Parecia que o Universo Cinematográfico da Marvel Studios ficaria sem o Homem-Aranha, após uma série de negociações com a Sony Pictures terem congelado por alguns meses. Foi um período de histeria para os fãs roxo da empresa, que ameaçaram boicotar todos os projetos do estúdio caso o Cabeça de Teia não fosse devolvido para a Marvel, onde continuaria a interagir com os Vingadores na pele de Tom Holland, que é o atual intérprete do herói. Mas ninguém em Hollywood ousa desafiar a Disney e o poder de Kevin Feige.

Na última semana, os dois estúdios voltaram atrás e revelaram um novo acordo para dividir o Homem-Aranha novamente. Um terceiro filme solo com Tom Holland foi confirmado para julho de 2021, e o herói ainda tem uma nova participação garantida em um futuro filme do MCU – provavelmente uma aventura ainda não anunciada dos Vingadores, ou algum grande evento como Guerra Civil. Toda essa situação comprova um fato que já havia ficado evidente há alguns anos: o Homem-Aranha talvez seja a propriedade mais valiosa do gênero de super-heróis atualmente.

Claro, o personagem não tem o peso da marca Vingadores, que é um sinônimo de bilheteria bilionária, mas esse impasse entre Disney e Sony realmente colocou a popularidade do personagem à prova. São casos específicos para as duas empresas, claro, já que a Marvel Studios precisa do Homem-Aranha para dar continuidade às histórias muito específicas sobre o legado de Tony Stark que está contando desde a introdução de Peter Parker e a Sony não conseguiria um novo filme do Aranha sem o MCU; afinal, a negatividade por conta dos fãs foi quase obsessiva – e o Homem-Aranha talvez seja a única grande propriedade de IP que a Sony tem no momento, e que segue em crescente expansão com o universo de vilões capitaneado pelo Venom de Tom Hardy.


Dividindo os lucros

Com Homem-Aranha: Longe de Casa, a Sony teve seu lançamento mais bem-sucedido de todos os tempos. O longa bateu a marca do bilhão nas bilheterias, e garantiu boas críticas (mesmo sendo um filme medíocre), o que aumenta a pressão de todos os evolvidos para mais. O estúdio não deixaria outra situação de O Espetacular Homem-Aranha acontecer, onde a história terminaria incompleta para dar espaço a um novo reboot. Tom Holland continuará nos Vingadores, mas o lado mais interessante está mesmo na Sony.

No anúncio oficial de que a Marvel e a Sony manteriam a parceria, Kevin Feige afirmou que o Homem-Aranha é o único super-herói com o poder de “saltar entre universos cinematográficos”. Isso significa que certamente veremos o herói aparecendo nos filmes de vilões da Sony Pictures – afinal, algum tipo de acordo deve ter acontecido entre Feige e Amy Pascal para que o contrato fosse renovado, e acredito que isso signifique uma união entre Holland e Hardy, ou até mesmo o Morbius de Jared Leto e a recém-anunciada Madame Teia.

O Homem-Aranha é o super-herói mais quente do momento, e forçou mais uma vez a improvável parceria entre duas grandes empresas. Que o futuro do herói seja digno de toda essa confusão.