9ª temporada de The Walking Dead chega à Netflix; veja por que foi tão chocante

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Contém spoilers!

A nona temporada de The Walking Dead, que chegará à Netflix nesta quarta-feira (15), foi uma melhoria acentuada em relação às temporadas anteriores do programa de zumbis, revigorando uma série que até agora vinha apresentando queda qualidade a cada ano que passava. As classificações de audiência de The Walking Dead podem nunca mais atingir as alturas de suas temporadas anteriores, mas a nona temporada foi certamente um movimento na direção certa para a série de longa duração.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na temporada, o elenco de The Walking Dead mudou bastante com a perda de personagens importantes como Rick Grimes (Andrew Lincoln) e Maggie Rhee (Lauren Cohen), mas em seu lugar outros personagens se destacaram e se juntaram a novos grupos de sobreviventes. A nona temporada avançou mais do que em qualquer temporada anterior e até empregou flashbacks pela primeira vez, revelando lentamente eventos que ocorreram nesse período e mesmo durante o surto.

A maior mudança na nona temporada de The Walking Dead, no entanto, foi a introdução de um novo tipo de vilões, os Sussurradores, que desafiam os sobreviventes de maneiras que nunca ocorreram antes.

Todas essas mudanças e mais transformaram The Walking Dead do sofrimento miserável que se tornou nas últimas temporadas a uma série cativante mais uma vez. Isso não ocorreu sem muitos eventos chocantes, no entanto.

A saída de Rick foi um “final” perfeito

The Walking Dead já perdeu personagens antes, mas perder Rick Grimes era quase inimaginável. The Walking Dead é um seriado de grupo, mas Rick era sem dúvida o personagem principal – como poderia continuar sem ele?

Após as temporadas anteriores gerarem ódio e polêmica com as saídas de personagens principais como Glenn e Carl, The Walking Dead realmente iria trabalhar melhor com a despedida de Rick?

Então a nona temporada apareceu e executou a saída de Rick mais perfeitamente do que se pensava possível. A saída de Andrew Lincoln de The Walking Dead agradou os fãs que queriam Rick fora e aqueles que não podiam imaginar o seriado sem ele, removendo-o da série principal e prometendo continuar sua história em filmes independentes posteriormente.

Foi um movimento genial e que até funcionou surpreendentemente bem na narrativa. Em The Walking Dead, todos os personagens passam a acreditar que Rick está morto, tendo morrido em uma explosão de glória literal quando sacrificou a si mesmo e seu projeto querido (a ponte) para salvar todos de um grupo de zumbis que se aproxima.

Na verdade, ele sobreviveu à explosão da ponte e foi salvo por Jadis/Anne, levado de helicóptero para um local desconhecido que, quando revelado, também explicará o mistério de “A” e “B” que o programa vem indicando há anos.

A “morte” de Rick deu a The Walking Dead todo tipo de potencial para contar histórias, permitindo que os personagens que permanecem na série principal continuem sem ele e, ao mesmo tempo, indicando uma reunião nos próximos anos. A nona temporada foi capaz de deixar Rick de lado por um tempo, e no processo, The Walking Dead está se tornando uma série mais forte para ele voltar.

Daryl e Michonne são bons líderes

Com personagens importantes, como Rick e Maggie, saindo de The Walking Dead, outros personagens precisavam avançar e tomar seus lugares como líderes no grupo. Na nona temporada, esses personagens foram Daryl e Michonne, com Norman Reedus e Danai Gurira assumindo facilmente grande parte da narrativa após o salto de seis anos.

A morte de Rick colocou os dois personagens em posições de liderança que antes não teriam, desafiando-os e forçando-os a lidar com situações que não podiam resolver com uma katana ou besta.

Daryl, especialmente, teve mais a fazer do que em qualquer temporada recente, como se a remoção de Rick finalmente permitisse que o personagem de Norman Reedus saísse de sua sombra. Em nenhum lugar o arco de Daryl foi mais forte na nona temporada de The Walking Dead do que em suas interações com Lydia.

Ele reconhece que ela foi abusada por sua mãe, Alpha, tendo alguma experiência em suportar esse tipo de comportamento. Os dois são espíritos parecidos dessa maneira e, sentindo-se responsável por ela, Daryl se encontrou na improvável posição de ser pai ou mentor.

Agora que Henry se foi, Daryl virou literalmente tudo o que restava para Lydia, abrindo caminho para um arco de personagens que seria aprofundado na décima temporada.

Os saltos no tempo funcionaram

Quando a nona temporada de The Walking Dead começou, já tinham se passado 18 meses desde que a guerra com os Salvadores tinha terminado. Nesse período, ficou evidente como as coisas mudaram à medida que as comunidades continuaram se reconstruindo e olhando para o futuro.

Isso funcionou para distinguir visual e tonalmente a nona temporada das temporadas anteriores, mas também deu à história e aos personagens a chance de redefinirem após a guerra.

Na sequência da saída de Rick da série, a nona temporada de The Walking Dead saltou à frente ainda mais no tempo – seis anos! Saltar tão à frente no tempo é um tipo de reinicialização suave para uma série como The Walking Dead, e isso revigorou o programa.

Houve algum mistério em torno do que aconteceu nesse ínterim, e foi usado efetivamente para explicar por que certos personagens estavam agindo do jeito que estavam. O salto no tempo também permitiu que personagens jovens crescessem, como Henry e Judith, tornando-os uma nova adição interessante ao elenco principal.

Houve até um salto entre o penúltimo episódio da nona temporada, “The Calm Before”, e o final “Storm”, com a tempestade de neve sugerindo que pelo menos um mês se passou desde os trágicos eventos da feira.

The Walking Dead não tem mais medo de brincar com o tempo, pulando à frente e voltando, conforme a história que eles estão contando. Foi uma escolha ousada para uma série que havia passado duas temporadas cobrindo apenas alguns meses.

Os Sussurradores são os melhores vilões de The Walking Dead em anos

A nona temporada de The Walking Dead introduziu um novo tipo de vilões: os Sussurradores, que são facilmente os melhores vilões que o programa apresentou em anos. Os Sussurradores e sua visão de mundo bizarra são diferentes de tudo que os sobreviventes já enfrentaram antes.

Não são apenas mais pessoas armadas, mas um grupo que acredita que o mundo anterior acabou e que os seres humanos devem se adaptar ou morrer.

Para os Sussurradores, essa adaptação significa disfarçar-se das peles dos mortos e viver entre os zumbis. Eles são liderados por uma mulher cruel e maliciosa, Alpha, e seu dedicado segundo em comando, Beta.

Juntos, eles instilam lealdade em seus seguidores através do medo, fazendo-os acreditar que não há melhor maneira de sobreviver neste novo mundo. E enquanto The Walking Dead certamente já teve líderes cruéis antes, nenhum se mostrou tão bom em manipular pessoas com uma devoção de culto como Alpha.

A maior arma dos Sussurradores é a proximidade com os zumbis, usando-os tanto como proteção quanto como ataque. Isso dificultou o combate aos Sussurradores e Alpha fez várias vítimas.

The Walking Dead finalmente se tornou otimista novamente

A nona temporada de The Walking Dead trouxe de volta um senso de otimismo sobre o futuro, dando a seus personagens uma razão para continuar vivendo que era mais do que apenas sobreviver na próxima luta. Em seu primeiro episódio, a nona temporada fez com que os sobreviventes viajassem para Washington D.C. não em busca de armas, mas de ferramentas e sementes agrícolas – exatamente as coisas necessárias para o crescimento de suas comunidades.

Os próximos episódios focaram na construção de uma ponte, o que foi uma metáfora pesada, com certeza, mas foi o indicativo da nona temporada de The Walking Dead sendo uma versão mais otimista e esperançosa do programa.

Após o desaparecimento de Rick e outro salto no tempo, os sobreviventes ficaram um pouco piores, mais isolados e com medo, mas a nona temporada de The Walking Dead não se afundou em miséria. Em vez disso, mais momentos aconteceram para lembrar aos personagens que há mais na vida do que apenas permanecer vivo.

Jerry e Nabila se casaram e formaram uma família, e Jerry ficou além de bobo ao compartilhar as boas novas com seu rei. Henry experimentou como é ser um adolescente quando fugiu e ficou bêbado.

Luke ficou desesperado para salvar instrumentos musicais, querendo preservar o que pode da cultura pré-apocalipse da humanidade. A feira foi uma tentativa de trazer um pouco de alegria de volta à vida das pessoas, com a busca de Ezequiel para exibir um filme exemplificando essa ideia melhor do que qualquer outra coisa.

A nona temporada de The Walking Dead trouxe um otimismo renovado sobre o futuro – mesmo diante de novas ameaças que testaram os sobreviventes como nada antes. Ao fazer isso, a nona temporada não apenas tornou a vida digna de ser vivida por seus personagens, mas também fez de The Walking Dead uma série que vale a pena assistir novamente.

A nona temporada de The Walking Dead chegará à Netflix nesta quarta-feira (15).

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio