Crítica | Michelle e Obama

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

É sempre muito delicado quando se traz para as telas um filme que simboliza grandes ícones mundialmente conhecidos, porém, se engana quem espera de Michelle e Obama um filme biográfico que tenta reproduzir a vida do casal mais influente da América, e talvez do mundo. O grande mérito do filme mora justamente nessa seleção de apenas um fragmento da vida do casal, que rege toda a narrativa.

O longa busca retratar apenas um dia da vida deles. Com uma montagem paralela clássica, somos apresentados aos personagens momentos antes deles se encontrarem. Michelle, interpretada por Tika Sumpter, ainda mora com os pais e trabalha em uma firma de advocacia, onde lá é mentora de Obama (Parker Sawyers), jovem estudante de direito na universidade de Harvard. Nesse dia, há uma reunião marcada entre os dois. Reunião que ao longo do filme se transforma no primeiro encontro do casal.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como em um filme de Richard Linklater, Obama e Michelle conversam sobre diversos assuntos ao longo do dia. Desde o início – de forma as vezes até exagerada – o diretor tenta mostrar através do diálogo entre os personagens o interesse político e social que ambos já possuíam. Obama, como um antigo líder comunitário, e ainda estudante de direito, e Michelle, como uma representante de uma firma de advocacia, mostram que desde jovens já tinham preocupações e considerações sobre a sociedade americana da época.

De uma forma honesta e simples, o diretor Richard Tanne consegue sustentar bons diálogos que capturam toda a essência dessas figuras na atualidade. Entretanto, o filme não perderia sua credibilidade se esses personagens fossem pessoas qualquer.

Michelle e Obama não tem a pretensão de registrar a importância dessas figuras para os Estados Unidos – tanto que o título original do filme não leva o nome deles – mas sim de mostrar Michelle e Obama como pessoas comuns, com suas respectivas angústias.

Dessa forma, Michelle e Obama se mostra um filme íntegro, quebrando certas expectativas de quem esperaria uma obra que contasse toda a história dessas pessoas tão emblemáticas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio