Linha do tempo do MCU está quebrada; veja como Fase 4 pode consertá-la

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com uma década de continuidade, o MCU tinha um desafio e tanto na trama de Vingadores: Ultimato: introduzir o conceito da viagem no tempo sem deixar furos no roteiro e contradições nos filmes anteriores.

O filme conseguiu uma solução simples e elegante, com o Capitão América retornando ao passado no final e deixando as linhas do tempo como estavam em seus respectivos universos.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mesmo assim, os fãs conseguiram encontrar algumas inconsistências na trama do filme, e esses furos podem prejudicar (e muito) o futuro do MCU. Mas nem tudo está perdido: a Fase 4 tem a chance de consertar todos esses ditos erros.

Salto temporal

Com o salto temporal de 5 anos após o estalo de Thanos, o MCU transfere sua história para o ano de 2023. Para a estrategia funcionar nos futuros filmes e séries, a Marvel tem que tomar cuidado para não referenciar a cultura pop do ano atual, que pode parecer sem lugar e antiguada 5 anos depois.

Os detalhes, é claro, podem ser ignorado em função do entretenimento maior. Mas acumulando-se durante os anos, esses detalhes podem formar uma verdadeira bola de neve.

https://www.youtube.com/watch?v=TcMBFSGVi1c&feature=youtu.be
Avengers Endgame (screen grab)
CR: Marvel Studios

Capitão América

Algumas das maiores dúvidas dos fãs da Marvel em Vingadores: Ultimato se referem à jornada do Capitão América após a derrota de Thanos. Em algum ponto do MCU, mais de um Steve Rogers estava presente no mundo?

Rogers decide ficar no passado e permanecer com Peggy Carter ao invés de retornar ao futuro e lutar de novo com os Vingadores. Ele retorna no final como um idoso, e passa seu manto e escudo para Sam Wilson.

A escolha deixou fãs se perguntando sobre a existência de múltiplos heróis. Com a possibilidade, surge a opção de um ter substituído o outro em certo ponto do MCU. A decisão de Steve Rogers de não lutar em algumas das maiores tragédias do século XXI também pareceu estranha.

Loki

Outro ponto de polêmica em Vingadores: Ultimato é a escapada de Loki, que consegue pegar o Tesseract e desaparece no passado. O paradeiro do vilão será explorado na série solo Loki, que será exibida no Disney +.

A sinopse da série diz que Loki “usa o poder do Tesseract para viajar pela história humana e mudar eventos históricos”. Parece que os eventos da série vão se desenvolver em uma linha do tempo alternativa, o que pode piorar ainda a continuidade do MCU.

Estrategias

Por enquanto, a Marvel ainda não apresentou uma estrategia exata para solucionar essas dúvidas dos fãs. O filme da Viúva Negra será ambientado antes de Ultimato, o que não deve prejudicar no geral a continuidade da franquia.

Os Eternos também não deve influenciar de maneira importante a linha do tempo do MCU. Muito pelo contrário, o filme pode solucionar algumas das questões mais importantes do passado da saga. Como os personagens do filme são tecnicamente imortais, tempo pouco importa para eles.

O filme de Shang-Chi também não deve aproveitar muito nenhum ponto focal já estabelecido no MCU, apostando mais em uma história original e na introdução de novos personagens.

Dessa formas, os problemas com as linhas do tempo do MCU provavelmente serão resolvidos em Doutor Estranho no Multiverso da Loucura. O próprio título do filme promete lidar com o conceito do Multiverso e de realidades alternativas, em um enredo que deve cair como luva no personagem de Benedict Cumberbatch. Como Feiticeiro Supremo, ele tem a missão de manter as linhas do tempo do Multiverso intactas.

Foi sua predecessora, a Anciã, que explicou as mecânicas da proteção das linhas do tempo em Ultimato, e sem a Joia do Tempo, a tarefa de colocar o MCU de volta no rumo cairá sob o Doutor Estranho.

Se isso voltará o herói contra Loki, só o tempo dirá.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio