Cuidado! Spoilers da 1ª temporada de The Witcher, da Netflix.

A 1ª temporada de The Witcher, da Netflix, apresenta diversos elementos confusos para o espectador que não conhece a obra original.

Um dos pontos de mais confusão é o destaque – e o imenso poder – que Ciri possui. The Witcher mostra como Pavetta, a mãe da jovem, é poderosa, mas a explicação em torno dos poderes sobrehumanos de Ciri não foi totalmente entregue – ainda.


Por isso, o CBR decidiu se basear na obra que inspirou The Witcher, os livros de Andrzej Sapkowski, para explicar a importância de Ciri.

A garota especial

Nos livros que basearam The Witcher, fica claro que Ciri é descendente de seres extremamente poderosos.

A ascendência de Ciri explica porque ela possui tantos poderes – como o “super grito” mostrado na 1ª temporada de The Witcher.

Além de possuir sangue real, a Princesa Ciri possui o chamado Sangue Antigo, um gene que surge nos descentes de Lara Dorren, uma bruxa élfica, e seu amante, o humano chamado Cregennan de Lod.

Todos que carregam o Sangue Antigo manifestam poderes incríveis, que aparecem majoritariamente nas integrantes femininas do clã. Diferente do que The Witcher mostra, nos livros, os poderes dados pelo Sangue Antigo são impossíveis de se controlar.

O Sangue Antigo também gera as flores que vimos em The Witcher, que se consumidas por magos, aumentam seus poderes assustadoramente – vimos o que Yennefer pode fazer com esse recurso.

Isso mostra como o Sangue Antigo tem um grande impacto no Continente, e como Ciri tem um imenso poder que pode destruir ou salvar o mundo. Veremos como a 2ª temporada vai se aprofundar nos poderes da personagem.

A 1ª temporada de The Witcher está disponível na Netflix.