Mia Madre conta a história de Margherita (Margherita Buy), uma diretora de cinema que, em meio a gravação de um filme, entra em uma crise existencial e tem ainda que lidar com a doença de sua mãe Ada (Giulia Lazzarini).

O filme desenvolve seus personagens de maneira natural e estável durante todo o decorrer da história, e esse desenvolvimento acontece não só para os personagens que estão no filme todo em cena, mas também para os que aparecem com a história já mais encaminhada. Assim é o caso de Livia (Beatrice Mancini), filha de Margherita, e Barry Huggins (John Turturro), cujo desenvolvimento começa a acontecer através de diálogos antes mesmo deles aparecerem na história e permanece até o final, nos dando a impressão de que conhecemos eles tão bem quanto os personagens que são apresentados no início.

A comédia dramática é utilizada, principalmente através de Barry, para fazer um contraponto entre a parte trágica da vida, a doença de Ada, e a parte mais divertida, a relação entre Margherita e Barry, que para ela inicialmente parece tão ruim quanto ter que lidar com a doença de sua mãe, mas que no decorrer da história percebe que é na realidade algo bom.


Mia Madre tem ainda mais um fator que é de grande auxilio para o desenvolvimento dos personagens: eles são conectados dentro da história não só por sua ligação com Margherita, mas muitos deles têm também conexões entre si que não necessitam da presença dela para acontecer.

Ada foi professora de latim e Livia teve dificuldades com latim na escola. Barry, por não saber falar italiano, durante boa parte da história tem uma melhor comunicação com o irmão de Margherita, que também fala inglês, do que com ela própria, que o está dirigindo no filme.

Apesar de se tratar de um drama em sua essência, Mia Madre equilibra muito bem a comédia com as situações trágicas que acontecem na vida de Margherita, e consegue comover e fazer rir não só através da história, mas também das atuações, principalmente as de John Turturro e Giulia Lazzarini que dentro do filme representam, respectivamente, o lado cômico e trágico da história.