Novo Batman salva filme da Netflix com atuação mais divertida da carreira

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Por seu papel coadjuvante como Luís, Delfim de França em O Rei, de David Michôd e da Netflix, Robert Pattinson fez uma escolha interessante com seu sotaque. Nos anos que se seguiram à saga Crepúsculo, Pattinson se tornou um dos atores mais interessantes e imprevisíveis de sua geração.

Assumindo papéis em dramas independentes de diretores como Claire Denis e David Cronenberg, Pattinson revolucionou sua imagem como ator. Ele agora está voltando ao mainstream com Tenet, de Christopher Nolan, e, claro, Batman, mas antes de chegar lá, ele apareceu no drama da Netflix, O Rei.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Longe da zona de conforto

Baseado nas histórias de Henrique IV e V de Shakespeare, o filme histórico de David Michôd não usa o diálogo do Bardo, mas segue a mesma narrativa de seus títulos mais icônicos da história. Timothée Chalamet interpreta o príncipe rebelde Hal durante sua ascensão ao trono inglês como Henrique V e sua liderança vitoriosa contra as tropas francesas na Batalha de Agincourt.

Pattinson estrela como Luís, Delfim de França, um filho do rei Charles VI da França e da rainha Isabel. Pattinson nunca foi um daqueles atores que jogam seguro em seus papeis.

Ele não é tão maluco em O Rei, embora seja certamente uma performance muito inesperada para um drama histórico padrão, especialmente em termos de tom. O aspecto mais notável desse desempenho é seu sotaque, que só pode ser descrito como deliciosamente ridículo.

Pattinson certamente fez uma escolha muito específica e interessante com o sotaque francês que ele usa para o papel. É, para ser franco, escandalosamente francês de uma maneira que beira a paródia.

Alguns o compararam ao Inspetor Clouseau, enquanto outros, observando os longos cabelos loiros do ator no papel, estabeleceram paralelos com o ator alemão Klaus Kinski. Outra coisa que vem à mente dos espectadores é o Chef Louis de A Pequena Sereia.

Seu Luís, Delfim de França é um cara que está acostumado a seguir o seu próprio caminho e alguém que não deseja trabalhar nos mesmos campos lamacentos com os plebeus. É um sotaque adequado para acompanhar o resto da performance.

Um destaque em meio ao tédio

Pattinson é o principal adversário do protagonista, mas ele não aparece em O Rei até mais ou menos 140 minutos de duração. Ele é quase como um vilão de pantomima em algumas cenas, zombando e se divertindo com a cara dos outros.

O vilão passa muito tempo sentado em uma cadeira de madeira elaboradamente esculpida, zombando e sendo um valentão pródigo, e ele é facilmente o motivo de destaque para assistir ao filme. A divertidíssima performance de Pattinson é de longe o elemento mais shakespeariano de um filme que, de outra forma, parece desinteressado nessa grandeza teatral.

O sotaque mostra a disposição do próximo intérprete do Batman de ir muito além dos limites percebidos da atuação sensata e tradicionalmente dramática, mesmo que ninguém mais em seu elenco esteja seguindo o exemplo. 2019 foi um grande lembrete da variedade de Pattinson e da imprevisibilidade fascinante como ator, e isso é algo que deve ser comemorado.

Com O Rei, Robert Pattinson rouba a cena mais uma vez e é uma pena que apareça apenas em algumas cenas. Resta saber o que pode trazer de interessante para o papel de Batman.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio