Artista da Semana | Anthony Hopkins, o Dr. Ford de Westworld

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta coluna do Observatório do Cinema, intitulada Artista da Semana, elegeremos o ator ou atriz de TV que mais nos impressionou durante os episódios da semana. Em época de fall season, é fácil se perder entre grandes séries e grandes atuações, mas sempre tem aqueles que merecem um destaque.

É fácil se acostumar com a qualidade e consistência do trabalho de Sir Anthony Hopkins. O lendário ator, vencedor do Oscar (por O Silêncio dos Inocentes) e do Emmy (pela minissérie The Bunker), é um dos grandes de qualquer geração, e sua participação em Westworld nos lembrou do porquê.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na pele do Dr. Robert Ford, criador do parque temático cheio de androides que serve como cenário para a série, Hopkins serviu com humildade como apoio para performances incríveis (Evan Rachel Wood e Jeffrey Wright, principalmente), tanto que sua própria maestria ficou em segundo plano até o episódio final do ano “The Bicameral Mind” (1×10), exibido no último domingo (04).

A partir do momento que o grande plano de Ford e sua duplicidade insuspeita foram revelados, a profundidade do trabalho de Hopkins, sua sutileza escondida por trás dos trejeitos usuais do estilo de atuação, ficaram claras. É uma pena que provavelmente não o veremos na segunda temporada, que chega em 2018, mas que jornada incrível que o ator desenhou ao lado de Jonathan Nolan, Lisa Joy e companhia.

O lado manipulador e maquiavélico de Ford ficou claro durante a temporada, e especialmente no episódio 7, intitulado “Trompe L’Oeil”. O nome do capítulo, inclusive, é a chave do que significar da atuação de Hopkins: um trompe l’oeil é uma pintura que cria a ilusão de três dimensões através de técnicas matemáticas e artísticas.

No papel de Ford, Hopkins nos expôs um lado cruel da personalidade de seu personagem sem nunca abandonar a constituição mais profunda que sabia ter escondida por trás dele. Nada é tão simples quanto parece em Westworld, uma das narrativas mais sofisticadas que vimos na TV nos últimos anos, mas Hopkins nos conduziu para um senso de segurança: instintivamente, sabíamos que o Dr. Ford (e o Homem de Preto, aliás) era o vilão da história.

A grande engenhosidade do final da temporada é nos mostrar que, essencialmente, não sabemos de nada. A natureza humana é imprevisível, as coisas com as quais nos importamos nem sempre são racionais, e nossos atos nem sempre revelam as nossas intenções. Como Ford, Hopkins encarnou isso de forma elegante e excepcional – exatamente como estamos acostumados a vê-lo fazer.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio