Uma das regras que The Walking Dead segue dos quadrinhos é que ninguém está fora dos limites quando se trata de morte. Os fãs descobriram isso quando Robert Kirkman surpreendentemente matou Rick Grimes para anunciar o final da HQ, e no programa de TV, enquanto as principais mortes não são tão repentinas, elas ainda são chocantes e causam impacto.

Bem, pelo menos até Negan começar sua matança. E isso porque, a partir desse momento, não havia muitos personagens-chave que o programa teve a coragem de matar e aqueles que foram assassinados não tiveram ressonância emocional com o público.

Se The Walking Dead quiser voltar aos trilhos, pode se inspirar em Kingdom, terror sul-coreano da Netflix que lida melhor com a morte.


O problema de The Walking Dead

Em The Walking Dead, enquanto Lori, Shane e Carl foram mortos e realmente deixaram os fãs devastados e mudaram a série para valer, é difícil ver mortes posteriores tendo o mesmo efeito. Claro, os fãs viram Hershel sendo decapitado pelo Governador e Glenn e Abraham sendo espancados até a morte por Negan, mas desde então, Henry e companhia sendo atacados pelos Sussurradores e Alpha sendo decapitada por Negan simplesmente não geraram o mesmo interesse.

O programa tem medo de matar Rick, e se Daryl morresse, a internet ficaria tão furiosa que os números de audiência iam cair ainda mais.

E isso acontece porque as mortes não parecem mais mover organicamente o programa. A morte de Carl não fazia sentido, pois acabou com toda a história de um legado de Grimes, o que ficou ainda pior por Rick ser levado por um exército misterioso.

Neste ponto, mesmo que Michonne ou Maggie sejam mortas, o fato de não serem mais personagens importantes significa que os fãs não investirão mais tanta emoção nelas. E se as mortes ocorrerem, parecerão choques gratuitos ou deixarão esse universo ainda mais instável.

Kingdom, no entanto, sabe como acabar com personagens de apoio e rostos importantes para levar a trama para onde ela precisa estar. E isso porque permite que todos tenham tempo de tela amplo e pareçam conectados.

A segunda temporada mata Jo Beom-Il no primeiro episódio, quando ele se sacrifica para que o príncipe Lee Chang volte ao seu reino Joseon para recuperar seu trono, enquanto o segundo episódio também mata pessoas que tentam proteger a irmandade. O terceiro episódio mata o braço direito de Chang, Moo-Young, que o serviu na temporada passada tão bem, apenas para se tornar informante do mau regime de Cho.

Sua morte é muito bem feita e chocante, especialmente porque os fãs esperavam que ele se redimisse e colocasse Chang de volta ao poder.

Imprevisibilidade em Kingdom

O fato de a rainha Cho ter a esposa de Moo-Young e estar tentando reivindicar o filho deles como dela própria significa que ninguém teria previsto a morte do pai. Kingdom sabe como disfarçar o que está por vir, ocultando informações a todo momento e garantindo que apenas personagens valiosos estejam disponíveis para futuros episódios.

Kingdom mantém os fãs no escuro e, quando o quarto episódio chega, o pai da rainha Cho, Hak-Ju, o principal vilão da série, é surpreendentemente envenenado por sua filha. É um momento impressionante, porque quando ele descobre que ela está tentando ter um falso filho, alguém poderia pensar que ele apoiaria, mas ele acaba sendo um vilão de honra que quer puro sangue real.

E o fato de ele morrer sem Chang conseguir matá-lo diz muito. Chang até teve que cortar a cabeça de seu pai zumbificado para que o público possa ver claramente que Kingdom quer criar agitação natural e angústia tanto em vilões quanto em heróis, tornando-os todos compreensíveis.

E quando a esposa de Moo-Young morre e a rainha Cho se zumbifica, apenas para morrer enfrentando o exército de Chang, pode-se dizer o quanto era importante para Kingdom gastar tempo construindo personagens nos seis episódios da primeira temporada para que eles perecessem. Esta série entende o desenvolvimento dos personagens e realmente não perde tempo em conexões chatas, especialmente para aqueles que não desempenharão um papel na guerra da terceira temporada.

Com isso, todos os personagens principais parecem essenciais para o futuro, tornando seus destinos imprevisíveis. É aqui que The Walking Dead falha, pois vários rostos não parecem valorizados; portanto, quando eles morrem, os fãs simplesmente não se importam.

Bem, não mais, de qualquer maneira. E, mantendo esses personagens por perto nas próximas temporadas, estejam eles vivos ou mortos, as pessoas simplesmente não têm mais tanta atração por eles.

As duas temporadas de Kingdom estão disponíveis na Netflix.