Doutor Estranho no Multiverso da Loucura será o quinto filme de super-herói de Sam Raimi. Todo mundo sabe sobre seu trabalho na trilogia original do Homem-Aranha.

Esses filmes iniciaram uma nova era para o cinema de super-heróis, em que as pessoas podiam aceitar a imaginação ilimitada da página de quadrinhos na tela. Sem a contribuição de Raimi ao cinema, o universo de filmes da Marvel nunca teria se concretizado.

Mas muitas pessoas esquecem que o Homem-Aranha não foi o primeiro filme de super-herói de Raimi. Trinta anos atrás, em 1990, Raimi dirigiu seu primeiro filme de super-herói, que chegou aos cinemas após o Batman de Tim Burton.


Existia em uma era diferente para filmes de super-heróis, quando os orçamentos eram mais baixos e os estúdios ainda duvidavam da popularidade generalizada do gênero. Ainda assim, para muitos, preencheu um vazio.

Esse filme foi Darkman – Vingança sem Rosto.

A trama

Darkman – Vingança sem Rosto é sobre um jovem cientista chamado Peyton Westlake, interpretado por Liam Neeson. Peyton está investigando uma fórmula para a pele artificial, que não dura mais de noventa e nove minutos, graças à vulnerabilidade das células artificiais à luz.

No entanto, enquanto ele está fazendo avanços científicos, sua namorada advogada Julie, interpretada por Frances McDormand, tropeça em uma trilha de papel que indica que seu parceiro de negócios está envolvido com algum dinheiro da máfia.

Isso coloca Peyton e Julie na mira de uma cruel gangue da máfia. A dupla finalmente rouba as evidências do laboratório de Peyton e incendeia o local.

Enquanto Julie acredita que ele se foi (eles só encontraram seu ouvido na baía), ele consegue sobreviver ao ataque graças a um tratamento experimental que corta toda sensação tátil do corpo – embora um possível efeito colateral pareça ser incontrolável loucura. Peyton está terrivelmente marcado e todo mundo pensa que ele está morto, mas de alguma forma o equipamento que lhe permite criar pele artificial permanece.

Deixado sem esperança, Peyton embarca em sua vingança pessoal, tudo contra aqueles que arruinaram sua vida, enquanto tenta descobrir uma maneira de ele e Julie ainda estarem juntos, apesar do fato de ele literalmente não ter pele na boca e poder estar ficando louco.

As influências de Raimi

O filme de Raimi tem múltiplas influências, o que resulta em uma espécie um tanto insana de filme de monstros pulp-noir. Inicialmente, Raimi tentou fazer um filme baseado em Batman ou Sombra, mas descobriu que ninguém queria vender para o jovem cineasta – que na época havia dirigido apenas Uma Noite Alucinante: A Morte do Demônio e Uma Noite Alucinante 2 – os direitos do filme para esses personagens icônicos.

Sem isso, ele decidiu fazer seu próprio herói do zero. Raimi centrou seu personagem em torno da capacidade de mudar seu rosto para se disfarçar sempre que necessário.

Só podemos imaginar o que Raimi teria feito com um personagem como o Camaleão ao trabalhar no Homem-Aranha.

Ele passou a se inspirar muito nos antigos filmes de monstros dos anos 30 e 40, incluindo O Fantasma da Ópera. As influências de Fantasma, é claro, são incrivelmente óbvias, pois, como o Erik de O Fantasma da Ópera, o rosto de Peyton é grotescamente mutilado, muitas vezes escondido atrás de uma máscara enquanto persegue seu amor… e vingança.

Ele finalmente foi para a Universal, que lhe deu um orçamento entre US$ 8 e US$ 12 milhões para fazer seu filme (mais tarde aumentou para US$ 16 milhões). Raimi, no entanto, estava acostumado a trabalhar com orçamentos baixos, graças ao seu trabalho em Uma Noite Alucinante, então ele conseguiu utilizar seu orçamento com sabedoria para criar algo verdadeiramente especial.

Embora também tenha ajudado, ele teve Danny Elfman de Batman trabalhando na trilha sonora original. Mais tarde, Elfman e o diretor também trabalharam juntos em Homem-Aranha e Homem-Aranha 2.

Por que ainda é ótimo

O filme é construído sobre duas performances principais: Peyton, de Liam Neeson, e Julie, de Frances McDormand. Esses dois equilibram o melodrama com a intensidade humana de uma maneira que estabelece firmemente Darkman como um desenho animado perturbador.

Algumas das melhores cenas do filme mostram Neeson sozinho, desesperadamente descobrindo uma maneira de reconstruir seu rosto ou enlouquecendo no isolamento das ruínas desoladas que ele leva para sua casa.

A dinâmica entre Peyton e Julie realmente é como a do Fantasma, com Peyton escondendo sua monstruosidade de Julie enquanto Julie o persegue. É muito difícil não pensar em Erik e Christine de O Fantasma da Ópera ao assistir esse filme.

Claro, o romance não é a única coisa que o filme tem para isso. É também uma história cheia de vingança.

A vingança de Neeson é absolutamente cativante de assistir. Ele sente tanta alegria sádica em destruir a vida daqueles que o arruinaram, espionando-os do escuro, reconstruindo seus rostos – é tudo tão insidioso e quase assustador.

O segundo ato deste filme é, sem dúvida, o destaque, pois permite ver como esse cientista educado se transforma em um monstro completo.

Enquanto a trilha sonora de Danny Elfman às vezes domina algumas das cenas, a energia frenética de Raimi faz com que cada cena ganhe vida. Além disso, a maquiagem horrível que lentamente se revela ao longo do filme permanece assustadora de se ver.

Enquanto algumas cenas parecem um pouco falsas (particularmente, qualquer cena que se aproxima dos dentes de Neeson parece emborrachada), a maioria dos efeitos de maquiagem ainda é difícil de ver.

O que envelheceu mal

Claro, o filme de 30 anos não é perfeito. Os vilões são essencialmente os caras maus de Robocop, com um empresário corrupto que é dono da polícia e tem laços criminais.

Muitas das grandes cenas de efeitos especiais do filme lutam para ser convincentes, especialmente as cenas compostas. Essas questões particulares, no entanto, não prejudicam os dois primeiros atos atmosféricos.

No entanto, sem dúvida, a maior fraqueza do filme é como às vezes fica um pouco exagerado. Sempre que Peyton perde a calma, o filme desce para essas cenas estilísticas que retratam sua angústia interna.

Às vezes, isso parece meio bobo. Em particular, há uma cena em que Peyton perde a calma por causa de um funcionário do parque de diversões que se recusa a dar-lhe um elefante rosa por ganhar um jogo.

Essa cena é hilária pelas razões erradas.

No terceiro ato cheio de ação do filme, o filme se torna um pouco exagerado para o seu próprio bem. A atmosfera de pavor e tragédia que permeou o filme é dissipada.

A personagem de McDormand é relegada a donzela em perigo depois de desempenhar um papel muito mais proativo nos dois terços anteriores do filme. Parece um pouco com o que Raimi faria mais tarde com Uma Noite Alucinante 3.

Isso funciona para o filme porque Uma Noite Alucinante 3 é bobo e divertido. Aqui, porém, parece chocante.

É claro que, ao longo do filme, vemos sombras de ideias que Raimi posteriormente reciclaria em seus filmes do Homem-Aranha. Uma das mais aparentes é quando Peyton, livre do hospital, retorna ao seu laboratório fumegante, olhando horrorizado para os destroços.

É difícil não assistir a isso em 2020 e não ver Doutor Octopus contemplando o suicídio depois de escapar do hospital no Homem-Aranha 2. Embora alguns elementos do filme tenham envelhecido mal, Darkman serve como rascunho do que um dia seria dos filmes mais importantes do século XXI.

Agora, resta saber o que o famoso cineasta pode trazer para o Doutor Estranho. Doutor Estranho no Multiverso da Loucura chegará aos cinemas em 5 de maio de 2021.