Homem de Ferro 3 é um dos filmes mais odiados do Marvel Studios desde que foi lançado, e continua sendo um tópico de discussão entre os fãs – mas a terceira aventura solo de Tony Stark tem seus pontos fortes. O MCU começou em 2008 com Homem de Ferro, dirigido por Jon Favreau e apresentando Robert Downey Jr. como o personagem-título.

O filme foi um sucesso financeiro e com os críticos, e abriu caminho para outros heróis e suas aventuras solo, eventualmente apresentando equipes como os Vingadores e os Guardiões da Galáxia e reunindo todos eles em Vingadores: Ultimato em 2019.

As três primeiras fases do MCU, conhecidas coletivamente como Saga do Infinito, chegaram ao fim com Homem-Aranha: Longe de Casa, e com muitos dos próximos filmes em espera indefinidamente, é um bom momento olhar para as histórias que moldaram o MCU e o tornaram o que é agora. Embora existam filmes que tenham sido elogiados por fãs e críticos, como Capitão América: O Soldado Invernal e Pantera Negra, outros tiveram reações mistas, principalmente Homem de Ferro 3.


Dirigido por Shane Black, o terceiro filme solo de Tony Stark ocorreu após os eventos de Os Vingadores, com o Homem de Ferro encontrando um novo vilão conhecido como Mandarim, enquanto também lidava com as consequências emocionais e psicológicas da Batalha de Nova York. Homem de Ferro 3 foi criticado principalmente por sua reviravolta e é considerado por muitos fãs da Marvel o pior filme do MCU – mas há muito mais do que críticas ruins.

Homem de Ferro 3 é crucial para o arco de Tony Stark

Tony Stark foi apresentado como um bilionário egoísta e gênio que não se importava com o que sua empresa fazia desde que ganhasse dinheiro. Sua maior batalha foi contra seu ego, e não foi até Os Vingadores que ele provou a si mesmo que tinha o que era preciso para ser um verdadeiro herói salvando literalmente Manhattan da destruição total – bastava interceptar um míssil e levá-lo através de um buraco de minhoca em direção à frota de Chitauri.

Quando Homem de Ferro 3 começou, Tony Stark estava lidando com o fato de que ele vivia em um mundo onde deuses, alienígenas, assassinos e mais coexistem e lutam entre si, e não é onde ele pode continuar trabalhando sozinho.

Homem de Ferro 3 mostrou Tony construindo diferentes trajes que o protegiam e lhe permitiam combater todas as ameaças que ele sabia que estavam por aí, mas todo esse trabalho obsessivo estava enraizado no estresse pós-traumático. A principal preocupação de Tony era que um ataque como o da Batalha de Nova York ou muito maior pudesse acontecer, e no final do filme, ele finalmente entendeu que todo esse peso não precisava estar exclusivamente sobre seus ombros, e que seria necessário mais de uma pessoa para proteger o mundo.

Toda essa preparação, tanto em termos de ações quanto psicologicamente, foi o que o preparou para o momento em que Thanos e seu exército chegaram em Vingadores: Guerra Infinita, e então ele já estava ciente de que para derrotá-los, ele tinha que trabalhar com o resto. Embora Vingadores: A Era de Ultron tenha dado muitos passos para trás no arco de Tony, tudo o que ele passou em Homem de Ferro 3 acabou dando frutos em filmes futuros, especialmente Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato.

Mistura de ação e comédia

Não poderia ser um filme do Homem de Ferro sem humor, pois é uma grande parte do personagem, e Homem de Ferro 3 se destaca por isso, e tudo graças à história contada pelo próprio Tony, como pode ser visto na cena pós-créditos. Shane Black não apenas dirigiu o filme, mas também escreveu o roteiro, e é por isso que está cheio de humor negro, subversão e elementos do estilo narrativo de Black, principalmente dois personagens se tornando amigos e trocando diálogos divertidos (como visto com Tony e seu novo amigo e aprendiz, Harley).

Homem de Ferro 3 provou que os filmes da Marvel podiam ter humor negro e ainda uma grande dose de ação. Entre os elementos elogiados pelos críticos e telespectadores estavam as sequências de ação do filme, mais ainda porque Pepper Potts (Gwyneth Paltrow) se juntou à luta, e o filme foi rotulado por alguns críticos como a primeira comédia verdadeira do estúdio.

De certa forma, pode-se dizer que Homem de Ferro 3 preparou o terreno para filmes como Homem-Formiga e Thor: Ragnarok.

A reviravolta faz sentido

O momento mais criticado de Homem de Ferro 3 também é uma das maiores reviravoltas do MCU até hoje. O filme apresentou Mandarim (Ben Kingsley), um perigoso terrorista e líder dos Dez Anéis – uma organização que já foi introduzida em Homem de Ferro.

Na maior parte da história, o Mandarim foi o vilão a ser vencido… mas não era bem assim. Homem de Ferro 3 revelou que o Mandarim era um ator chamado Trevor Slattery, que foi contratado por Adrian Killian (Guy Pearce), que mais tarde afirmou ser o “verdadeiro Mandarim”.

Isso foi muito criticado por mudar as origens e a personalidade geral do Mandarim, transformando-o em uma piada, mas mais tarde foi revelado que o Mandarim real (desta vez de verdade) existe no MCU e não estava feliz com o que Killian e Slattery fizeram para o seu nome e imagem. O Mandarim deve estrear oficialmente em Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis.

Embora seja compreensível o motivo pelo qual a reviravolta do Mandarim foi tão criticada e uma das principais razões pelas quais Homem de Ferro 3 é tão divisivo, ainda é uma das grandes reviravoltas do MCU. Embora Killian não fosse confiável desde o início, a revelação de que o Mandarim não era o real foi definitivamente surpreendente.

Além disso, a performance de Ben Kingsley é um dos destaques do filme, pois ele conseguiu fazer o público pensar que estava interpretando um dos homens mais perigosos do MCU, quando ele era apenas um ator inglês bêbado que não tinha nenhuma ideia de que ele estava sendo usado como disfarce por um criminoso de verdade.

Temas maduros

Talvez um dos aspectos mais subestimados e muitas vezes esquecidos de Homem de Ferro 3 seja como aborda tópicos como ansiedade e estresse pós-traumático. O filme mostrou Tony se defrontando com sua própria vulnerabilidade, em níveis que ele não havia explorado antes – isso não era algo físico que pudesse curar com alguns pontos ou um mau funcionamento do traje, mas algo mais profundo que exigia um tipo diferente de ajuda.

Isso não apenas lembrou ao público que Tony, mesmo com todo o dinheiro e trajes de alta tecnologia, era humano, mas também mostrou um lado dele que com o qual os telespectadores poderiam (finalmente) se relacionar.

Homem de Ferro 3 explorou as consequências da Batalha de Nova York sob uma luz diferente através da ansiedade, pesadelos e ataques de pânico de Tony, mostrando que os super-heróis também são afetados pelas guerras que travam, mesmo que a maioria dos filmes decida ignorar isso. Esses tópicos foram tratados com cuidado e respeito, com mídias especializadas como Psychology Today elogiando o retrato preciso dos sintomas de estresse pós-traumático de Tony.

Tudo isso adicionou muito ao personagem, mesmo que os filmes subsequentes tenham ignorado completamente todas essas novas etapas do desenvolvimento de Tony.

Homem de Ferro 3 fez as coisas de maneira diferente muito cedo no MCU, com sua mistura de comédia, ação e tópicos mais maduros. Por fim, Homem de Ferro 3 foi um capítulo importante no arco de Tony Stark e uma boa continuação de sua história após Os Vingadores, ao contrário de outros filmes solo que vieram depois que parecem completamente desconectados, e sua reviravolta frequentemente criticada abriu caminho para a introdução adequada de um dos vilões mais memoráveis ​​da Marvel em um filme que é muito mais adequado ao personagem.