O cinema sul-coreano, ao menos desde o início do século XXI, vem sabendo, a partir da tensão visceral de suas narrativas e direções desconcertantes, nos energizar a pulsação do coração. Bom, quanto à narrativa desconcertantes é interessante notar que é também sul-coreano Hong Sang-soo (Certo Agora, Errado Antes), cujo roteiro é sempre arguto e inteligentíssimo, e também Lee Chang-Dong, cuja beleza da obra é reflexo dos belos roteiros que já assinou – como o do longa Poesia (2010). Enfim, o eurocentrismo (que flerta com o domínio cultural estadunidense) predominante no senso comum impede boa parte do público de enxergar o cinema além EUA-Europa muitas vezes, mas nomes de peso não faltam ao recente cinema sul-coreano.

Porém dizia sobre um cinema mais próximo ao visceral, ao suspense. Bom, Kim Ki-Duk (Pietá) tem uma forte veia sangrenta, sinistra e tétrica em sua obra, e isso obviamente se reflete em um suspense terrorífico. Contudo, Duk está muito mais distante de um “cinema de gênero” – e não creio que um dia seus filmes se aproximaram deste – do que Chan Wook-Park (Oldboy e, mais recentemente, A Criada) e Bong Joon-Ho (O Hospedeiro). É uma pena que Hollywood não saiba fazer épicos de suspense como estes dois sabem fazer: reproduzem sim uma veia mais folhetinesca, “de gênero”, e contudo sabendo fazer personagens complexos e instigantes, usando a linguagem cinematográfica com autoria e originalidade (e eficiência) e incrementando elementos simbólicos e temas tão provocativos que os afastam mesmo da certa repetitividade sentimental dos bluckbuster do Tio Sam.

Deve ser por isso que, buscando maior expressividade e originalidade em seus filmes, a Netfllix foi atrás justamente de Bong Joon-Ho para dirigir uma das produções do canal de streaming: eis que surge Okja, integrante da seleção oficial do Festival de Cannes deste ano.


A empresa frigorífica Mirando, comandada pela excêntrica empresária Lucy Mirando (Tilda Swinton), em 2007 anunciou a descoberta dos “super-porcos” – uma espécie nova de animal, cuja carne prometia ser deliciosa. Para promover seu novo “produto”, organizou uma competição entre fazendeiros do mundo todo na qual durante os 10 anos seguintes criariam, cada um, um indivíduo dessa nova espécie e venceria aquele cujo super-porco fosse o melhor cuidado nesse tempo todo. Contudo, eis que surge Mija (Ahn Seo-Hyun), que cresceu na mesma fazenda que a super-porco chamado Okja e que, após o fim dos 10 anos, vê a Mirando Co. levar a sua fiel amiga aos Estados Unidos, rumo ao abatedouro. Para livrar Okja da morte, a garota fugirá da pacata fazenda aonde vive e percorrerá o mundo todo se for preciso para resgatá-la. No meio do caminho, encontra um grupo autodenominado “terrorista” chamado “Frente de Libertação dos Animais”, que promete-lhe ajuda.

E indo direto ao ponto, Okja é sim muito bem realizado e elogiável, embora que se comparado aos outros trabalhos de seu diretor veremos que este não alcança o brilhantismo dos psicodélicos e noir Mother e Memórias de um Assassino, ou ainda do lancinante e incrível terror O Hospedeiro. Okja apresenta alguns dos principais traços que caracterizam o estilo de Bong: há nele o forte apelo emocional relacionado à força afetiva que levam alguns protagonistas a se sacrificarem em prol das potenciais vítimas (a mãe que de tudo faz para livrar o filho da pena em Mother, a família que vai atrás da pequena garotinha raptada pelo monstro do lago em O Hospedeiro) e também a negação do herói hercúleo, viril, idealizado por figuras humanas, banais, vulneráveis.

Contudo, Okja é também marcado por certas diferenças que apresenta frente ao estilo de seu diretor: aqui, assim como já o fizera em O Expresso do Amanhã (até então seu único filme falado em inglês), Bong acrescenta muitas cenas de ação, fator não muito constante em outras obras suas. Porém, a grande diferença de fato é que aqui diminui a intensidade do aspecto soturno, pessimista e ríspido típico da sua linguagem e, logo, faz seu filme mais puxado pro lado do otimismo, da polidez e da afabilidade: este é, sem dúvida, um filme muito menos sinistro e mais gracioso do que costuma fazer o sul-coreano.

Logo, a relação de irmandade e amizade entre Mija e a super-porco, que se encaixa naquele perfil da “força afetiva que levam alguns protagonistas a se sacrificarem em prol das potenciais vítimas”, ganha traços estilísticos comparáveis a Satsuki, Mei e Totoro no filme de Hayao Miyazaki. Inclusive, o filme Okja é tão gracioso nesse aspecto que a amizade entre Mija e Okja realmente remete às meigas amizades de filmes fabulosos infantis – como Mogli e Baloo. Talvez isto se deva à adaptação de Bong ao universo mais polido e idealizado de Hollywood.

Escolhas a parte, Okja tem uma boa trama, protagonistas empáticos e uma direção que sabe construir suspense e intensidade. Contudo, creio que seu ponto mais alto é a forma como defende a luta contra o assassinato de animais para a produção de carne, contra o abatedouro e contra a tortura de animais para o setor pecuário. Se Bong reduz o nível de violência visual e sinistrismo nesse seu filme da Netflix, o que desses ainda preserva é definitivamente usado para as denúncias do longa: a violência visual para mostrar o tratamento e assassinato de animais nos confins da Mirando Co. garante o impacto desejado e é demasiado atordoante.

Contudo, as coisas não param por aí: Okja não quer só avisar que carne é assassinato e tortura, mas quer também expor a imoralidade da lógica da busca por lucro, de grandes corporações privadas que passam por cima de crimes contra a humanidade em busca de maior rentabilidade em seus negócios – torturam animais, matam florestas (sem contar casos que não aparecem no filme, como , o lucro sobre guerras, reduções de salários ou casos de escravidão)… Bong se preocupa com isto neste roteiro, e tal exposição é feita a nos atordoar da mesma forma. Há, até mesmo, uma crítica que acaba por poder ser vista como uma indireta à própria Netflix: o retrato da perversidade das publicidades, que visam manipular a boa-fé do seu público-alvo para esconder toda a sujeira das reais intenções que correm nos bastidores do mundo empresarial.

O drama do longa, a forma como constrói a narrativa, consegue ser muito instigante até sua metade, na qual concretiza a exposição do conflito e inicia seu caminho rumo ao clímax. A fotografia do mestre Darius Khondji (Z: A Cidade Perdida e Amor) agrega frieza, faz bom uso das cenas de ação e constrói planos muito inteligentes – ajudando muito com alguns enquadramentos, nos quais contrasta a pequenez de Mija à grandeza das adversidades de sua jornada, a forjar o caráter corajoso da garota que, mesmo exposta às suas vulnerabilidades e limitações, resiste ao medo em nome de sua amiga Okja. A trilha sonora é igualmente tocante e, até mesmo, por vezes inteligentemente irônica.

Contudo, o filme cai um tanto na sua metade final, mas sem chegar a um nível de desapontamento muito prejudicial. Seu clímax é um tanto previsível e sem nada surpreendente, mas talvez um dos fatores que mais tenha prejudicado o longa seja a perda de espaço de Mija, a protagonista, durante esta segunda metade do filme, para o personagem de Paul Dano – no roteiro, o líder da Frente de Libertação dos Animais. Jay, personagem de Dano, surge quase que repentinamente na metade do filme, sem o espectador ter estabelecido qualquer vínculo com ele, enquanto todo o apelo empático da trama estava focado na relação entre Mija e Okja. Logo, Mija quase que dividir o tempo de tela com Jay, e este por vezes parecer ter se tornado o protagonista do filme, faz com que o longa perca muito do seu poder de causar compaixão e empatia ao espectador justamente no momento do clímax.

Um fator que pode responder essa perca de espaço um tanto imprudente da protagonista nessa segunda metade do filme seja talvez uma vontade comercial da produção de que o tempo de tela falado em inglês se prepondere ao coreano – e, justamente, a protagonista fala coreano. Por sorte, a trama envolvendo a Frente de Libertação dos Animais também é satisfatória, o que faz com que Okja não perca tanta coisa assim.

E, por fim, Okja, com este elenco pomposo, tem como seus destaques na atuação a sempre competente Tilda Swinton, cuja personagem por seu tom caricato e excêntrico era um papel difícil dados os riscos de se cair em uma representação tão artificial que soaria cômica (e não trágica); e também a própria An Seo-Hyun, que explora muito bem a essência de sua personagem. Contudo, se Tilda Swinton consegue fazer uma personagem soar trágica e caricata ao mesmo tempo, talvez o mesmo não aconteça com Jake Gyllenhall, cuja atuação tão forçada por vezes quebra com toda a verossimilhança e não consegue convencer o espectador – que somente o vê como um personagem superficialmente cômico.

Okja não é o melhor trabalho já feito por Bong Joon-Ho. Contudo, ainda assim é um bom trabalho.

Okja