CONTÉM SPOILERS

Star Wars: A Ascensão Skywalker faz uma grande revelação sobre os pais e o sobrenome de Rey. Foi oficializado no novo filme que ela é, na verdade, a neta do Imperador Palpatine.

Star Wars: A Ascensão Skywalker, dirigido por J.J. Abrams, que co-escreveu o roteiro ao lado de Chris Terrio (Batman v Superman), é o final da Saga Skywalker, que abrange todos os nove filmes ao longo de 42 anos, mas também é a conclusão direta da trilogia de sequências que o próprio Abrams iniciou.


Isso significa que ele está terminando o que começou e, portanto, ele retorna a muitos dos tópicos de enredo e personagens que criou (ou pelo menos colocou em caixas misteriosas) em Star Wars: O Despertar da Força, cuja continuação foi a base de muitas das críticas de Star Wars: Os Últimos Jedi.

O principal de tudo isso, é claro, era a questão de quem são os pais de Rey.

Antes e depois de Star Wars: O Despertar da Força, as teorias continham toda a especulação: Skywalker? Solo? Kenobi? Ou alguma outra coisa?

Star Wars: Os Últimos Jedi aparentemente respondeu à pergunta, revelando os pais de Rey como dois “ninguém” (personagens pouco relevantes), mas há muito tempo ficou claro que A Ascensão Skywalker teria mais a dizer sobre o assunto, e é o que prova. Durante Star Wars 9, Rey é revelada como a neta de um personagem importante, mas no final adota o nome de outro.

Rey é a neta do Imperador Palpatine

A questão de quem Rey é foi definitivamente respondida por Star Wars: A Ascensão Skywalker, que se baseia na revelação de Os Últimos Jedi. Os pais de Rey não eram mesmo importantes, mas essa não é a verdade completa, já que seu pai era alguém: o filho do Imperador Palpatine.

Isso significa que a própria Rey é a neta de Palpatine, uma descendente direta do Sith mais poderoso que já existiu e o vilão abrangente da Saga Skywalker.

Isso é revelado para Rey através de Kylo Ren, bem como a identidade de seus pais. Star Wars: A Ascensão Skywalker dá algumas dicas ao longo do caminho de que essa reviravolta está chegando.

Quando nos encontramos pela primeira vez com o Imperador Palpatine em Star Wars: A Ascensão Skywalker, ele ordena que Kylo Ren traga Rey, demonstrando um grande interesse nela. Quando os dois se encontram em Pasaana, cada um tentando controlar o transporte que tem Chewbacca ostensivamente dentro dele, Rey omite uma poderosa explosão de raio da Força, o poder mais comumente associado a Palpatine.

No entanto, ainda é uma grande revelação.

Os detalhes, bem como os do retorno de Palpatine, são amplamente deixados de lado por Star Wars: A Ascensão Skywalker. Mas o que descobrimos através de uma mistura de visões de Kylo Ren e Rey é que Palpatine, sentindo e temendo seu poder potencial, tentou matar Rey quando criança.

Obviamente, ele não teve sucesso, mas isso nunca impediu o Imperador de tentar algo novamente no passado, e é por isso que ele a quer agora: morta ou em seu lugar como Imperatriz. Assim como Kylo Ren foi visto como o herdeiro aparente de Darth Vader pelas forças das trevas que o controlavam (que também eram uma influência de Palpatine), Rey é a herdeira do Império.

Esta é a explicação de Abrams para suas imensas habilidades de Força, sua história misteriosa e por que ela sente com tanta intensidade a força do lado sombrio, transformando Palpatine em uma explicação prática para Rey. Embora, dito isso, ela já estivesse morta se não fosse por seus pais.

Os pais de Rey morreram para salvá-la

Para todos os efeitos, os pais de Rey eram realmente pouco importantes, assim como foi revelado em Star Wars: Os Últimos Jedi, mas a verdade da questão é mais complicada do que isso. Seus pais podem não ter sido Han e Leia, ou Luke e uma mulher misteriosa, mas seu pai ainda era filho de Palpatine, o que é um grande negócio por si só, tornando um pouco mais difícil chamá-lo de “ninguém”.

Isso também significa que Palpatine criou uma criança através da Força ou teve relações sexuais com alguma desconhecida. Ainda assim, os pais de Rey viviam como “ninguém”, e estava claro que eles fizeram tudo o que podiam para proteger Rey do Imperador.

Essa é uma mudança mais direta de Star Wars: Os Últimos Jedi, em que Kylo Ren disse para Rey que seus pais eram bêbados que a venderam por dinheiro – o que era uma mentira total. Aqui também, no entanto, Star Wars 9 não se aprofunda em detalhes, como o relacionamento entre Palpatine e o pai de Rey, mas nos dá uma noção de quem eles eram.

Apropriadamente, os pais de Rey eram aparentemente corajosos, sobreviventes leais que se sacrificaram para proteger sua filha. Eles foram mortos sob o comando de Palpatine, com a adaga Sith que Rey mais tarde descobre ser o objeto para fazê-lo.

No entanto, eles foram capazes de garantir que Rey fosse enviado em segurança a Jakku antes de sua morte, mantendo-a fora das garras do Imperador. Os pais de Rey apenas aparecem brevemente, essencialmente apenas o tempo suficiente para vê-los se recusando a desistir de Rey e morrendo por isso, mas conseguimos ver os atores interpretando-os.

A estrela de Killing Eve, Jodie Comer, tem uma participação surpresa como mãe de Rey, enquanto Billy Howle (Legítimo Rei) interpreta seu pai.

Rey se torna uma Skywalker no final de Star Wars 9

Rey pode ser revelada como Palpatine durante Star Wars: A Ascensão Skywalker, mas no final ela tem um nome diferente, já que Rey assume o título de Skywalker. Isso acontece depois de Rey, com a ajuda de Ben Solo redimido e de todos os Jedi que vieram antes, derrotar Palpatine e todos os Sith no confronto final do filme.

Após essa vitória, Star Wars: A Ascensão Skywalker mostra Rey em Tatooine, onde ela deixa os sabres de luz de Luke e Leia, antes de acender o seu para revelar uma lâmina amarela e se anunciar como “Rey Skywalker”.

Isso, mais do que Rey sendo Palpatine, é crucial para seu arco e os temas de Star Wars como um todo. A saga sempre foi fortemente sobre família, mas, ao escolher Skywalker em vez de Palpatine, Rey não deixa sua linhagem defini-la, que é um dos aspectos herdados (em certo sentido, pelo menos) de Os Últimos Jedi.

Em vez de família, Rey é definida por suas escolhas e sua decisão de se ater principalmente à luz. Com Rey sendo uma Skywalker, Star Wars: A Ascensão Skywalker leva a Saga de mesmo nome de volta às suas raízes.

Em 1977, Luke Skywalker não fazia parte de alguns grandes mitos ou famílias importantes, mas apenas um humilde garoto de fazenda sonhando com coisas maiores. Isso mudou com a revelação de Darth Vader, a história de fundo de Anakin, Kylo e assim por diante, quando Skywalker se tornou essa família tão importante.

Mas Rey sendo uma Skywalker em nome, mas não sangue, move a saga para trás, reforçando que qualquer um pode ser um herói e optar por fazer o bem, não importa de onde eles venham.

É também uma escolha que consolida o legado da família Skywalker, enquanto permite que a franquia cresça além deles. Rey é a nova heroína de uma nova geração, a salvadora da galáxia que agora representa o aspecto mais fundamental de Star Wars: a esperança.

Foi o que Luke e Leia fizeram antes dela, por isso é justo que a nova esperança possa continuar com o nome Skywalker, mas torne algo ainda maior, com os Fantasmas da Força daqueles que vieram primeiro olhando-a com aprovação. Para a jornada de Rey, muito tem sido sobre encontrar seu lugar neste mundo: sua busca por família era uma busca por aceitação e pertencimento, e um senso de identidade.

Agora ela tem todos eles como Rey Skywalker, não através de linhagens, mas ações, tornando-a ainda mais poderosa ao olhar para o pôr do sol de Tatooine.

Rey seria neta de Palpatine desde o começo?

Com J.J. Abrams de volta ao comando da trilogia de sequências de Star Wars, obviamente há uma questão de quanto de seu plano, se ele teve um, continuou em Star Wars: A Ascensão Skywalker. Parte disso parece bem claro: Rey Skywalker parece o tipo de final dessa nova série que poderia ter sido planejado há muitos anos atrás, mas Rey Palpatine é menos óbvio.

Abrams e Kathleen Kennedy falaram sobre um plano de retorno de Palpatine há muito tempo, o que pode sugerir que ela sempre foi neta dele, mas Palpatine não estava no roteiro de Colin Trevorrow.

Olhando para Star Wars: O Despertar da Força, há pouco para confirmar se Rey é uma Palpatine. Houve alguns momentos tomados como evidência entre as inúmeras teorias de fãs sobre os pais de Rey – um movimento de sabre de luz que ela usou foi semelhante a Palpatine, a escuridão contida dentro dela, a voz do Imperador em sua visão da Força -, mas outras teorias também tinham boas evidências.

Os Últimos Jedi foi contra essa noção. Kylo dizendo para Rey que seus pais a venderam não parecia mentira no momento, e esse filme subverte a ideia de como família e de onde você é podem defini-lo.

A peça final do quebra-cabeça é o plano de trilogia de sequências de George Lucas. A própria trilogia da Disney mudou muito, mas a gênese de Rey pode ser encontrada em Kira, a adolescente que teria sido heroína central de sua própria trilogia, treinada por Luke Skywalker.

Aparentemente, essa reviravolta parece mais com o tipo de coisa que Lucas faria. No entanto, Ian McDiarmid disse recentemente que Lucas confirmou a ele que Palpatine permaneceria morto em sua trilogia de sequências, apesar de que isso não descartaria uma surpresa de última hora no Episódio 9.

Baseado em como Star Wars: A Ascensão Skywalker entra para a saga, especialmente após a reação de Os Últimos Jedi, certamente não se parece com algo que foi planejado desde o início.