Drácula da Netflix é versão cansativa e confusa de icônico vampiro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A nova série do Drácula, exibida pela BBC e pela Netflix, não está agradando tanto assim os fãs do clássico personagem.

Criada por Mark Gatiss e Steven Moffat, dupla criativa da série Sherlock, a nova série do Drácula tenta dar uma renovada na mitologia em torno do personagem, mas acaba falhando em agradar os fãs.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Segundo o CBR, a série tenta ser bem-sucedida explorando a representatividade LGBTQ e o empoderamento feminino, mas nada disso é suficiente para tornar Drácula uma obra tão interessante quanto as outras sobre o personagem.

Drácula no centro

A grande proposta da série do Drácula é colocar o personagem no centro. Nos livros originais escritos por Bram Stoker, Drácula está sempre ao fundo, sendo retratado pela perspectiva de outros personagens. Na série da Netflix, Drácula é de fato o personagem principal da história.

A Irmã Agatha, que serviria como uma protagonista feminina, chega a ser interessante, mas nada que tire os fãs de Drácula do sofá.

No fim, a série se perde em reviravoltas sem propósito e em uma história que tem pouco a dizer. As próprias reviravoltas em si não são impressionantes, e só adiam o final sem graça de Drácula.

Com três episódios e 90 minutos de história, Drácula não consegue sustentar seu público – como Sherlock conseguiu.

Além do protagonista interpretado por Claes Bang (The Square), o elenco tem ainda Jonathan Aris (Black Mirror: Bandersnatch), Sacha Dhawan (The Boy With the Top Knot), Nathan Stewart-Jarrett (Misfits), Catherine Schell (007: A Serviço Secreto de Sua Majestade), Youssef Kerkour (Jack Ryan) e Clive Russell (Game of Thrones).

Drácula está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio