Ninguém gosta de Dragon Ball Evolution, mas é um tópico especialmente dolorido entre os fãs de Dragon Ball Z. O filme tem muito pouca semelhança com a série original de Dragon Ball.

Os fãs que esperavam ver seus favoritos, como Goku e Piccolo, trazidos para a tela grande ficaram incrivelmente desapontados com o resultado final.

No entanto, pode ter havido melhores filmes em live-action de Dragon Ball à espreita, fora de vista o tempo todo. Claro, os filmes não são necessariamente “bons”, mas podem ser “tão ruins que são bons”.


Dois filmes piratas de live-action de Dragon Ball, um da China e outro da Coréia, lançados no início dos anos 90 podem ser o mais próximo de uma adaptação dos primeiros dias de Dragon Ball que os fãs vão ter.

Dragon Ball: A Magia Começa

O mais famoso dos dois é Dragon Ball: A Magia Começa, lançado na China em 1991. Este filme não é uma adaptação direta (ou oficial) de Dragon Ball.

Combina o programa com a inspiração de seu material de origem, A Jornada para o Oeste, enquanto também adapta o enredo do primeiro filme de animação de Dragon Ball, A Maldição dos Rubis de Sangue, que por si só é uma recriação do primeiro arco de Dragon Ball, substituindo o adversário amado Imperador Pilaf com o rei Gourmeth, um humano ganancioso transformado em um monstro titânico.

Em A Magia Começa, encontramos o ganancioso rei Horn, que está procurando as sete Pérolas do Dragão (sim, você leu isso corretamente) para obter o poder supremo. Ele tem duas e está atrás das cinco restantes, que estão na posse de vários heróis.

Um deles é um herói chamado Sparkle. Quando o rei Horn o sequestra, o neto de Sparkle, Monkey Boy, sai para encontrar todos os demais donos das Pérolas do Dragão, incluindo Seetoe, Piggy, La Ping e Turtle Man.

Juntos, eles pretendem impedir o rei Horn de fazer o que ele quiser fazer com as pérolas.

Obviamente, Dragon Ball: A Magia Começa renomeia todos os personagens de Dragon Ball. Sparkle é o vovô Gohan, Monkey Boy é Goku, La Ping é Yamcha, Seetoe é Bulma, Piggy é Oolong e Turtle Man é o mestre Roshi.

Há também Jen-Jen, uma personagem que é uma combinação da futura esposa de Goku, Chi-Chi, e Pansy de A Maldição dos Rubis de Sangue. A razão pela qual todos os nomes foram alterados foi, é claro, razões legais.

Dragon Ball: A Magia Começa nunca adquiriu os direitos oficiais de Dragon Ball e de seus personagens; portanto, para evitar as leis internacionais de direitos autorais, eles mudaram os nomes.

Além disso, o filme inteiro é muito estranho. Seetoe (Bulma) usa uma roupa diferente em cada cena, algumas das quais são incrivelmente bizarras.

A piada em execução pode ser uma referência a como a Bulma costuma usar roupas diferentes ao longo da série. Ainda mais estranhos são esses dois detalhes: Bulma, na verdade, mata pessoas – o que ela nunca faz no original – e, ainda mais notavelmente, essa é a única propriedade em toda a biblioteca de Dragon Ball em que o vovô Gohan vive.

Dragon Ball: Ssawora Son Goku, Igyeora Son Goku

Por mais estranho que seja Dragon Ball: A Magia Começa, não é nem o primeiro filme de Dragon Ball em live-action. Essa honra vai para Dragon Ball: Ssawora Son Goku, Igyeora Son Goku, um filme coreano não oficial lançado no ano anterior a A Magia Começa.

Enquanto A Magia Começa é uma adaptação livre de um filme de Dragon Ball, esta é uma adaptação muito mais fiel do primeiro arco, com algumas alterações surpreendentes.

Se você já viu a Saga Pilaf, está familiarizado com o enredo aqui. Goku luta contra Pilaf com Bulma, Yamcha e Oolong ao lado de Mestre Roshi.

Eles vão lutar contra Pilaf, mais tarde encontrando Chi-Chi, que acaba trabalhando ao lado deles. Mas Pilaf não está sozinho.

Ele tem seus leais capangas Mai e Nappa ao seu lado para ajudá-lo. Sim. Nappa. Com cabelo, estranhamente.

Este filme é uma adaptação muito mais fiel da propriedade Dragon Ball, mas muito poucas pessoas sabem de sua existência, enquanto A Magia Acontece é bastante conhecido. As razões para isso são bem simples: não dá para assistir Dragon Ball: Ssawora Son Goku, Igyeora Son Goku de forma legal, pois nunca foi distribuído ao redor do mundo.

Enquanto A Magia Acontece teve um lançamento direto no DVD, este filme nunca foi lançado fora da Coréia devido às leis de direitos autorais muito mais rigorosas. Ao contrário de A Magia Acontece, Dragon Ball: Ssawora Son Goku, Igyeora Son Goku não muda nenhum nome de seus personagens.

Devido à sua proximidade com o material de origem, realmente não pôde ser liberado graças à posse estrita da licença da Toei Animation. Eles ainda brincam com uma cena do anime de Dragon Ball no filme!

Por que ambos são melhores que Dragon Ball Evolution?

O que é imediatamente aparente ao assistir os dois filmes é que nenhum deles é exatamente de alto orçamento. Embora muitas artes marciais sejam da mesma qualidade que os programas de tokusatsu e filmes de kung-fu de baixo orçamento dos anos 80 e início dos anos 90, os efeitos especiais e os figurinos são absolutamente hilariantes.

Em Dragon Ball: Ssawora Son Goku, Igyeora Son Goku, Puar aparece como um bicho de pelúcia literal e a armadura Saiyajin de Nappa é claramente uma fantasia de Halloween. O retrato mais preciso dos personagens em cada um é o Mestre Roshi.

No entanto, cada filme captura o espírito do início de Dragon Ball: comédia pastelão com ação que nunca se leva muito a sério. Em contraste, Dragon Ball Evolution parece tão envergonhado de ser um filme de Dragon Ball que se afasta muito da história, até o ponto em que a motivação de Goku vai de encontrar oponentes fortes para lutar e comer morangos com Chi-Chi.

Dragon Ball Evolution é mais caro e empregou melhor tecnologia e técnica cinematográfica ao elaborar sua história, mas o caso todo parece sem alma. Por outro lado, os filmes piratas estão transbordando de energia.

É claro que esses produtos são uma homenagem a algo que os cineastas consideravam muito respeitável, até suas tentativas criativas – embora sem brilho – de adaptação. Nenhum filme é bom, mas nunca é chato.

São filmes que capturam o espírito do início de Dragon Ball. Ao contrário de Dragon Ball Evolution, não dá para esquecer esses filmes.