Sergio: veja as mudanças que a Netflix fez na história

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma década depois de dirigir o documentário da HBO Sergio, sobre a vida e a morte do diplomata das Nações Unidas Sergio Vieira de Mello, Greg Barker voltou para dirigir um filme dramatizado de mesmo nome que agora foi lançado na Netflix. Sergio traz Wagner Moura como Vieira de Mello e Ana de Armas como sua parceira, Carolina Larriera.

Tanto o documentário quanto o filme são baseados na biografia de Samantha Power, “O homem que queria salvar o mundo: uma biografia de Sergio Vieira de Mello”, mas existem algumas diferenças notáveis ​​entre os dois.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nascido no Rio de Janeiro, Brasil, Vieira de Mello passou a infância e os anos de formação morando em diferentes países do mundo, devido ao fato de o pai também ser diplomata e viajar com a família para trabalhar. Sergio – tanto o documentário quanto o filme – concentra-se em três operações particulares na carreira de Vieira de Mello na ONU: seu trabalho no Camboja entre 1992 e 1993, o tempo que passou administrando a transição de Timor-Leste para um estado independente entre 1999 e 2002 e, finalmente, sua representação da ONU no Iraque durante a guerra.

Foi nessa missão final, em 19 de agosto de 2003, que Vieira de Mello foi morto quando um caminhão-bomba suicida explodiu ao lado do Canal Hotel, sede da ONU em Bagdá. Vieira de Mello passou horas preso sob os escombros com seu colega Gil Loescher, que sobreviveu, mas teve que sofrer uma amputação de emergência de ambas as pernas para libertá-lo do prédio.

Sergio (2009) e Sergio (2020) representam um exemplo raro e interessante de dois filmes do mesmo diretor sobre o mesmo tópico, mas em formatos diferentes. Aqui estão as maiores diferenças entre o documentário e o filme da Netflix.

O filme tem um foco maior no romance

Como uma dramatização da história de Vieira de Mello, Sergio coloca um foco maior em seu relacionamento com Carolina Larriera, tornando-o o ponto de ancoragem emocional para o filme. Larriera também aparece extensivamente em entrevistas no documentário Sergio, mas sua presença é mais equilibrada com os pontos de vista de outras pessoas que conheciam Vieira de Mello.

Sergio também apresenta uma cena de amor entre os dois durante o tempo em Timor-Leste, e inclui um detalhe da biografia que não apareceu no documentário: o grande gesto romântico de Vieira de Mello de encher sua casa em Dili com velas e corações de papel para surpreender Larriera.

Gil Loescher não estava em Timor-Leste com Sergio

Uma grande mudança reconhecida no final de Sergio, antes dos créditos, é que Gil Loescher não trabalhou com Vieira de Mello no Camboja ou em Timor-Leste, como retratado no filme. Em vez disso, a versão cinematográfica de Gil Loescher (interpretada por Brían F. O’Byrne) pretende representar uma amálgama dos colegas da ONU de Vieira de Mello e suas reações às suas táticas controversas de manutenção da paz, como encontrar-se com líderes do Khmer Vermelho.

Essa abordagem realmente permite que o filme dê quase tanto peso à presença de Loescher quanto o documentário. O filme de 2009 apresenta uma extensa entrevista com Loescher, na qual ele detalha o que se lembra do tempo que passou sob os escombros com Vieira de Mello e explica como era a situação em Bagdá na época.

Sergio oferece uma visão semelhante de Loescher, pedindo-lhe, por exemplo, que implore aos soldados do Khmer Vermelho para não matá-lo porque ele é pai de duas filhas. No documentário, Loescher diz que sua família estava na vanguarda de sua mente após o atentado e que sua necessidade de retornar a seus familiares foi o que o ajudou a sobreviver à provação.

Alguns detalhes do resgate foram deixados de fora do filme

Embora grande parte do diálogo nas cenas de resgate seja retirado da biografia de Power, alguns detalhes que estavam no documentário são deixados de fora de Sergio. O documentário da HBO apresenta o sargento Andre Valentine (interpretado por Will Dalton no filme), um dos dois militares norte-americanos que tiraram Loescher e Vieira de Mello dos escombros, com muito mais destaque do que o filme de 2020.

No documentário, Valentine explica que ele incentivou Loescher e Vieira de Mello a se apegarem à fé em Deus para sobreviver, e que ele tentou orar com os dois. Por não ser religioso, Vieira de Mello não respondeu a isso, dizendo a Valentine: “Não quero orar. Se Deus fosse quem você diz que é, ele não teria me deixado aqui… Que Deus se dane!”

Valentine admite que ficou zangado depois que Vieira de Mello morreu, e magoado por não ter mais fé em von Zehle e em si mesmo, ou em Deus. “Pedimos apenas que ele permanecesse vivo, tivesse vontade de sobreviver. E ele não quis.”

A cena em que Loescher é finalmente retirado dos escombros de Sergio também deixa de fora um detalhe particularmente pavoroso. Os dois homens estavam presos em um espaço muito estreito e havia vários cadáveres ao seu redor.

Quando chegou a hora de puxar Loescher para a maca improvisada, um dos corpos estava bloqueando o caminho. O sargento Bill von Zehle (interpretado por Garret Dillahunt no filme) foi forçado a usar as mesmas ferramentas com as quais amputou as pernas de Loescher para cortar um dos corpos ao meio, para que a maca pudesse ser levantada.

Entrevistado no documentário, von Zehle fica visivelmente abalado ao se lembrar da provação. É compreensível que esse detalhe tenha sido deixado de fora de Sergio, a fim de manter o foco mais na vida, aspirações e realizações de Vieira de Mello, e não no horror do atentado.

Declaração de Paul Bremer à imprensa

Sergio apresenta uma série de clipes de notícias recriados que também foram mostrados no documentário, além de Moura filmar uma versão de um vídeo de boas-vindas para novos recrutas da ONU que Vieira de Mello fez. Entre as cenas da cobertura da imprensa estão as palavras do representante americano Paul Bremer (Bradley Whitford) aos repórteres depois de chegar ao local do atentado ao Canal Hotel.

Enquanto os comentários de Bremer são mantidos basicamente os mesmos, há uma diferença crucial: em Sergio, ele fala à imprensa antes da morte de Vieira de Mello, enquanto na vida real Bremer já havia sido informado naquele momento que Vieira de Mello estava morto.

“Eu não poderia dizer que Sergio estava morto porque eu não queria fazer com que a família dele descobrisse através de uma declaração na televisão”, explica Bremer no documentário de 2009. “Então eu basicamente menti.”

O documentário, em seguida, corta para o clipe recriado em Sergio, no qual Bremer responde a uma pergunta sobre Vieira de Mello ser pego no ataque. Como ele já sabia da morte de Vieira de Mello, fica claro que as palavras de Bremer foram cuidadosamente escolhidas: “A partir de então, meu querido amigo Sergio está em algum lugar lá atrás.”

No geral, Sergio mantém o suficiente do documentário de 2009 e será familiar para quem já viu Sergio, da HBO, além de adicionar e alterar alguns detalhes para fazer a história funcionar melhor como um drama romântico. Para quem se interessa pela vida e obra de Vieira de Mello, vale a pena assistir a ambos.

Sergio já está disponível na Netflix.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio