Sharon Tate e Charles Manson: A história real de Era Uma Vez em Hollywood

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

ATENÇÃO: Contém spoilers de Era Uma Vez em Hollywood

Era Uma Vez em Hollywood é um dos únicos filmes de Quentin Tarantino, ao lado de Bastardos Inglórios, a contar com figuras e eventos reais. Mas diferentemente da saga de caçadores de nazista, seu nono filme está ligado a acontecimentos trágicos e que lidam com pessoas vivas até hoje, e que estão em um ponto mais nítido da cultura pop. O ponto, claro, é o assassinato da atriz Sharon Tate pelas mãos do culto de Charles Manson, que chocou os EUA em agosto de 1969.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na fatídica noite, tivemos a tragédia que ficou conhecida como o Caso Tate-LaBianca. Na madrugada do dia 8 para 9 de agosto de 1969, Charles Manson enviou quatro membros de sua “Família” para cometer os assassinatos: Tex Watson, Susan Atkins, Linda Kasabian e Patricia Krenwikel. A orientação de Manson era simples, mas pavorosa: matar todos os presentes na casa da forma mais cruel possível, e ainda oferecer indícios de bruxaria e outros elementos ligados ao oculto.

Na madrugada, o grupo invadiu a casa de Tate e brutalmente assassinou todos os integrantes com facadas. Nem mesmo Tate, grávida de 6 meses, foi poupada do massacre, que ainda se alastrou quando o grupo seguiu para outra residência: a propriedade do casal Lena e Rosemary LaBianca, que moravam em Waterly Drive, no subúrbio de Los Feliz.

Por que Sharon Tate?

O ataque de Manson à residência de Sharon Tate e Roman Polanski pode parecer aleatório, mas tem uma lógica que realmente só faz sentido ao líder do culto. Antes do casal se mudar para a residência em Cielo Drive, ela foi lar de Terry Melcher, produtor de discos de sucesso na época, e cujos clientes incluíam os The Beach Boys. Foi através da banda que Manson conseguiu contato para tentar investir em sua carreira como cantor, fazendo amizade com o baterista Dennis Wilson – que tentou apresentar Manson para seu produtor.

Melcher até chegou a ouvir algumas das gravações de Manson, mas desistiu do acordo ao presenciar vislumbres de sua personalidade perigosa. Durante uma visita no Rancho Spahn, ele testemunhou uma briga entre Manson e um dos dublês que viviam na propriedade, que havia se tornado o “covil” de seus seguidores. Isso cortou relações entre os dois, o que certamente enfureceu o aspirante a músico, que continuou a forçar o contato e até apareceu na casa de Melcher em Cielo Drive – mas foi justamente quando Tate e Polanski já a habitavam.

Ao ordenar o massacre naquela noite de agosto de 1969, um dos fatores pela mente deturpada de Charles Manson provavelmente foi um tipo de vingança. Uma revanche por ter sido ignorado, e aliado a sua “missão” psicopata de provocar uma guerra racial nos EUA, e espalhar o terror de sua organização. Era a iniciativa que Manson chamava de “Helter Skelter”.

A versão de Tarantino

O terceiro ato de Era Uma Vez em Hollywood segue quase todos os eventos de forma fiel. Mas a divergência começa quando uma das assassinas sugere que o grupo ataque a casa vizinha, onde mora o astro Rick Dalton; que minutos antes havia gritado com eles, exigindo que saiam de sua propriedade. O grupo então avança para a casa de Dalton, mas acabam encontrando um Cliff Booth viajando após fumar um cigarro de ácido, e que prepara o jantar de sua cachorra feroz, Brandy. 

Quando Tex as garotas tentam avançar contra Booth, ele violentamente da conta de dois deles. Brandy avança contra Tex e Leslie, enquanto ele esmaga a cabeça de Patricia nas paredes da casa – e dá um pisão na cara de Tex. Por fim, Leslie é morta quando Rick vê o confronto, queimando-a com seu lança-chamas, do filme Os 14 Punhos de McCluskey. Um típico final Tarantinesco de violência extrema e estilizada.

Após toda carnificina, Rick Dalton finalmente conhece sua vizinha, Sharon Tate, agora em segurança. Ela o convida para tomar uma bebida com seus amigos, e até cita alguns de seus trabalhos na TV, o que significa muito. Durante todo o filme, a jornada de Dalton foi a de um ator que caiu no esquecimento e luta para se tornar relevantemente novamente, enquanto Tate segue o extremo oposto: é uma jovem estrela que vai ganhando cada vez mais reconhecimento na indústria, e que na vida real foi tragicamente tirada de um caminho brilhante. Tarantino corrige duas injustiças aqui.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio