A Última Coisa que ele Queria, novo drama da Netflix protagonizado por Anne Hathaway, não está agradando a crítica americana.

Baseado no livro de mesmo nome escrito por Joan Didion, o longa da Netflix é dirigido por Dees Rees (Mudbound).

A Última Coisa Que ele Queria conta a história de Elena (Anne Hathaway), uma jornalista que cobre rebeliões que estão acontecendo em El Salvador.


Em um artigo, o Digital Spy falou sobre o decepcionante drama da Netflix.

Sem inspiração

Em A Última Coisa que ele Queria, a protagonista Elena acaba se envolvendo com tramas obscuras graças ao seu envolvimento na crise política da América Central.

No meio disso, Dick McMahon (Willem Dafoe), o pai de Elena, se envolve em uma missão misteriosa de entrega de armas na Nicarágua.

O filme todo é relatado por um narrador que vem do futuro e isso acaba sendo bem confuso para a história. O grande problema, é que nos livros, essa confusão funciona perfeitamente. No filme da Netflix, nada faz muito sentido.

As cenas parecem estar sem sincronia uma com a outra e a experiência de assistir A Última Coisa que ele Queria é bem frustrante, especialmente se você não conhece o contexto político da América Central nos anos 80.

O personagem de Ben Affleck, um embaixador americano chamado Treat, só faz sentido para a trama no final e não empolga em nenhum momento. O longa da Netflix falha miseravelmente em entender o material original, prejudicando a força da história e tornando ela bem confusa.

A Última Coisa que Ele Queria está disponível na Netflix.