Crítica | Zoom

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Zoom tem diversas particularidades um filme praticamente brasileiro falado em inglês – o projeto é uma co-produção Brasil-Canadá, modo de produção ainda pouco utilizado no país – que mistura animação e live-action, com protagonistas internacionais, como Gael Garcia Bernal, e nacionais, como Mariana Ximenes e até um final que aposta num clássico de David Bowie. Mas uma lista inteira de curiosidades não é suficiente para garantir o sucesso de um filme.

Partindo de um pressuposto bastante inventivo. Zoom tem como base o conceito da ‘Escadaria de Escher’, na qual o fim de uma narrativa é o começo da outra, e assim por diante. Dessa forma, Zoom constrói uma trama em que três histórias estão intrinsecamente ligadas, representando diversos níveis de ficção.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma modelo que sonha em ser escritora e realiza uma novela sobre uma garota que faz de tudo para conseguir suas próteses nos seios, mas nunca está satisfeita com sua própria imagem, e que por sua vez desenha uma HQ sobre um prepotente cineasta com problemas sexuais, cujo próximo filme é sobre uma modelo tentando ser escritora. Essa trama mirabolante é sem dúvida nenhuma o ponto mais alto de Zoom, embora tenha seus furos de roteiro, como o momento em que o cineasta não consegue filmar mais os momentos da escritora, mas a história da garota da prótese mamária continua, evidenciando certo equívoco narrativo, mas que não compromete a trama, que prende muito bem seu espectador, mas que revela certa prepotência que não chega ao brilhantismo que o projeto julga ter.

E talvez este seja o grande equívoco de Zoom, o filme vem sendo vendido como um projeto super experimental, que só pode ser realizado pelo seu caráter inovador. No entanto o longa de Pedro Moreli não traz nada de realmente novo, uma das tramas utiliza a rotoscopia, um processo de animação que ocorre após a captação de imagem, gerando efeito parecidíssimo com os excelentes trabalhos de Richard Linklater, Waking Life (2001) e O Homem Duplo (2006) e até mesmo o estrutura dramática do longa é um apanhado da carreira do roteirista Charlie Kaufman.

Dessa maneira, pensar que Zoom traz realmente algo de inovador é certa ingenuidade, tanto de seus realizadores e de quem comprar essa ideia, a experimentação de Pedro Morelli parece apenas um rótulo em sua obra, utilizar todos os recursos pouco utilizados em outros filmes para alcançar um público específico nos cinemas. E isso revela certa falta de amadurecimento em Moreli em relação a sua direção ao cair na tentação de utilizar todas as artimanhas possíveis para legitimar seu caráter experimental, como sua câmera invertida em certo momento que não diz nada em relação à narrativa e muito menos provoca algum questionamento. Muitas vezes parece que Moreli não sabe lidar com sua liberdade criativa.

E não é só em sua direção que Moreli demonstra certa imaturidade, mas também na criação e desenvolvimento dos seus temas. Zoom é sobre como os problemas da vida real afetam a criatividade e consequentemente as obras geradas por elas, em Zoom esses problemas são apenas de ordem sexuais, o que de fato está inteiramente ligado ao psicológico humano, até mesmo sua parte criativa. No entanto, a visão de Zoom sobre o assunto é um tanto quanto juvenil, o modo como o sexo é tratado como se o realizador tivesse acabado de sair da puberdade, o fragmento sobre o cineasta chega a ser cômico nesse sentido, na qual o personagem perde toda suas habilidades, inspiração e confiança após uma diminuição do tamanho de seu pênis e não há nenhuma mudança do pensamento do personagem (e do filme) em relação à definição de sua masculinidade e confiança com o tamanho de seu órgão fálico.

Além disso, muitas vezes o longa busca fazer uma crítica à objetificação do corpo – a personagem da prótese trabalha numa fábrica de bonecas de borracha e após sua cirurgia fica parecendo com uma de suas peças. Porém, parece não perceber que muitas vezes seu próprio filme objetifica o corpo, principalmente o feminino, quantas vezes em Zoom não há uma cena de nudez totalmente gratuita, como o mergulho de Mariana Ximenez que tira a parte de cima de seu biquíni para entrar no mar. Fatos como esse transformam as críticas e metáforas de Zoom numa superficialidade incrível, que deixa o longa com poucas camadas de significados.

Assim, Zoom é uma grande decepção, sendo um filme que propõe ser inovador, inventivo e questionador, mas demonstra uma grande superficialidade, tanto em suas críticas, quanto na sua experimentação. Talvez tenha sido uma quantidade imensa de liberdade criativa para seus realizadores, o que só gerou um filme cheio de pretensões, mas que entrega muito pouco.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio