The Walking Dead tem MUITO a aprender com ESTA série da Netflix

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se lembra de quando o Reino foi introduzido pela primeira vez na sétima temporada de The Walking Dead? É bastante apropriado dizer que a comunidade de Ezequiel caiu no esquecimento, porque uma série chamada Kingdom está ameaçando conquistar a coroa e tornar obsoleta a maior série da AMC (e da Fox, no Brasil).

Apesar de um declínio frequentemente discutido na audiência, The Walking Dead continua avançando como um zumbi particularmente lento. Com toda a honestidade, porém, as pessoas fora da base de fãs do programa já tiveram o bastante, repreendendo a falta de ritmo e originalidade após dez temporadas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Isso não quer dizer que The Walking Dead esteja morta. De vez em quando, uma nova reviravolta aparece e nos lembra o potencial da série, remontando aos dias de glória em que o apocalipse ainda estava fresco e os zumbis eram menos mofados.

Ainda assim, em comparação com o que veio antes, The Walking Dead não é mais a série que era antes, e a nova temporada de Kingdom da Netflix tornou isso mais claro do que nunca.

Sem fórmula

Assim como The Walking Dead, Kingdom também é baseada em uma popular série de quadrinhos, mas o sucesso sul-coreano se desvia da fórmula da AMC além de meras diferenças culturais.

Ambientada na Coréia do século XVII, Kingdom gira em torno de uma planta misteriosa que pode trazer as pessoas de volta dos mortos. O piloto de Kim Eun-hee rapidamente estabelece que o rei foi transformado em zumbi por esses meios, e os 12 episódios seguintes lançados até agora exploram o impacto disso em termos políticos e físicos.

Assim como o palácio é logo corrompido por forças sinistras, o mesmo ocorre com a própria Coréia, quando a praga se espalha pela Terra, infectando e matando todos com quem entra em contato.

Em face disso, esse componente político poderia desacelerar as coisas em um grau doloroso, mas Kingdom evita isso, reduzindo cada temporada a meros seis episódios cada. Alguns episódios duram apenas 45 minutos, e a história intercala regularmente intrigas políticas com encontros com zumbis mais diretos e horríveis para equilibrar as coisas.

The Walking Dead não é tão concisa desde a primeira temporada, que durou apenas seis horas, e não foi a melhor desde então.

Em vez de percorrer cidades intercambiáveis com Rick Grimes e seu grupo de sobreviventes, Kingdom corta entre vários grupos que possuem uma perspectiva única sobre o que está acontecendo com seu país, destacando questões de classe e privilégios com muito mais eficiência do que as poderosas influências de Negan ou do Governador

Certamente, o período em que Kingdom acontece mantém automaticamente as coisas mais inovadoras do que outra jornada pós-apocalíptica no coração da América, mas essa era histórica também se presta a encontros mais criativos com os zumbis.

Sem artilharia ou veículos modernos, os cidadãos e milícias de Joseon são forçados a confiar em carroças puxadas a cavalo e palácios mal fortificados para escapar da morte. Isso não apenas dá uma nova abordagem no tipo de emoção que os fãs de horror estão acostumados a ver, mas também é uma maneira simples e extremamente eficaz de aumentar ainda mais a tensão.

Obviamente, não estamos sugerindo que The Walking Dead comece a canalizar sequências históricas de ação da mesma maneira, mas ainda há uma lição a ser aprendida aqui quando se trata de ritmo e criatividade.

Apenas quando parece que o impulso narrativo de Kingdom pode estar paralisando, as duas temporadas retomam o ritmo novamente com cenas imensamente inventivas e caóticas no meio do caminho. Cada um dos episódios se parece com um mini-filme dentro do programa, com o tipo de engenhosidade técnica e talento criativo muito raramente vistos no horror da TV.

É difícil esquecer esses momentos, mesmo que você queira, e eles não são apenas incluídos para o valor do choque. Cada um é parte integrante da narrativa, mergulhando ainda mais profundamente nas lutas de classes que surgem nesse tipo de sistema monárquico.

Tramas inovadoras

Para ser justo, The Walking Dead ocasionalmente inclui pontos de discussão como esse também. Quem pode esquecer aquela cena espetacular entre Negan e Glenn?

De fato, essa é uma grande razão pela qual o programa se tornou tão popular em primeiro lugar. Mas esses momentos são poucos e distantes entre as temporadas, que tendem a insistir em questões repetitivas ou mais tediosas.

Afinal, quantas vezes podemos assistir os sobreviventes enfrentando outras comunidades sem esperança à vista? As temporadas recentes tentaram romper com esse ciclo até certo ponto, mas já faz um tempo desde que The Walking Dead realmente ofereceu aos fãs de zumbis algo novo.

Não é de admirar que os números de audiência não sejam o que eram antes. No entanto, vale a pena notar que The Walking Dead ainda está forte considerando o tempo que está no ar.

Se Kingdom continuar por dez temporadas, problemas semelhantes poderão acontecer em breve, também. Mas a série de Eun-hee atualmente não mostra sinais de desaceleração.

Certamente, os humanos também são o verdadeiro monstro aqui, assim como em todas as histórias de zumbis já escritas, mas Kingdom equilibra isso com muito mais eficácia do que a maioria. A família real é responsável pelo surto e, sim, suas manipulações causam tristeza incalculável, mas Kingdom funciona tão bem porque ainda se lembra de como os zumbis também devem ser assustadores.

Ao combinar essas lutas de poder sociopolíticas com horror implacável, Kingdom arrebatou a coroa de The Walking Dead, e será preciso mudanças de uma proporção apocalíptica para restaurar sua glória no futuro.

As duas temporadas de Kingdom estão disponíveis na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio