É evidente, nessa tentativa de fortalecer a indústria cinematográfica brasileira, que há uma busca por conquistar um público infanto-juvenil, uma parcela muito importante de quem consume cinema. Isso não é nenhuma novidade e nenhuma tentativa pioneira, mas com certeza um objetivo do cinema nacional há muito tempo (vide os filmes da Xuxa, por exemplo). Nessas circunstâncias e nesse momento mais estruturado do cinema comercial a televisão é peça fundamental para chegar a esse público.

Dessa forma, não é difícil ver os astros infantis e suas séries estrearem no cinema, como aconteceu com a bem sucedida adaptação de Carrossel para os cinemas. Agora é a vez da série do canal Gloob ter sua chance na tela grande com Detetives do Prédio Azul, também conhecido como D.P.A., série que já está em sua oitava temporada e já teve até uma reformulação de elenco. Com isso, não é difícil de perceber que independente de qualquer coisa, o longa terá um grande público, agora para assistir seus heróis favoritos formato diferente, mais longo e que promete algumas surpresas.

O longa parece seguir a mesma estrutura da série, com uma ligeira tentativa de fazer tudo parecer maior, mais importante e até mesmo um pouco mais épico. A história de Detetives do Prédio Azul traz mais uma investigação do clubinho residente naquele prédio após uma festa dada pela bruxa Leocádia, reunindo magos de todo o país naquele condomínio. Após o evento, os detetives percebem que o quadro da síndica, onde habita a avó Berta foi roubado e o prédio azul surge com rachaduras que fazem o local estar à beira de desabar. Assim, os detetives partem para resolver esse importante caso.


O filme segue por esse tom aventuresco, bem inocente não ligando por uma preocupação com a realidade, avisando que tudo é permitido naquele universo. Detetives do Prédio Azul faz de forma bem feita esse esquecimento da realidade, construindo bem seu mundo particular. O longa sugere, também, que seu conteúdo seja para um público mais infantil, marcando excessivamente seu humor com gags fáceis, como a utilização quase sem fim da piada em que os personagens deixam gases escapar. Com isso, em certos momentos D.P.A. parece deixar sua narrativa mais simplória do que deveria, como se nivelasse por baixo a compreensão de sua audiência, sem acreditar que aquela narrativa pudesse ter pretensões maiores.

O longa, por muitas vezes, na tentativa de ser fiel ao seu programa de origem, importa demais seu estilo televisivo, sendo bastante preso em relação àquilo que se vê diariamente na televisão. O alto grau de diálogos, principalmente os explicativos, usando a esperteza dos detetives para recapitular a cada sequência aquilo que já foi visto. A decupagem simples sem muita inventividade no trabalho de câmera e na simplicidade da narrativa reforçam esse teor televisivo. De fato, Detetives do Prédio Azul é um filme simples, algo que a versão para o cinema tenta contornar demonstrando seu valor de produção, evidenciando as condições técnicas do longa, seja em algumas tomadas aéreas, ou nas locações externas no Rio de Janeiro, ou na utilização de efeitos especiais. Todavia, tudo isso surge como um adereço para o filme, de resto, o que sobra em sua essência é o DNA visto na série de televisão.

Assim, o que pode ser dito é que o filme carrega e muito um sentimento de episódio especial, se isso como longa pode ser não tão rico, por outro lado cumpre um papel agradável em relação aos fãs. Nesse sentido a aventura dos detetives faz muito sentindo, surge como um complemento que não poderia ser visto num episódio comum. A sensação é como se os realizadores de fato alongasse um formato já bem conhecido para realmente satisfazer aquele público cativo da série. As participações especiais seguem nesse mesmo sentido, fazendo com que a aventura no cinema proporcione momentos que não poderiam ser visto nas telas.

D.P.A. não possui, não propõem, nem deseja mostrar algo de novo, algo de ousado mesmo nas fórmulas do cinema infanto-juvenil. O filme faz um trabalho dentro da sua zona de conforto, visando à satisfação de um público bem cativo. De fato, o longa deve encher suas salas de cinema e agradar os fãs, como um especial da série que ganha espaço na tela grande.