Lady Gaga está no topo do mundo desde o lançamento de “Just Dance” em 2008, mas nada nunca foi fácil para a famosa. A cantora, nascida Stefani Joanne Germanotta, se parece muito mais com uma artista torturada do que com uma rainha do pop.

Por trás dos trajes malucos e da voz estrondosa, Gaga sofreu muito.

Lady Gaga teve que superar seu passado antes de ter sucesso e mudar o mundo da música para sempre, e ela assumiu a missão de conscientizar todos sobre os problemas que ela teve que superar. Aqui estão alguns dos detalhes mais trágicos da vida da cantora e atriz.


Foi vítima de agressão sexual e escondeu por anos

Lady Gaga revelou a Howard Stern em 2014 (via Billboard) que ela foi agredida sexualmente por um produtor musical quando era adolescente. Um ano depois, ela expôs o trauma que sofreu, dizendo à imprensa (via Us Weekly): “Eu não contei a ninguém por sete anos. Acho que não sabia como pensar sobre isso. Eu não sei aceitar. Não sabia como me culpar, ou achava que era minha culpa. Foi algo que realmente mudou minha vida. Isso mudou quem eu era completamente.”

Gaga canalizou a experiência trágica em “Til It Happens To You”, uma canção que ela co-escreveu com Dianne Warren sobre sobreviver a um ataque sexual. Ela explicou ao Los Angeles Times que a aclamação da música foi agridoce para ela.

“Toda vez que ouço, eu choro”, disse ela. “Toda vez que recebo um texto sobre isso, sempre me sinto doente. É como uma coisa que eu não quero enfrentar.”

Sofreu com estresse pós-traumático e pensamentos suicidas

Lady Gaga sofreu de doença mental como resultado do ataque sexual traumático. Ela revelou sua luta pela primeira vez com o transtorno de estresse pós-traumático no programa Today, em 2016, mas se abriu ainda mais em 2018 em um discurso no Prêmio Patrocinador dos Artistas da Fundação SAG-AFTRA.

“Comecei a perceber que ficava olhando para o espaço e apagaria por segundos ou minutos. Eu via flashes de coisas pelas quais era atormentada, experiências que foram arquivadas em meu cérebro por muitos anos como uma maneira de me proteger, como a ciência nos ensinou”, disse Gaga em seu discurso (via Variety).

“Também tinha sintomas de desassociação e estresse pós-traumático, mas não tinha uma equipe para apoiar minha saúde mental. Mais tarde, isso se transformou em uma dor física crônica, fibromialgia, ataques de pânico, respostas agudas a traumas e espirais mentais debilitantes que incluíram ideação suicida e comportamento masoquista.”

As lutas de Gaga com a saúde mental a levaram a lançar sua Born This Way Foundation, e ela também falou sobre a consciência da saúde mental no Grammy de 2019.

Sua colaboração com R. Kelly tem raízes trágicas

Lady Gaga colaborou com R. Kelly em 2013 para “Do What U Want (With My Body)”, e o perturbador videoclipe da faixa – dirigido por Terry Richardson, acusado de má conduta sexual – foi descartado antes de seu lançamento. Kelly foi acusado por anos de má conduta sexual e agressão sexual e agora está enfrentando acusações judiciais.

Após a exibição do documentário Surviving R. Kelly, no início de 2019, muitos pediram que Gaga falasse sobre ter trabalhado com o suposto predador sexual enquanto defendia os sobreviventes de assédio e estupro.

Ela finalmente quebrou o silêncio no Twitter, escrevendo, em parte: “Eu defendo essas mulheres totalmente, acredito nelas, sei que estão sofrendo, e sinto fortemente que suas vozes devem ser ouvidas e levadas a sério. As alegações contra R. Kelly são absolutamente horríveis e indefensáveis.”

Ela continuou: “Como vítima de agressão sexual, eu fiz a música e o vídeo em um momento sombrio da minha vida. Minha intenção era criar algo extremamente desafiador e provocador, porque eu estava com raiva e ainda não havia processado o trauma que tinha ocorrido em minha própria vida… acho que está claro o quão explicitamente distorcido meu pensamento era na época.”

Ela pediu desculpas ao mundo e removeu a música dos serviços de streaming.

Há uma chance de desenvolver lúpus

Lady Gaga revelou em junho de 2010 que ela tinha um histórico familiar de lúpus e que os testes a revelaram como “limítrofe positiva” para a doença, apesar do fato de que ela não apresentava nenhum sintoma ativo na época. Gaga explicou (via CNN): “O lúpus está na minha família e é genético. E é tão engraçado porque minha mãe me disse outro dia que meus fãs estavam bastante preocupados comigo porque falaram sobre o fato de eu ter sido testada para lúpus… Então, a partir de agora, eu não o tenho. Mas tenho que me cuidar bem.”

Os sintomas do lúpus, uma doença autoimune, podem incluir fadiga, febre, dor nas articulações, inchaço, erupções cutâneas, perda de cabelo e inflamação, mas a doença pode permanecer adormecida por anos sem sintomas. Especialistas disseram à CNN que os resultados dos testes de Gaga são comuns para quem tem um parente com lúpus, mas é possível (e esperado) que ela nunca desenvolva a doença.

Lutou contra as drogas

Como resultado de suas trágicas experiências de vida, Lady Gaga voltou a se automedicar. Em novembro de 2013, Gaga admitiu que era viciada em maconha, dizendo ao The Elvis Duran Z100 Morning Show (via Yahoo!): “Eu fumava até 15, 20 cigarros de maconha por dia sem tabaco. Eu estava vivendo de uma maneira diferente. Estava me entorpecendo totalmente. Tive que parar.”

Ela também disse ao programa de rádio como ela passou “de substância em substância”, experimentando “várias drogas nos últimos sete anos”. Seu abuso de substâncias foi especialmente problemático durante sua turnê Born This Way Ball, durante a qual ela sofreu uma lesão no quadril debilitante que a forçou a abandonar a maior parte das datas.

“Eu estava com muita dor e realmente deprimida o tempo todo e não sabia muito bem o porquê”, confessou Gaga, acrescentando que “tomava muitas drogas e muitas pílulas”.

Ela também admitiu, em uma entrevista de 2011 com Howard Stern (via EW), que sofria de dependência de cocaína. “Fazia tudo sozinha no meu apartamento enquanto escrevia música”, disse ela. “E você sabe o quê? Me arrependo de todas as frases que já escrevi. Não cheguem perto disso.”

Sofre de dor crônica

Um grande destaque do documentário de 2017 Lady Gaga: Five Foot Two foi a luta da cantora com a dor crônica devido à fibromialgia. De acordo com a CNN, complicações decorrentes da condição levaram Gaga a adiar ou cancelar as datas da turnê em 2017 e 2018.

A fibromialgia é uma condição crônica com sintomas que incluem dores nos nervos e músculos, problemas para dormir, dores de cabeça, dores no rosto e na mandíbula, problemas digestivos e fadiga, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, além de problemas mentais, problemas de concentração e problemas de memória. Embora suas causas não sejam conhecidas, a fibromialgia tem sido pouco ligada ao estresse pós-traumático, e costuma co-ocorrer com o lúpus.

Gaga se abriu sobre sua condição para a Vogue em outubro de 2018, explicando: “Fico tão irritada com pessoas que não acreditam que a fibromialgia é real. É realmente um ciclone de ansiedade, depressão, estresse pós-traumático, trauma e transtorno do pânico. Tudo isso faz com que o sistema nervoso fique sobrecarregado e, como resultado, você tem dor nos nervos. Dor crônica não é brincadeira. E todos os dias você acorda sem saber como se sentirá.”

Felizmente, no momento da entrevista na Vogue, Gaga estava se recuperando: “Está melhorando a cada dia, porque agora tenho médicos fantásticos que cuidam de mim e estão me preparando para o show.”

Teve pelo menos dois relacionamentos tóxicos

Pessoas próximas da cantora afirmaram que pelo menos dois dos ex-parceiros de Lady Gaga tentaram controlá-la, e isso não terminou bem. Brendan Jay Sullivan, um amigo da cantora, escreveu em suas memórias Rivington Was Ours: Lady Gaga, Lower East Side e Prime of Our Lives (via New York Post) que Gaga mudou sua aparência para tentar acalmar seu ex-namorado, Luc Carl, tingindo o cabelo de loiro e mudando suas músicas ao seu gosto.

O amigo descreveu Carl como “desatento e controlador”, alegando que Carl “ditava com quem Gaga poderia conversar e onde ela poderia trabalhar”, mas simultaneamente flertava com outras mulheres, às vezes até em sua presença.

Carl não foi o único parceiro tóxico para Lady Gaga. Depois de se separar de seu noivo, Christian Carino, fontes disseram à Us Weekly que Gaga ficou “arrasada” pela separação e que o agente de Hollywood “violou seu processo criativo”.

Uma fonte disse que Carino “não tratou Gaga muito bem” perto do fim do relacionamento em 2019, e que ele a perseguia constantemente por ser inseguro e ciumento – duas características que não contribuem para um relacionamento saudável.