O DCEU da Warner Bros conseguiu encontrar um caminho para o futuro sem alguns de seus principais heróis.

É um momento animador para ser um fã da DC. Após anos de problemas na telona, os filmes mais recentes da companhia fizeram sucesso, destacando-se Mulher-Maravilha, Aquaman e Shazam.

Porém, deixar o Superman para trás seria um erro considerável da franquia.


Erros e acertos

O Homem de Aço inaugurou a nova era da DC nos cinemas, e contou com relativo sucesso. Batman vs. Superman: A Origem da Justiça, no entanto, foi um fracasso notório, sendo criticado por seu tom inconsistente e falta de carisma.

Liga da Justiça sofreu ainda mais após a demissão de Zack Snyder e as inúmeras modificações e refilmagens.

Após a péssima recepção do filme, a DC pareceu desistir de dois de seus heróis originais (Batman e Superman) para investir em filme solo de outros personagens. A estratégia tem dado certo até agora.

Mulher-Maravilha se transformou em um verdadeiro fenômeno cultural, Aquaman faturou mais de 1 bilhão de dólares em bilheterias internacionais, e Shazam! conquistou público e crítica por seu tom bem-humorado e juvenil.

Batman vai retornar para as telonas no novo filme de Matt Reeves. O Cavaleiro das Trevas será interpretado por Robert Pattinson, e deve apresentar um rumo completamente diferente para o personagem.

O futuro do Superman, no entanto, continua nebuloso. Após o fiasco de Batman vs. Superman, sites e jornais começaram a noticiar que Henry Cavill não renovaria seu contrato como Clark Kent. Com a despedida de Ben Affleck do papel de Bruce Wayne, os rumores pareciam cada vez mais verdadeiros.

Por enquanto, Cavill não está confirmado em nenhum projeto futuro da DC. O contrato do ator, no entanto, supostamente ainda está válido.

Novas possibilidades

Olhando pelo lado bom, tirar Superman e Batman do centro do DCEU é excitante e abre uma nova gama de possibilidades criativas.

Caso o estúdio realmente opte por um futuro sem Bruce Wayne e Clark Kent, focar em heróis subutilizados ou quase desconhecidos pode ser uma ótima sugestão para a Warner Bros. O tom do DCEU seria completamente mudado, trazendo uma estética mais animada e vibrante, em contraste com o tom sombrio e dramático dos filmes de Zack Snyder.

Nessa nova leva de filmes, a DC tem a oportunidade de replicar o que a Marvel fez na Fase 1 do MCU. Sem os direitos sobre alguns dos personagens mais famosos das HQs (Homem-Aranha e X-Men, por exemplo), a empresa teve que focar em figuras menos conhecidas do público, podendo explorar novas facetas e realmente dar vida aos heróis nos cinemas.

Precisamos do Superman?

Mesmo com todas essas interessantes possibilidades narrativas, se esquecer do Superman ainda parece um desperdício.

O herói não conseguiu estabelecer seu papel principal no panteão da DC, e mesmo que não seja interpretado por Henry Cavill, merece mais chances para conquistar de vez o público. Talvez em obras mais otimistas e inspiradoras, que aproveitem mais o caráter positivo e justo do herói.

A versão de Snyder do Superman era potencialmente interessante em um mundo pós 11 de setembro, no qual a política externa e doméstica dos Estados Unidos foi construída com base no medo do diferente.

Qual seria a reação do público americano com a chegada de um alienígena todo poderoso na terra? A narrativa do DCEU não conseguiu se expandir para abordar estes temas, para frustração do público.

Além disso, muitos dos filmes da DC foram prejudicados por inúmeras modificações e refilmagens no momento da pós-produção, e Superman foi de longe o personagem que mais sofreu com essa questão.

Agora que o DCEU abraçou de vez um tom mais positivo e animado, seria o momento certo de trazer para as telonas a versão mais famosa do Superman, uma verdadeira força para a paz, que confia acima de tudo no potencial da humanidade para o bem.