Contágio, filme de 2011 de Steven Soderbergh, ganhou muito destaque desde o momento que o coronavírus (COVID-19) se tornou assunto mundial. O longa até voltou a listar entre os mais assistidos na internet.

O projeto estrelado por Jude Law e Matt Damon tem muitas similaridades com o momento atual. De forma chocante, imagina como o mundo ficaria se uma pandemia mortal acontecesse – com um vírus tendo origem na China.

No entanto, Contágio não toca na parte mais assustadora do processo. O que pode acontecer se tudo der errado? É aqui que Will Smith entra.


Eu Sou a Lenda, de 2007, que traz cenas memoráveis com Will Smith, mostra como é um mundo destruído por uma pandemia. Claro, ignorando que as pessoas foram transformadas em vampiros nessa história.

Eu Sou a Lenda é o melhor filme sobre pandemia

O grande acerto de Eu Sou a Lenda é tentar retratar como o mundo ficaria após uma pandemia. Não se trata apenas de um ângulo, mas tanto do lado social quanto do panorama da Terra.

O cientista de Will Smith vive em uma Nova York destruída e abandonada. Além do visual impressionante, Eu Sou a Lenda mostra como é a solidão nesse mundo.

O personagem do astro ainda encontra animais andando pela cidade. Quando veados ou leões andariam em um centro urbano? Outro ponto são os prédios que começam a dar espaço para vegetação.

Eu Sou a Lenda cria uma imersão única nesse novo mundo. É algo que Contágio não consegue fazer, já que é focado no desespero das pessoas durante a pandemia.

O último ponto é que Eu Sou a Lenda é uma melhor opção para o momento. Com a atuação de Will Smith, todo mundo pode fugir um pouco da realidade durante o isolamento social – já que é um cenário muito improvável.

Já com Contágio, uma certa ansiedade pode ser criada por conta de um cenário que segue em comparação com a realidade.

Eu Sou a Lenda está disponível na Netflix.