Candidato ao Oscar, 1917 apostou em truque barato na trama

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além de receber os dois grandes prêmios no Globo de Ouro, a campanha de marketing do épico da Primeira Guerra Mundial, 1917, de Sam Mendes, se baseou em grande parte nas impressionantes realizações técnicas do filme. Mas, embora seja certamente visualmente impressionante, a abordagem de “plano-sequência” de 1917 realmente não é tão suave quanto parece.

Comandado pelo ex-diretor de 007 – Operação Skyfall e Estrada Para Perdição, 1917 reforça um elenco e equipe impressionantes. Estrelando os jovens pouco conhecidos George MacKay e Dean-Charles Chapman, o filme também inclui participações especiais dos atores britânicos Colin Firth, Benedict Cumberbatch e Mark Strong.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Então, é claro, há o diretor de fotografia Roger Deakins a considerar.

Ambientado durante o auge da Primeira Guerra Mundial, o filme segue dois soldados britânicos (MacKay e Chapman) enquanto eles embarcam em uma jornada angustiante pela Terra de Ninguém. Esse esforço notável, uma jornada de 24 horas pelo território inimigo, ocorre quando eles descobrem que uma companhia próxima, com a impressão de que seu ataque iminente causará um forte impacto no esforço de guerra dos alemães, está realmente entrando em uma armadilha.

O general (Firth) adverte que, se eles falharem, o resultado será nada menos que um massacre.

Essa missão heroica, baseada nas histórias contadas pelo avô de Mendes quando criança, é capturada e anunciada no cinema como uma cena perfeita. Na maioria das vezes, o resultado é maravilhoso e abrangente, permitindo que a atmosfera meticulosamente trabalhada respire e fale por si mesma sobre os horrores da guerra.

Outras vezes, porém, os cortes do filme são repetitivos e perceptivelmente perturbadores, muitas vezes contando com as mesmas pistas visuais para passar para a próxima cena.

Truque barato

Por mais persuasivo que possa parecer, é praticamente impossível obter uma produção de uma só vez, especialmente quando é preciso considerar e articular a natureza brutal da batalha. Assistindo a 1917, o público descobrirá que os cortes coincidem consistentemente com os personagens entrando em um quarto escuro ou com a câmera panorâmica e a vista sendo completamente dominada por um objeto ou pessoa.

Embora não seja tarefa fácil realizar esse olhar abrangente e único em um longa-metragem, quando comparado com outros filmes que fizeram a mesma coisa – especialmente o vencedor de Melhor Filme de 2015, Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) -, o truque parece barato às vezes.

Também vale a pena mencionar que uma das cenas mais tensas do filme realmente rompe o “plano-sequência” de 1917. Em direção ao clímax do filme, Schofield (MacKay) se envolve em um tiroteio com um batedor alemão em uma cidade destruída pela guerra.

Depois de acertar o oponente e se infiltrar na casa em que o alemão estava atirando, Schofield sobe as escadas para confirmar a morte. Quando ele abre a porta com o rifle, a câmera revela que o alemão ainda não morreu, e assim que Schofield termina o trabalho, o inimigo dispara de volta, enviando Schofield de volta pelos degraus e caindo de costas.

O soldado britânico perde a consciência e, ao fazê-lo, a câmera corta para preto. Quando o herói de Mendes acorda, o dia se transforma em noite e a linha do tempo perfeita de 1917 está finalmente quebrada.

1917 está em cartaz nos cinemas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio