Jumanji: Próxima Fase apresenta o retorno do talento criativo que fez o sucesso de bilheteria de Jumanji: Bem-Vindo à Selva, mas também abandona um elemento do filme de 2017 que levou a um dos seus melhores momentos. Dwayne Johnson, Kevin Hart, Jack Black e Karen Gillan estrelam como avatares de videogame habitados por adolescentes da vizinhança no primeiro filme e, na sequência, os avatares são ocupados por dois adolescentes e dois idosos parceiros de negócios interpretados por Danny DeVito e Danny Glover.

Durante a maior parte da ação de Jumanji: Próxima Fase, os dois adolescentes experientes do mundo de Jumanji devem conduzir seus colegas mais velhos pelo videogame, a fim de retornar ao mundo real.

No videogame, cada avatar vem equipado com três barras pretas no antebraço, indicando três vidas, e se um avatar for morto, então uma das barras pretas desaparece. De acordo com o primeiro filme, se o avatar perde todas as três vidas, a pessoa real morre, mas um jogador pode desistir de uma de suas vidas para reviver um personagem morto, levando a uma das melhores cenas de Jumanji: Bem-Vindo à Selva: Bethany (Madison Iseman) no avatar Shelly Oberon (Black) dá vida para Seaplane McDonough (Nick Jonas).


As sequências de ação de videogame da trama ocupam grande parte do tempo de execução do filme, mas nas cenas que apresentam conflito entre os jogadores, Milo (Glover) e Eddie (DeVito) brigam muito, revisitando antigas traições e arrependimentos de vidas que não puderam cumprir. Este é um dos conflitos centrais do filme, e quando é revelado que um diagnóstico terminal levou Milo a visitar seu ex-amigo, o filme aborda o tema da mortalidade.

A tentativa de Milo de amarrar pontas soltas – resolver a disputa de décadas que levou à dissolução de sua amizade com Eddie – dá ao filme seu núcleo emocional, ecoado no relacionamento entre Spencer (Alex Wolff) e Martha (Morgan Torneiro).

Chance perdida

Os temas que constituem esse núcleo emocional – perdão e mortalidade – não são particularmente úteis perto da conclusão do filme, e foi aí que o filme perdeu a oportunidade de trazer de volta o elemento que proporcionava tal impacto no primeiro filme: sacrificar barras pretas para dar para outro personagem a chance de continuar. Se Eddie tivesse que desistir de uma de suas vidas no jogo para salvar seu amigo, como Bethany fez em Jumanji: Bem-Vindo à Selva, poderia ter sido um genuíno momento de reconciliação que avançava os arcos dos personagens e resolvia um dos problemas do filme.

Imagine se, depois de Eddie, como Smolder Bravestone (Johnson), perfurar Milo como Mouse Finbar (Hart) em uma pedra, uma lenta realização ocorresse em todos os personagens que era a última vida de Milo. Eddie teria que remover a pedra e ressuscitar seu amigo.

É verdade que a cena passaria da comédia ao drama, mas também compensaria o conflito de personagens e revisitaria o aspecto de ressurreição/sacrifício do jogo que funcionou tão bem no filme de 2017. Os escritores teriam que reorganizar alguns momentos para fazer isso funcionar, mas, no geral, essa mudança aumentaria os riscos da interação entre Milo e Eddie.

No final, Jumanji: Próxima Fase é centrado principalmente em uma comédia ampla e agradável para o público, mas mesmo nesses tipos de filmes, não deve ser desperdiçada a chance de adicionar mais profundidade emocional à interação dos personagens.

Jumanji: Próxima Fase chegará aos cinemas em 16 de janeiro.