Publicidade

La Casa de Papel 4: Nairóbi merecia desfecho melhor

Publicado por Victor Carvalho

09/04/2020 20:00

Contém spoilers!

La Casa de Papel, temos um problema. Por quatro temporadas, a série encantou os fãs com seus planos ousados ​​e fugas impressionantes.

O programa pegou um grupo de criminosos desajustados e transformou em uma família muito unida. E então, na quarta temporada, a série arrancou todos os corações dos fãs, colocando uma bala na cabeça de Nairóbi (Alba Flores).

Todo criminoso em La Casa de Papel consegue um equilíbrio entre ser legal e dolorosamente humano. Mas Nairóbi era a melhor dessas duas qualidades.

Assisti-la invadindo o Banco da Espanha e orquestrando o derretimento de toneladas de ouro com a mesma energia que uma mãe apaixonada foi ótimo. Nairóbi não era apenas parte da equipe do Professor (Álvaro Morte) porque ela queria dinheiro.

Ela amava o crime. E ela sabia que era genuinamente ótima nisso.

Quando Tóquio (Úrsula Corberó) precisou de um tapa na cara para acordá-la de seu estupor egoísta e impulsivo, Nairóbi estava lá. Quando Helsinque (Darko Perić) estava de luto pela morte de seu primo, Nairobi estava lá com possivelmente o romance mais fofo de toda a série.

E quando o próprio mentor – o Professor – ficou cheio de dúvidas, Nairóbi estava lá com uma rápida conversa animada. Berlim (Pedro Alonso), Palermo (Rodrigo de la Serna) e até Tóquio passaram a ser o número 2 desta operação.

Mas emocionalmente, a posição sempre pertenceu a Nairóbi.

E por que não? Mais do que talvez qualquer outra pessoa, Nairóbi entendeu a questão emocional única de uma vida de crime.

Era uma mulher que já usou seu próprio filho e seu ursinho de pelúcia como mula das drogas. Sob seu exterior frio, Nairóbi sabia que os crimes que estavam cometendo eram estressantes, assustadores e moralmente dolorosos.

Ela sabia que todos estavam fazendo coisas das quais se arrependeriam pelo resto de suas vidas. Mas ela também sabia que todas essas decisões vinham do desespero.

Eles roubaram por causa da necessidade. Eles precisavam do dinheiro, ou para salvar um membro de sua família improvisada, ou para provar algo ao governo em geral.

Então, por que não tornar isso divertido?

Grande personagem

Nairóbi sentia mais pena de seu passado, mas também tinha os maiores planos para o futuro. Em seu episódio final, foi revelado que Nairóbi ia ter um filho com o Professor por inseminação artificial.

Depois de quase morrer no final da terceira temporada, ela teria outra chance de ser mãe. Ela ia transformar a estranha família criminosa deles em uma verdadeira.

E então Gandía (José Manuel Poga) atirou nela. Ele prometeu que não faria.

Depois da experiência de quase morte e da cirurgia apressada que a salvou, parecia inevitável que ela iria viver. E então ela foi assassinada a sangue frio.

La Casa de Papel teve sua parcela de mortes complicadas ao longo dos anos – o polêmico Berlim, a leal Moscou (Paco Tous), o firme Oslo (Roberto Garcia Ruiz). Mas todas essas outras mortes foram apresentadas como o custo de uma missão bem-sucedida.

Eles corajosamente deram suas vidas por um assalto em que acreditavam. E embora Nairóbi fosse tão corajosa e selvagem quanto o resto durante seus momentos finais, sua morte foi diferente.

Foi um ato de guerra evitável do governo espanhol. La Casa de Papel não será a mesma sem a mãe arrogante.

Mas você pode com certeza apostar que esse programa vai vingá-la.

La Casa de Papel 4 já está disponível na Netflix.

Publicidade