Vamos falar sobre AQUELE beijo gay em Star Wars 9 – e por que ele NÃO é importante

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Star Wars: A Ascensão Skywalker foi lançado mundialmente nesta semana, e o final da Saga Skywalker incluiu algo inédito na franquia: um beijo lésbico. No entanto, a natureza de piscar e sentir falta do beijo fez o momento parecer menos um marco triunfante e mais um detalhe barato.

Desde 2016, o diretor J.J. Abrams disse que acreditava firmemente que um personagem LGBTQ+ seria introduzido nos filmes de Star Wars no futuro, chegando ao ponto de dizer em uma entrevista com o Daily Beast que “parece insanamente contra-intuitivo dizer que não haveria um personagem homossexual naquele mundo”. Como os espectadores de Star Wars: A Ascensão Skywalker podem atestar, Abrams cumpriu sua promessa… mas apenas um pouco.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O beijo gay em questão foi compartilhado entre duas lutadoras sem nome da Resistência, comemorando os acontecimentos do filme. É um momento fugaz em meio a uma onda de caos e comemoração que poderia facilmente ser despercebido por qualquer espectador que se virasse para pegar um punhado de pipoca.

Mais importante, é um momento que pode ser facilmente retirado do filme em países onde representações da homossexualidade não são permitidas.

Para piorar a situação, nenhuma das mulheres desempenhou um papel significativo no filme em nenhuma capacidade – nenhuma das duas nem sequer tinha uma fala. Para uma franquia com um impacto tão significativo na cultura pop, muitos fãs esperavam que o beijo gay de Star Wars: A Ascensão Skywalker fosse um momento significativo que seria um triunfo para um grupo que nunca, até agora, foi representado nos filmes de Star Wars (embora personagens gays tenham sido apresentados em outros lugares no cânone).

E o que há entre Finn e Poe?

Poderia até ser melhor se Star Wars: A Ascensão Skywalker não tivesse apresentado um momento LGBTQ+. O beijo foi tão sem sentido que, por mais positivas que fossem as intenções do cineasta, parece pouco mais do que uma representação simbólica.

Além disso, quando Abrams disse que não mostrar um personagem gay seria “vergonhoso”, ele deu aos fãs a expectativa de um personagem LGBTQ+ em primeiro lugar, apenas para que fosse mostrado um beijo entre duas figurantes sem importância.

Não apenas isso, mas talvez o aspecto mais frustrante de toda a provação seja a noção de que Oscar Isaac e John Boyega eram ambos defensores sinceros de um relacionamento romântico entre Poe e Finn. Isaac, em particular, expressou seu apoio várias vezes durante a turnê de imprensa de Star Wars: A Ascensão Skywalker, indicando que em algum momento havia uma possibilidade genuína de um relacionamento canônico entre os personagens principais.

No final, J.J. Abrams tomou a decisão de cumprir sua promessa de incluir um personagem gay de Star Wars, não usando personagens principais com química preexistente, mas usando personagens de fundo descartáveis. Embora o beijo lésbico possa ter sido tecnicamente o primeiro momento LGBTQ+ dos filmes de Star Wars, a absoluta falta de importância dificulta a comemoração de um momento “triunfante”, quando a possibilidade de um relacionamento muito mais significativo foi apresentada, mas foi ignorada.

Star Wars: A Ascensão Skywalker está em cartaz nos cinemas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio