The Walking Dead vive drama nos bastidores

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Frank Darabont, de The Walking Dead, não tem nada a ver com o seriado há muito tempo.

O diretor, roteirista e produtor, que trabalhou em Um Sonho de Liberdade e À Espera de um Milagre, entre outros, foi quem deu início à série, que agora está em sua décima temporada.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Darabont desenvolveu e produziu o primeiro capítulo do programa e parte da segunda temporada depois de descobrir a graphic novel em uma loja de quadrinhos na Califórnia.

“Eu entrei em uma loja de quadrinhos em Burbank e vi a primeira edição”, disse ele ao jornalista Alan Sepinwall.

“É claro que peguei, levei para casa e li e imediatamente comecei a buscar os direitos. Pensei que seria um ótimo programa de TV.”

Ele acrescentou: “Adorei o que Kirkman estava fazendo, vi imediatamente o que ele estava fazendo. Adorei a ideia de uma apresentação dramática estendida, contínua e serializada, que se passa no apocalipse zumbi.”

Após quatro ou cinco “anos de frustração”, com a série sendo recusada por vários canais, a AMC manifestou interesse e o resto é história.

Mas, apesar de seu papel na aprovação de The Walking Dead, Darabont foi demitido em 2011.

Segundo o Hollywood Reporter, um sentimento ruim significativo havia aumentado entre o ex-produtor e outros envolvidos com The Walking Dead e o canal.

Darabont ficou zangado com o orçamento da segunda temporada do programa ter sido reduzido em 25%, apesar dos impressionantes números de audiência. Para aliviar o ônus financeiro, ele propôs filmar toda a ação em uma fazenda na Geórgia.

Os executivos do canal responderam pedindo para ver todos os roteiros antes de começarem as filmagens, o que deixou Darabont ainda mais incomodado.

O Hollywood Reporter informou que Vince Gilligan, o cérebro por trás de Breaking Bad e Better Call Saul, da AMC, disse a Darabont que isso era “inédito” no processo de produção.

Darabont enviou vários e-mails zangados expressando seu descontentamento com o que estava acontecendo.

“Que se danem todos vocês por me darem dores no peito por causa de tanta incompetência. É uma falta de respeito com o que realizamos no set todos os dias”, escreveu ele para os executivos em um e-mail.

“Eu não mereço um ataque cardíaco. Parece que algumas pessoas são burras demais para ler um roteiro e entender as palavras. Alguém discorda de mim? Então vá procurar outro emprego que não envolva minha série.”

“Por favor, vamos parar de invocar a sala dos roteiristas”, escreveu ele em outro e-mail para um executivo da AMC.

“Não existe sala de roteiristas, vocês sabem disso. Eu sou a sala de roteiristas. Os idiotas preguiçosos que supostamente seriam meus produtores jogaram essa responsabilidade em mim.”

Processo judicial

Em 2013, o primeiro processo foi aberto por Darabont e seus agentes. Nele, alegaram que a AMC havia desvalorizado propositalmente The Walking Dead, o que lhes permitia justificar pagar uma quantia substancialmente menor para Darbont.

O ex-produtor estava pedindo US$ 280 milhões em lucros.

“Em vez de um referendo para mim, esse processo é sobre a desvalorização radical da AMC de The Walking Dead, a fim de não compartilhar lucros de uma maneira que reflita o valor justo de mercado real do programa”, afirmou Darabont em seu caso.

“Esse processo também é sobre a recusa da AMC em compartilhar o sucesso sem precedentes do programa com as pessoas que realmente criaram esse sucesso para elas, e sobre a ganância corporativa da AMC.”

Segundo processo

Outro processo foi então aberto em 2018, argumentando que outros US$ 10 milhões eram devidos a Darabont.

Grande parte da decisão depende do papel que Darbont desempenhou na segunda temporada de The Walking Dead. O Hollywood Reporter destaca que seu contrato lhe garantia “saliências de compensação contingentes ao atingir certos marcos”.

Mas quando perguntados sobre o envolvimento de Darbont na segunda temporada, esta foi a resposta de dois executivos anônimos da AMC: “É impossível analisar onde o papel de Frank terminou e o de Glenn Mazzara começou.”

O canal não ofereceu detalhes sobre o motivo pelo qual o Darabont foi demitido, mas o orçamento supostamente não era um problema.

Em resposta à ação inicial, os advogados da AMC disseram: “O desempenho irregular e não profissional de Darabont e seus problemas comportamentais e interpessoais durante a segunda temporada levantaram uma série de preocupações para a AMC Studios.”

“Entre outras coisas, o fracasso em entregar os roteiros em tempo hábil, a falha na supervisão adequada da sala dos roteiristas e as interações voláteis e perturbadoras com a equipe afetaram a produção.”

O canal solicitou recentemente que um dos dois processos fosse julgado após alegar que os lucros de Darabont estavam corretos, mas um juiz de Nova York recusou.

O advogado da AMC, Orin Snyder, disse após a decisão: “Acreditamos que os fatos estão claramente do nosso lado e que um júri concordará que os negociadores mais sofisticados e experientes do ramo de entretenimento não devem poder recorrer aos tribunais para renegociar acordos que entraram em vigor anos atrás, simplesmente porque The Walking Dead tornou-se um sucesso maior do que se esperava.”

O resultado será agora determinado por um júri, com o julgamento marcado para 2 de novembro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio