciclagens e clichês

Agora vamos olhar algumas críticas de MIB: Homens de Preto – Internacional para entender o que exatamente há de errado com o filme.

“Um reboot sem sal que se livra do que restava da originalidade que vem se esgotando na franquia a cada continuação”, escreveu Oliver Jones, do Observer.

“Você pode se divertir com as cenas de ação, e pode admirar a M de Thompson durante sua introdução, mas você provavelmente não vai deixar o cinema sentindo que foi entretido de forma consistente. Certamente não estará com dor na garganta de tanto rir e também não vai estar limpando as lágrimas”, escreveu Rob Leane, do Den of Geek.

“A maior parte do que é divertido sobre esse filme foi tirado de outros filmes, como a dupla de Thor: Ragnarok, a similaridade dos vilões com os gêmeos de Matrix: Reloaded e as muitas referências ao MIB original, incluindo trilha sonora e os arco básico do personagem aprendendo como tudo funciona, até se tornar um dos melhores agentes. Sem a química das estrelas, sobra pouco nessa continuação, além de piadas sem graça, aliens bonitinhos e história confusa”, escreveu Monica Castillo, do Rogerebert.com.

“O roteiro de Art Marcum e Matt Holloway não deu muita oportunidade ao [diretor F. Gary Gray] e todos os outros, com a história pulando de Nova York, a Londres, para Marrocos, acumulando clichés junto das milhas”, escreveu Manohla Dargis, do NY Times.

Entretenimento vazio

Alguns críticos, no entanto, conseguiram enxergar os pontos positivos do filme, ainda que não tenham exatamente amado a obra.

Peter Debruge, da Variety, elogiou o talento de Hemsworth e de Thompson, demonstrando estar esperançoso em relação ao futuro da franquia.

“O resultado pode ser instável e provavelmente não alcançará os resultados comerciais dos filmes anteriores, mas H e M abriram as portas para um divertido futuro para os Homens – e Mulheres – de Preto”, escreveu Debruge.

Chris Hunneysett, do Mirror também elogiou a química de Hemsworth e Thompson, embora tenha sentido falta da presença de Will Smith.

“A falta da descontração de Will Smith é sentida fortemente e o roteiro poderia ser mais inteligente, mas a química natural das duas atraentes estrelas impedem que o filme caia por terra”, escreveu Hunneysett.

Karen Han, do Polygon, por sua vez, disse que o filme é esquecível, ainda que seja divertido.

“É o equivalente cinematográfico de ser neutralizado. Algum tempo vai se passar, você vai se sentir bem; só não vai lembrar muito do que veio antes”, escreveu Han.

Assim sendo, MIB: Homens de Preto – Internacional parece ser um filme realmente sem sal, que não faz jus ao primeiro longa da franquia. Mas, se pensarmos bem, nenhuma das continuações realmente conseguiu capturar o brilho do original.

Talvez esteja na hora de aposentar os óculos escuros e deixar MIB de lado.