“O suspense é essencialmente um processo emocional”. Foi assim que Alfred Hitchcock definiu o que era o suspense, definição que vai além de um mero gênero cinematográfico, o cineasta é responsável por formular códigos que ainda hoje são (e devem ser) utilizados para criar tensão e envolvimento. Suspense é mais do que forma ou estilo, é uma psicologia cinematográfica. Assim, Hitchcock é um mestre que extraiu essa sensação das mais diversas situações e colocar pessoas comuns a mercê das forças naturais foi um de seus maiores sucessos, Os Pássaros é desde então o ponto de partida de muitos filmes, entre eles Águas Rasas.

O longa dirigido por Jaume Collet-Serra tenta compreender essa lição ao buscar colocar seu espectador na pele da protagonista, a jovem Nancy (Blake Lively), só com esse envolvimento que será possível sentir o mesmo medo e aflições que a garota também sente. Dessa maneira, a chegada de Nancy a praia localizada em algum lugar de Tijuana, México, é a tentativa de tornar tudo aquilo empático, para que seja importante toda aquela jornada que virá a seguir.

Assim, tentando colocar sua narrativa exclusivamente naquela porção de terra coberta com areia que confina no mar, o filme faz um grande esforço para que isso seja completo, interessante notar como nesse caso não há um micro universo naquela praia, não há um mundo a ser descoberto, mas sim um mundo exterior da protagonista que contamina o local. Assim, o filme passa seus primeiros 15, 20 minutos expondo todos os conflitos internos e externos para que ela finalmente entre no mar.


Dessa maneira, após muitas conversas no celular, mensagens e diálogos com alguns moradores locais o filme dá todas as informações possíveis para que se acredite na próxima hora. O roteiro de Anthony Jaswinski funciona como uma bula, um guia, em que tudo apontado será utilizado ao decorrer do filme, como se utilizasse uma explicação prévia aos acontecimentos futuros, para que não haja dúvida da verossimilhança do longa, isso ocorre desde a carreira escolhida por Nancy, estudante de medicina em dúvida sobre seu futuro, até os brincos gigantescos que usa para entrar no mar, que de repente tornam-se essenciais para a sobrevivência da protagonista.

É dessa forma que Águas Rasas demonstra-se ser um perfeito exemplo de roteiro de manual, o que não significa boa qualidade. Essa sensação de não querer deixar brecha alguma, de tornar tudo organicamente, mas planejadamente tudo encaixado, gera uma sensação quase falaciosa ao filme, como se a verossimilhança prejudicasse a ficção, como se busca constante pelo realismo dos fatos trouxesse uma racionalização excessiva a uma condição que é puramente sensorial, que é o medo e a tensão por excelência, como afirma Hitchcock.

O que é interessante no longa de Collet-Serra é essa jornada de provação da protagonista, que deve despir-se de seu próprio eu para resistir a essa ameaça externa, mas que na verdade reflete os seus conflitos externos, a Nancy confusa e perdida naquele paraíso proibido não é a mesma que retorna para a casa após encontrar-se com essa situação extrema.

E o que mais funciona em Águas Rasas é justamente o clima e a tensão, quando o longa deixa de dar explicações, quando é apenas ela e a água, Nancy e uma natureza que ela desconhece. No suspense surge os momentos mais impactantes e funcionais do filme, a perseguição do tubarão, a sensação de estar sempre mais próxima ao fracasso do que à sobrevivência, de que todas esperanças estão sempre dizimadas. O longa que consegue ser sufocante da metade de sua projeção até o final mostra certa competência de seu realizador.

Se de certo modo Collet-Serra mostra-se eficiente, por outro lado ainda percebe-se certa mediocridade em sua concepção estética. O diretor, principalmente nesse trabalho mais recente, tenta conceber um estilo visual mais rebuscado, mas mostra apenas despreparo para isso, se em certo momento ele pinta o mar de vermelho assim que a protagonista se fere num momento bastante expressivo que indica todo o perigo e terror a vista, Collet-Serra também é capaz de realizar uma sequência sem nenhuma sensibilidade artística, quando Nancy nada num mar extremamente colorido com algumas águas-vivas, que apenas escancara uma fraca utilização do CGI aliado com pouquíssimo senso estético. A direção de Collet-Serra alterna entre algo que parece ter saído dos programas de surf do canal Off em sua primeira parte e uma péssima utilização dos recursos gráficos quando o cineasta pretende, sem êxito, um apuro visual maior.

O filme demonstra acreditar cegamente na funcionalidade dos recursos gerados por computação gráfica, algo que esvazia o senso de tensão sufocante que Águas Rasas vinha conseguindo construir. Principalmente em seu final, o longa aposta demais na figura do tubarão, que até então parecia mais como um volto sempre presente na água. Outra lição que parece ter sido esquecida durante o processo de realização de águas Rasas foi dada por Steven Spielberg (outro discípulo hitchcockiano) em seu Tubarão (1975), em que a figura do animal selvagem era pouco vista, mas sempre sugerida, não ver aquele monstro por completo concedia um temor ainda maior. A figura de Águas Rasas apenas parece um videogame em certo momento da projeção, desconfigurando sua carga dramática.

Por fim, Águas Rasas é um filme eficaz em sua maneira de construir seu suspense, um longa que tenta compreender todas as lições do gênero, mas mesmo que escancare que siga essa cartilha, mostra também que falta sensibilidade cinematográfica para chegar a outro patamar. Águas Rasa é um bom suspense, mas não um dos grandes.

Águas Rasas