Star Wars 9 pode consolidar Kylo Ren como maior vilão da saga

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando Kylo Ren tirou sua máscara pela primeira vez em Star Wars: O Despertar da Força, todos se surpreenderam ao ver a face de um rapaz entre os 20 e 30 anos, e não uma criatura horrenda ou cicatrizes profundas. O rosto revelava Ben Solo, um dos personagens mais humanos e complexos de toda a saga criada por George Lucas, e que se encaixa no papel de grande antagonista da nova trilogia de Star Wars tocada pela Disney ao longo dos últimos anos.

Certamente não é a imagem que os fãs de Star Wars estão acostumados a ver em seus vilões, sempre marcados por máscaras imponentes, vozes graves e até pinturas faciais diabólicas. Kylo Ren tem a máscara e a voz, mas é inseguro, teimoso e se comporta como um garoto perdido em muitas ocasiões. Sei que muitos vão discordar, mas é justamente isso que o torna o melhor e mais complexo vilão de toda a saga, algo que pode se concretizar em A Ascensão Skywalker.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Anakin que deu certo

Com o arco de Ben Solo/Kylo Ren na trilogia, fica claro que J.J. Abrams e os demais roteiristas envolvidos estão fazendo o inverso do que George Lucas fez em sua trilogia prelúdio; composta de A Ameaça Fantasma, Ataque dos Clones e A Vingança dos Sith. Se naqueles filmes acompanhávamos a jornada de Anakin Skywalker para se tornar Darth Vader, falhando em resistir à tentação do Lado Sombrio da Força, a nova trilogia coloca Kylo Ren em jornada para voltar a ser Ben, com a Luz sendo sua maior tentação.

É uma inversão engenhosa, e que traz uma originalidade necessária à franquia. Sem falar que, ainda que o torne mais vulnerável e menos “maligno”, acaba tornando-o mais complexo e multifacetado. É o retrato de um homem que quer ser mau por acreditar no legado de seu antepassado, Darth Vader, e também por acreditar ter sido vítima de uma tentativa de assassinato de seu próprio tio, Luke Skywalker. Junte isso a uma figura sombria misteriosa como Snoke, que o corrompe, e temos um personagem completamente desequilibrado – e que foi até o limite quando matou seu pai, Han Solo.

Anakin Skywalker também sofria com esses dilemas, e fez o que fez acreditando em seu amor por Padmé, mas Kylo Ren tem um grande diferencial: Adam Driver. É chover no molhado comentar que Hayden Christensen era um ator extremamente limitado na trilogia prelúdio, e o motivo do arco não ser 100% convincente está em suas capacidades de atuação. Driver é 10 vezes o ator que Christensen nunca foi, e transmite toda a dúvida e emoção perturbada de Ren através de uma fortíssima performance – tanto em O Despertar da Força quando em Os Últimos Jedi.

Matando o passado

Por falar em Os Últimos Jedi, é notável como Kylo passa por uma transformação importantíssima ali. No Episódio VII, ele era o jovem adulto desesperado em obter aprovação e fazer jus ao legado de Vader, sendo praticamente uma réplica dele. Um filme depois, com Snoke morto e sua conexão com Rey estabelecida de forma quase íntima, Ben Solo tem um novo objetivo: deixar o passado morrer, iniciar algo novo.

Além de destruir seu capacete, ele se torna novo o Líder Supremo da Primeira Ordem (posição onde o encontraremos em A Ascensão Skywalker) e até propõem essa aliança a Rey; que recusa. Mas Kylo terá seus próprios seguidores no Episódio IX, com a chegada dos Cavaleiros de Ren, e será interessante ver como é a postura de Ben Solo liderando outros que acreditam em seus ideais – diferentemente da Primeira Ordem, mais atrelada ao General Hux.

A verdade é que Kylo Ren é muito mais do que apenas o maior vilão da saga Star Wars. Não seria exagero algum considerá-lo como um dos personagens mais interessantes e complexos da franquia, e mal posso esperar para ver como seu arco será finalizado no Episódio IX.

Star Wars: A Ascensão Skywalker chega aos cinemas brasileiros em 19 de dezembro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio