Contém spoilers!

A metáfora central de O Poço reflete o enigma capitalista no qual o mundo moderno se enredou, mas o final do filme está aberto à interpretação. O que a criança representa exatamente?

Por meio de sua metáfora, o filme argumenta que há dinheiro, comida e recursos mais do que suficientes para circular, mas o consumo excessivo inevitavelmente leva à desigualdade, e os ricos não são inclinados (ou incentivados) a compartilhar.


O filme é perfeitamente paralelo à armadilha que a sociedade lançou sobre si mesma, mas a metáfora é tão apropriada que os produtores lutaram para chegar a uma conclusão – se houvesse uma solução suficientemente elegante para transmitir uma história simples, teríamos descoberto agora, certamente.

A grande reviravolta

O problema é a estrutura do poder, pois os que estão no topo são inacessíveis; um dos momentos mais poderosos do filme da Netflix é quando Baharat se encontra no Nível 6 e, usando sua corda, espera subir ao topo da torre do pesadelo.

Mas esse plano baseia-se na bondade de estranhos e, portanto, é instantaneamente destruído pelas pessoas odiosas que habitam acima – basta um indivíduo intolerante para quebrar a cadeia de cooperação. Assim que Baharat é questionado sobre qual Deus ele adora, fica devastadoramente claro quais são suas intenções.

Não se pode confiar na ajuda de cima, o que significa que o único poder que Goreng possui é tirânico. Ele pode forçar os prisioneiros que moram abaixo dele a cooperar, claro, mas e depois?

As ameaças são apenas outra forma de opressão e só podem levar Goreng até esse ponto.

O plano de Goreng e Baharat de transmitir uma mensagem, através da panna cotta intocada, é comunicar o fato de que a estrutura tirânica não quebrou o espírito humano. Pelo menos não totalmente.

Mas sua descida ao fundo é marcada por extrema violência; paradoxalmente, a dupla não pode proteger a panna cotta sem lutar violentamente contra os prisioneiros que se recusam a cooperar.

Até certo ponto, os dois adotam a atitude de “cachorro comer cachorro” que atravessa a prisão, ficando manchados por sua missão sagrada. Pelo bem da sobrevivência, eles já se envolveram em assassinatos e canibalismo – é por isso que a pureza representada pela criança é tão importante.

Não está claro como e por que a criança está lá embaixo – não deveria haver ninguém com menos de 16 anos nas instalações. Não oficialmente, de qualquer maneira.

Mas o fato de ela estar viva e ilesa certamente significa que sua mãe, Miharu, a protegeu com sucesso.

Isso não está totalmente explicado no filme, mas parece que a repetida descida da mãe na plataforma não foi uma tentativa de encontrar sua filha, mas de trazer comida para o piso inferior e garantir que ela permanecesse lá, sozinha e ilesa.

O amor de uma mãe e sua dedicação garantiam a sobrevivência de sua filha. De fato, a menininha parece saudável, até pouco traumatizada.

Ela representa o espírito humano, ininterrupto, apesar da influência avassaladora e desumanizante do sistema.

No final, no entanto, Goreng não pode subir com ela, pois foi corrompido pelo tempo que passou nas instalações, mas não está claro o que realmente acontecerá quando a garota chegar ao topo. Em um nível literal, é improvável que sua ascensão mude alguma coisa.

Mas metaforicamente falando, a garota é o futuro, e provavelmente a única esperança que a humanidade ainda tem. A menina é um símbolo da resiliência da humanidade através da tirania e uma indicação de que a mudança só pode vir da juventude.

Adultos, como Goreng, vivem no sistema há muito tempo e foram moldados por suas injustiças; eles podem lutar por um futuro melhor, mas foram irremediavelmente corrompidos no processo.

Os que estão no topo não estão dispostos a desistir de seus excessos por vontade própria, e os moradores de baixo estão muito ocupados sobrevivendo para considerar o bem maior – proteger as crianças do pior que o mundo tem a oferecer pode ser o único caminho a seguir.

O Poço já está disponível na Netflix.