Supernatural: Novo vilão fará você gostar mais de Lúcifer

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

CONTÉM SPOILERS!

Supernatural está agora na metade da décima quinta e última temporada, e não está mais em campo o vilão mais antigo: Lúcifer. No entanto, no lugar do diabo, sua família está aproveitando a folga.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Seu filho Nefilim, Jack, está definhando na escuridão sem fim do Vazio desde o final da décima quarta temporada – uma vida após a morte para anjos e demônios falecidos, ou seja, para aqueles infelizes o suficiente para não dormirem durante o tempo que passam por lá, um oceano de existência e pavor. No lado superior, o corpo de Jack foi brevemente levado para um passeio por um demônio novato chamado Belphegor.

Agora, Billie (Morte) tem grandes projetos para o herdeiro de Lúcifer.

A razão pela qual Jack está no Vazio, em primeiro lugar, é porque seu avô paterno, Deus/Chuck, o ofendeu insensivelmente, pensando que ele estava poupando os Winchester de terem que fazer isso sozinhos depois que Jack foi roubado da moralidade de seu lado humano. Muito parecido com a própria família de Sam e Dean, os antecedentes de Lúcifer são definidos por pai e filho em disputa.

Nesse cenário, Dean é o análogo leal à falha do arcanjo Miguel, e Sam se assemelha ao rebelde e sensível Lúcifer. Enquanto John Winchester nunca se sustentou como Pai do Ano, Deus é – como ele é na vida real – adorado em todo o mundo como a figura paterna mais divina que existe.

E quanto a Lúcifer? Bem, ele é o diabo – o mal encarnado.

A mudança sísmica de Chuck de guardião falho, mas benevolente, para o maior vilão que Sam e Dean já enfrentaram nos obriga a reavaliar o grande vilão que ele substituiu. Assim como Quentin Quire dos X-Men nos forçou a reconsiderar o legado de Magneto, a temporada final de Supernatural nos faz pensar: Lúcifer estava certo?

Na mitologia de Supernatural, Lúcifer afirma que a versão bíblica de sua queda da graça é uma propaganda do céu que o torna injustamente o bode expiatório de todos os erros do mundo. Como ele é o diabo e tudo, sua língua bifurcada nos deu, ou Sam e Dean, poucas razões para acreditar nele.

O mais difícil de fingir, no entanto, é a dor que ele sente ao ser expulso por seu pai – um pai para quem ele era muito especial. O reencontro na décima primeira temporada é adequadamente emocional, pois Chuck é capaz de pacificar seu filho perdido, simplesmente dando a ele um sincero pedido de desculpas.

Lúcifer era tão mau assim?

Não há como argumentar que Lúcifer é um vilão completamente; tentar destruir a Terra e torturar e assassinar inúmeras pessoas não são coisas fáceis de serem resgatadas. De fato, seu dano prolongado a Nick, sua encarnação humana, é revelado na décima quarta temporada, quando o hospedeiro privado embarca em uma onda de assassinatos sangrentos na esperança de tornar-se “inteiro” novamente, atraindo o primeiro rei do Inferno.

No entanto, a décima quinta temporada prova que Lúcifer não inventou exatamente a roda quando se trata do mal – ele pode ter aprendido tudo aos pés de Deus.

Mesmo quando Chuck não estava tentando matar os Winchester da maneira mais cruel possível, ele nunca foi o aliado mais útil ou heroico. Após séculos deixando o Céu, o Inferno e a Terra por conta própria, Chuck finalmente revelou que ele estava vivendo uma vida discreta entre suas criações favoritas como autor da série de livros “Supernatural”.

Além de Lúcifer, Sam e Dean foram atormentados por outros vilões que foram enviados diretamente por um caminho sombrio por causa de sua história com Deus, como Metatron e a irmã de Deus, Escuridão. O raciocínio de Chuck para principalmente ficar à margem também causou mais angústia – ele só queria relaxar e aproveitar o seu “programa favorito”.

Este foi o ímpeto de Sam e Dean por atacar seu Criador. Eles estão cansados ​​de suas existências cheias de dor serem combustível para seu entretenimento.

Teria sido fácil para um ser cósmico como Chuck simplesmente rir disso, mas, em vez disso, Chuck volta ao modo do Antigo Testamento. Ele está em pé de guerra desde então, o que, dada a enorme diferença de poder, é basicamente como um elefante declarando guerra a duas formigas.

Deve estar bem embaixo dele. Dar a Chuck esses tipos de falhas serve para humanizar um ser que, de outra forma, os telespectadores teriam dificuldade em controlar, mas também nos faz pensar se sua reação exagerada à dissidência de Sam e Dean espelha o que aconteceu entre ele e Lúcifer.

O crime de Lúcifer, no grande esquema das coisas, era simplesmente ficar com ciúmes dos humanos – as novas criações favoritas de seu pai. Suas queixas também tinham algum mérito, dado que, diferentemente dos arcanjos ou dos anjos, os humanos eram abençoados com livre arbítrio (exceto pela linhagem de Caim e Abel, da qual Sam e Dean descendem, e com quem Chuck é estranhamente obcecado).

Por isso, ele deixou de ser o filho de ouro de uma irmandade unida para ser eternamente condenado e destinado a entrar em guerra com a referida irmandade. Isso, compreensivelmente, apenas levou Lúcifer a ficar mais amargurado contra sua família e humanidade.

Problemas contextualizados

Em vez de apenas um anjo caído choramingando com problemas com o pai, o tratamento malicioso de Chuck para os seres muito, muito menor do que Lúcifer contextualiza a queda do diabo da graça. Lúcifer não era apenas um filho que foi criado por um pai caloteiro.

Seu pai era uma divindade sociopata que interpreta os favoritos e é um mestre manipulador em um nível cósmico. Quando ele é trazido de volta na décima quinta temporada, até o arcanjo Miguel “bom filho” percebe que o pai que ele idolatra está longe de ser santo, fazendo com que ele também se volte contra Deus.

Lúcifer costumava ser a voz solitária apontando as consideráveis falhas de seu pai. Agora, parece que ele estava certo o tempo todo.

A décima quinta temporada de Supernatural está em exibição.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio