Amizade Desfeita (Unfriended) conta a história de seis amigos que estão em uma conferência no Skype no dia do aniversário de um ano do suicídio de uma de suas amigas, quando uma pessoa não identificada entra na conferência e começa a aterrorizar eles.

A história acontece através da tela do computador de Blaire (Shelley Hennig) e são utilizados erros tecnológicos que já aconteceram com todos nós pelo menos uma vez, como sua internet acabar no meio de uma conversa ou você tentar excluir algo da lixeira e não conseguir, aumentando a tensão da trama e criando, provavelmente, os dois maiores acertos do filme.

Devido ao recurso de clichês desnecessários do gênero, como o uso de movimentos bruscos com sons altos para causar sustos em momentos que não era necessário, o filme acaba não atingindo o potencial para ser um dos grandes filmes atuais de terror.


Amizade Desfeita conta ainda com situações cômicas, como músicas com letras que ironizam o que está acontecendo no filme, para quebrar um pouco a tensão do momento anterior, fazendo você dar uma relaxada antes de ser trazido novamente a tensão que envolve os personagens.

Um dos maiores defeitos da história é a falta de desenvolvimento das personalidades de alguns personagens, principalmente Jess (Renee Olstead) e Ken (Jacob Wysocki), o que faz com que no momento de maior tensão do filme nós acabemos não ligando muito para o que possa vir a acontecer com eles. Inclusive, a única personagem que posso dizer que achei devidamente desenvolvida do início ao fim da história foi Blaire, cuja personalidade não para de ser crescer em momento nenhum do filme, desde seu relacionamento com Mitch (Moses Storm) até a sua amizade com a garota que se suicidou um ano atrás.

Amizade Desfeita não falha em nos assustar em alguns momentos, e consegue, em uma época saturada de filmes de terror, de todos os estilos possíveis, ser inovador dentro do gênero. Não fosse pela falta de cuidado em alguns fatos da história, o filme poderia inclusive vir a criar um novo estilo de filmes de terror.