Elsa, a rainha de Arendelle, experimenta uma transformação em Frozen 2, da Disney, que atrai muitos paralelos com Gandalf, o Cinzento, o sábio bruxo de O Senhor dos Anéis. Além de sua afiliação básica à magia, as comparações entre a história de Elsa em Frozen 2 e a jornada de Gandalf em O Senhor dos Anéis são mais profundas do que parecem à primeira vista.

Em Frozen 2, Elsa segue uma voz desconhecida para Ahtohallan, o rio mítico que guarda os segredos do passado. Quando ela chega a Ahtohallan, Elsa descobre a verdade sobre o passado de seu avô, que a represa que foi construída entre Arendelle e o povo Northuldra não era uma oferta de paz, mas uma tentativa de reduzir os recursos da terra.

Além disso, Elsa descobre a origem de seus poderes, aprendendo que ela é o quinto espírito e eles receberam um presente da natureza depois que sua mãe Iduna salvou a vida de seu pai Agnarr, filho do rei que traiu sua tribo. Em uma das cenas mais chocantes de Frozen 2, Elsa começa a congelar e morre dentro das cavernas de Ahtohallan, voltando à vida vestida de branco e montando um cavalo branco depois que Anna suspendeu a maldição na Floresta Encantada.


Essa cena crucial em Frozen 2 lembra muito a jornada de Gandalf na franquia de O Senhor dos Anéis. Ambos os personagens desafiam e são finalmente mortos por forças poderosas do passado.

Enquanto Elsa lutava para resgatar as ações traiçoeiras de seu avô, Gandalf lutou fisicamente contra o Balrog, uma antiga criatura demoníaca despertada em Moria. Quando os dois personagens morrem, eles retornam como versões elevadas de si mesmos, Elsa como o quinto espírito e Gandalf como Gandalf, o Branco.

Cada um deles retorna de maneira mais sábia e poderosa, tendo descoberto um novo propósito e vestindo trajes brancos.

Muitas coisas em comum

Além de suas experiências em Ahtohallan, as semelhanças de Elsa com Gandalf persistem durante todo o filme, incluindo as cenas anteriores. Em O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, Gandalf lidera Bilbo Bolseiro e a companhia dos Anões através da Floresta das Trevas, uma floresta que foi amaldiçoada por uma combinação de magia élfica e feitiçaria negra.

Da mesma forma em Frozen 2, Elsa começa sua busca para encontrar a fonte da voz misteriosa liderando Anna, Kristoff e Olaf através de uma floresta encantada e amaldiçoada.

Não apenas existe uma semelhança entre as jornadas pessoais do personagem, mas também existem muitas semelhanças em suas personalidades. Gandalf e Elsa estabelecem uma comunhão com a natureza através de seus poderes mágicos.

Em Frozen 2, Elsa se une ao espírito de fogo da salamandra Bruni, enquanto Gandalf, em várias ocasiões, se comunica com insetos, enviando mariposas para trazer de volta ajuda durante momentos de desespero nas franquias de O Senhor dos Anéis e O Hobbit. Uma das características mais frustrantes de Gandalf também está presente em Elsa: a tendência de desaparecer em aventuras individuais, deixando seus amigos para trás para lidar com outros perigos.

Quando Elsa viaja sozinha para Ahtohallan, Anna é deixada para trás para levantar a maldição provocada por seu avô ao quebrar a represa. Semelhante a Gandalf, Elsa retorna no último segundo enquanto uma onda de água corre em direção a Arendelle e salva o reino da ruína.

Embora as semelhanças entre Elsa e Gandalf possam não ter sido a intenção da Disney, a comparação enfatiza os pontos fortes de Elsa como um modelo feminino positivo em Frozen 2. Apresentando Elsa como combinando e rivalizando com o poder de um dos bruxos mais amplamente reconhecidos da literatura, em última análise, apoia a mensagem feminista da Disney na franquia de Frozen, de que Elsa não é apenas equivalente a seus colegas do sexo masculino, mas é mais do que capaz de assumir os perigosos desafios e aventuras anteriormente enfrentadas apenas por protagonistas masculinos.