Crítica 2 | Animais Fantásticos e Onde Habitam

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Muitos tiveram aquela sensação de ver pela ultima vez o universo de Harry Potter transpassado para as telas do cinema, o fim de uma geração, que em sua totalidade, cultivava uma extrema empatia por um universo mágico, parecia perder um dos maiores e mais potentes produtos culturais que o século XXI já produziu. Entretanto, como sabemos, nosso cinema atualmente tem como uma de suas inúmeras características não interromper uma franquia tão produtiva e lucrativa, e com Harry Potter não foi diferente.

Animais Fantásticos e Onde Habitam poderia ser um filme que vêm para resgatar esse sentimento de quem presenciou e cresceu junto com essa série, mas acaba apresentando algo totalmente diferente do universo anteriormente retratado nos filmes de Harry Potter.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Esse deslocamento para com os filmes de Harry Potter é necessário para a recepção do longa, mas é inevitável a sua comparação. Muitas análises poderiam ser feitas em cima de pessoas com diferentes experiências. Alguns diriam que adorou o filme devido a fidelidade para com o livro de J. K. Rowling, elogiando certamente a concepção artística do todo, já outros não recepcionariam o longa tão bem em razão da discrepância para com os filmes de Harry Potter, construindo uma contraposição entre ambos. Os dois lados teriam seus argumentos, e a criação de outros lados também surgiriam, construindo inúmeras discussões acerca do filme. Por conseguinte, Animais Fantásticos e Onde Habitam despertará nas pessoas uma ânsia de debater sobre um universo mágico novamente, algo que sem Harry Potter com certeza se sentiu falta.

Investigando o filme como obra, Animais Fantásticos e Onde Habitam traz a história de Newt Scamander, um magizoologista que vai até Nova York carregando uma mala com inúmeros animais mágicos, e em consequência do cruzamento dele com Jacob Kowalski, Newt acaba perdendo alguns de seus animais fantásticos, e tem a difícil missão de agora encontra-los perdidos em Nova York. Bem construído, com a ajuda de J. K. Rowling que foi argumentista do filme, o roteiro do longa se apresenta praticamente sem falhas, a história se desenvolve de uma forma clássica, como um bom filme de aventura. Entretanto, fica aquela sensação de algo a mais.

O personagem de Newt, representado por Eddie Redmayne – uma grande invenção de Hollywood, que ainda não disse por que veio – não tem a força e empatia que o protagonista necessita, se tornando um personagem morno e caricato, assim como Porpentina Goldstein (Katherine Waterston) que acompanha Newt durante todo o filme e também passa a impressão de uma personagem maçante. Talvez Jacob (Dan Fogler) seja o mais interessante devido sua comicidade, mas afinal, quando foi que nos filmes de Harry Potter o centro das atenções foi um personagem que a sua essência se dava através da risibilidade?

Mesmo assim, Animais Fantásticos e Onde Habitam não deixa de ser um bom filme por conta disso. Realmente, a representação do universo mágico dos anos 20 em uma cidade dos Estados Unidos se dá de uma forma grandiosa, tendo a capacidade de criar um ambiente envolvente, onde seus personagens flutuam pelo espaço criado, com uma construção artística encantadora. Os animais fantásticos acabam sendo um espetáculo a parte, e uma condução leve ao filme é dada ao longo de sua duração, tornando-se uma experiência agradável para quem assiste.

Grande parte dos leitores de Animais Fantásticos e Onde Habitam certamente leram o livro sem a expectativa de encontrar uma estrutura parecida com Harry Potter, tratando ele mais como um segmento a parte, onde trazia curiosidades de um universo extremamente rico em seu conteúdo. E é exatamente esse sentimento que o telespectador terá que ter em frente as telas momentos antes de assistir o filme. Animais Fantásticos e Onde Habitam é um longa que resgata o sentimento dos filmes de Harry Potter apenas na sua abertura, propondo depois – apesar de se situar no mesmo universo – um mergulho em uma história totalmente diferente, sem fortes protagonistas e principalmente antagonistas. Um filme sem inquietude, mas que não deixa de ter suas qualidades.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio