Crítica | O Clã

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma das mais violentas ditaduras implantadas durante os anos 60 e 70 na América Latina foi a da Argentina. Portanto, histórias de abusos, torturas e horríveis crimes são o que não faltam vindas desse país ao sudoeste do Brasil. Integrantes de muitas famílias foram sequestrados e desapareceram. Muitos desses crimes foram cometidos por integrantes do governo. Mas um exemplo de crime cometido com motivação completamente diferente das demais está sendo contado pelo filme O Clã.

Família Puccio. Ela é formada pelo patriarca Arquimedes (Guillermo Francella, de O Segredo de Seus Olhos), pela mãe Epifania (Lili Popovich) e os filhos, Alejandro (Peter Lanzani), Adriana (Antonia Bongoechea), Guillermo (Franco Masini) e Silvia (Giselle Motta). Ainda tem Maguila (Gastón Cocchiarale) que vive há anos na Nova Zelândia. Alejandro é um conhecido jogador de rúgbi da seleção argentina. Maguila também foi jogador desse mesmo esporte até ir para a Oceania. O mais novos dos irmãos e as irmãs ainda são estudantes. Logo, esta é uma aparente família argentina no inicio da década de 1980.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas por trás da normalidade dessa família de classe média alta, do bairro de San Isidro, Buenos Aires, o patriarca Arquimedes Puccio, contador e, também, funcionário do SIDE (Sistema de Inteligência Nacional, órgão de espionagem argentino), mantinha o padrão de vida de sua família de uma maneira nada ortodoxa: ele sequestrava, geralmente, filhos de famílias ricas com ajuda de seu filho mais velho Alejandro e dois comparsas.

O Clã é baseado em fatos reais. Arquimedes, Alejandro e Maguila foram presos em 1985 e a história da família veio à tona e surpreendeu a toda Argentina. A adaptação desse macabro episódio da Argentina para tela grande foi realizada pelo também diretor do longa, Pablo Trapero (Elefante Branco, 2012) e por Julian Loyola e Esteban Student. Eles construíram um longa que explica perfeitamente as razões pelas quais Arquimedes Puccio realizava os sequestros e todos esses são mostrados. Cada integrante da família é apresentado de forma que os espectadores percebam qual é a relação de cada um com os eventos e qual era a opinião de cada em relação a eles.

Guillermo Francella, um tradicional comediante argentino, interpreta um assustador Arquimedes. Seu personagem é frio e não mede esforços para conseguir o quer e nem para proteger a sua família. Guillermo atua de uma maneira acertada em relação ao tom do seu personagem. Sua interpretação é segura e firme, assim como devem ser os movimentos do seu personagem. Ele deu o tom certo a ele.

Peter Lanzani faz uma ótima interpretação do filho, que mesmo ajudando o pai de forma espontânea, se sente forçado de certa maneira. Esta relação de respeito, mas, ao mesmo tempo, de temor ao pai fica explicitada em cena. Giselle Motta, Antonia Bongoechea e Franco Masini atuam de maneira bastante convincente, principalmente este último por um motivo mostrado no filme. Gastón Cocchiaral já expõe uma outra relação que o seu personagem tem com pai e sua interpretação deixa isto bem claro.

Lili Popovich faz uma esposa que é ao mesmo tempo cúmplice e submissa ao marido. Ela é comedida, como a sua personagem solicita que ela seja.

O Clã tem fotografia de Júlian Apezteguia (Abutre, 2010). Quase que totalmente, em um tom pastel, o filme passa impressão de uma velha fotografia esmaecida por causa do tempo. Esta ideia combinou perfeitamente com o que está sendo contado, porque acaba dando mais força para as cenas de violência. Apezteguia teve ótimas ideias de uso da câmera. A cena na qual a família inteira, de certa forma, é apresentada para o espectador através de um plano sequência – quando a câmera tem seu posicionamento mudado sem interrupções – é um exemplo disso. Assim, como os posicionamentos da câmera nas cenas de carro e nos closes usados nas conversas entre os personagens Arquimedes e Alejandro combinam perfeitamente com o clima das cenas.

A trilha sonora não poderia ser mais bem realizada por Sebastián Escofet. O argentino escolheu músicas da época para os momentos-chave da história que fazem com que o filme ganhe mais adrenalina, mesmo que a cena em questão não tivesse a tensão necessária.

A edição do filme realizada também por Trapero em conjunto com Alejandro Carrillo Penovi é básica. Os dois fazem este trabalho perfeitamente, quase sem destacar esse quesito. Porém, em algumas cenas envolvendo Alejandro, a edição dá um diferencial ao reforçar um sentimento do personagem de Lanzani. Trapero conseguiu fazer com que uma história – que se fosse ficção, poderia ser considerada fantasiosa demais – fosse contada da maneira certa. O que deu uma força ainda maior a ela. Pablo Trapero ganhou o prêmio de Melhor Direção no Festival de Veneza deste ano. O filme também encerrou o Festival do Rio.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio